Ossos do Ofício: cemitérios, licenciamento ambiental e prática arqueológica em Arraias, Tocantins

Autores

  • Rafael de Abreu e Souza
  • Márcia Lika Hattori
  • Patrícia Fischer

DOI:

https://doi.org/10.18224/hab.v10.2.2012.215-240

Resumo

Resumo: este artigo discute o papel desempenhado pela arqueologia em um cemitério rural, contemplando o referencial teórico, as metodologias e os passos adotados no processo. Embora os cemitérios constem como sítios arqueológicos a serem protegidos desde a lei de 1961 nem todo cemitério é um sítio. Como atuar fora desta categoria? Quando os cemitérios são da alçada arqueológica? A Portaria IPHAN basta? Com base nestas questões discutimos nossa prática nestes contextos. Palavras-chave: Licenciamento Ambiental. Conflitos. Arqueologia de Contrato. Cemitérios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

E SOUZA, R. de A.; HATTORI, M. L.; FISCHER, P. Ossos do Ofício: cemitérios, licenciamento ambiental e prática arqueológica em Arraias, Tocantins. Revista Habitus - Revista do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, Goiânia, Brasil, v. 10, n. 2, p. 215–240, 2013. DOI: 10.18224/hab.v10.2.2012.215-240. Disponível em: https://seer.pucgoias.edu.br/index.php/habitus/article/view/2828. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos / Articles