<b>Do Humano aos Pixels: o apelo sexual nas propagandas de videogames</b>

Conteúdo do artigo principal

José Antônio Loures

Resumo

O artigo apresenta, analisa e discute propagandas de apelo sexual para videogames. O corpo é transformado em mercadoria e também usado para atrair o público, e isso também se aplica ao universo dos videogames. Nesse texto estão propagandas de épocas e plataformas diferentes, assim como o seu público alvo. Foram utilizadas as categorias estabelecidas por Tom Reitcher para as análises, que são:  exibição do corpo, comportamento sexual, fatores contextuais e referências sexuais. Por fim, o trabalho apresenta uma visão geral de como ao decorrer das décadas a publicidade nos videogames representavam o corpo feminino e masculino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
LOURES, J. A. <b>Do Humano aos Pixels: o apelo sexual nas propagandas de videogames</b>. Revista Panorama - Revista de Comunicação Social, Goiânia, Brasil, v. 8, n. 1, p. 36–41, 2018. DOI: 10.18224/pan.v8i1.6411. Disponível em: https://seer.pucgoias.edu.br/index.php/panorama/article/view/6411. Acesso em: 24 abr. 2024.
Seção
Artigos / Articles
Biografia do Autor

José Antônio Loures, Instituto de Artes - Universidade de Brasília

Foto Artista multimídia com produção em temáticas contemporâneas como a relação homem e máquina, difusão de informação, política e videogames. Desde 2011 trabalha nas linguagens da arte computacional, histórias em quadrinhos, web arte, fake arte e game arte. Em 2013 foi professor no curso de Ilustração no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), no Centro de Internação de Adolescentes de Anápolis - CIAA. Transitou entre a função de estagiário, professor de História da Arte e participante do Conselho Deliberativo e Curatorial da Galeria Antônio Sibasolly em Anápolis. Mestre em Arte e Cultura Visual, pelo Programa de Pós-graduação em Arte e Cultura Visual - UFG. Atualmente doutorando e bolsista CAPES no Programa de Pós-graduação em Arte pelo Instituto de Artes - UnB. Em sua tese em desenvolvimento defende a hipótese que considera que a sexualidade nos games está presente em quase todas as categorias, desde o seu modus operandi no gameplay até os aspectos visuais e sensoriais. Para demonstrar os valores conceituais do erotismo e da sexualidade, a pesquisa aborda uma breve retrospectiva da relação homem e máquina, assim como, destaca os primeiros jogos que trouxeram elementos literais sexuais na sua narrativa. Sua pesquisa se volta para a gamearte e suas variações, tanto analógicas e digitais.

Referências

ABBADE, João. Cyberpunk 2077 é significantemente maior que The Witcher 3, diz CEO da CD Projekt Red, 2017. Disponível em: <https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/cyberpunk-2077-e-significantemente-maior-que-the-witcher-3-diz-ceo-da-cd-projekt-red/>. Acesso em 21 de janeiro de 2018.

CASTRO, Ana Lúcia de. Corpo, consumo e mídia. In Revista CMC: Comunicação, mídia e consumo, v.1, n.1, 2004. São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing). Disponível em <http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/2>. Acesso em 02 de janeiro de 2018.

G1. Mulheres são 52,6% do público que joga games no brasil, 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/tecnologia/games/noticia/2016/03/mulheres-sao-526-do-publico-que-joga-games-no-brasil-diz-pesquisa.html>. Acesso em 31 de janeiro de 2018.

JANSEN, Roberta. Lei multa propagandas sexistas e misóginas no Rio em até R$ 658 mil, 2018. Disponível em: <http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,lei-proibe-propagandas-sexistas-e-misoginas-no-estado-do-rio,70002145860>. Acesso em 04 de janeiro de 2018.

KARASINSKI, Vinicius. Deep Silver se desculpa pelo busto feminino zumbificado de Dead Island Riptide, 2013. Disponível em: <https://www.voxel.com.br/noticias/deep-silver-se-desculpa-pelo-busto-feminino-zumbificado-de-dead-island-riptide_108887.htm>. Acesso em 07 de janeiro de 2018.

LOCAL, Reportagem. Conar restringe erotismo e jovem em propaganda de cerveja e vinho, 2003. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi1309200327.htm>. Acesso em 04 de janeiro de 2018.

REICHERT, Tom. Sex in advertising research: A review of content, effects, and functions of sexual information in consumer advertising. Annual Review of Sex Research, v. 13, p. 241-273, 2002.

SANTAELLA, Lúcia. O corpo como sintoma de cultura. In Revista CMC: Comunicação, mídia e consumo, v.1, n.2, 2004. São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing). Disponível em < http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/17>. Acesso em 01 de janeiro de 2018.

SMITH, Bruce. Propaganda. 2016. Disponível em: <https://www.britannica.com/topic/propaganda>. Acesso em 01 de janeiro de 2018.