v. 13 n. 2 (2023): LUÍS SERGUILHA: CORPOS DELIRANTES – ENTRE RITMOS E RASTROS À ESPREITA

					Visualizar v. 13 n. 2 (2023): LUÍS SERGUILHA: CORPOS DELIRANTES – ENTRE RITMOS E RASTROS À ESPREITA

Ilustração da capa: Rogério Milani
Obra: Corpos Delirantes

Publicado: 04.04.2024

Editorial

  • LUÍS SERGUILHA: CORPOS DELIRANTES – ENTRE RITMOS E RASTROS À ESPREITA

    Elizete Albina Ferreira
    170-172
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14068

Comunicações

  • LUÍS SERGUILHA: O POEMA CONTÍNUO

    Contador Borges
    173-178
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14086
  • LUÍS SERGUILHA: QUE RECEPÇÃO?

    Fernando Castro Branco
    179-183
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14087
  • LUÍS DE SERGUILHA: UMA COSMOVISÃO BARROCA DA PALAVRA

    Josoel Kovalski
    184-189
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14088
  • A SEDUÇÃO DE UM SIGNO EM CHAMAS: BREVE TESTEMUNHO SOBRE A ESCRITA MAGMÁTICA DE LUÍS SERGUILHA

    Ricardo Gil Soeiro
    190-193
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14089

Artigos

  • “UM GAGO À ESPREITA”: A REPRESENTAÇÃO DA ANIMALIDADE NA POÉTICA SERGUILHANA

    Paulo Petronilio Petrot
    194-206
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14070
  • AUTOPOÉTICA DA LEITURA NA POESIA IMERSIVA DE LUÍS SERGUILHA

    Sheila Mihailenko Chaves Magri
    207-224
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14072
  • ETOPOIÉTICA COM SERGUILHA E FOUCAULT DESENHANDO CONCEITOS SENSÍVEIS DENTRO DOS PENSAMENTOS, DOS MODOS E DAS ATITUDES

    Stela Maris da Silva
    225-234
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14073
  • LAHARSISMO, POÉTICAS DO MÚLTIPLO: ORALIDADES, ESCRITA E LEITURA

    Abreu Castelo Vieira dos Paxe
    235-245
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14075
  • A INTERMIDIALIDADE ENTRE A POÉTICA DE LUIZ SERGUILHA E AS PINTURAS DE DALI E ADRIANA VAREJÃO

    Maria Aparecida Rodrigues
    246-260
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14076
  • O ENCONTRO DO BARROCO FLORAL COM A ESTÉTICA DO LAHARSISMO: FRAGMENTOS DAS ERRÂNCIAS DAS FLORAÇÕES DE GEORGIA O’KEEFFE

    Luciana Abreu Jardim
    261-305
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14077
  • SERGUILHA: O ALMOXARIFE DE ARQUIPÉLAGOS

    Amálio Pinheiro
    306-314
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14078
  • ALGUMAS PROBLEMÁTICAS DA CARTOGRAFIA SÍGNICA DO POETA LUÍS SERGUILHA

    Ana Lúcia de Oliveira Brandão
    315-326
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14079
  • “FALAR É MORDER UMA EPIDEMIA”: JAZZ EM FÚRIA OU A POESIA EM ESTADO CRÍTICO

    Caio Ricardo Bona Moreira
    327-335
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14080

Ensaios

  • LALANGUE, REAL E AS DINÂMICAS ASSOCIATIVAS: UMA DISCUSSÃO PSICANALÍTICA DE UM NÚCLEO TEXTUAL, EM LUÍS SERGUILHA

    Edson Manzan Corsi
    336-340
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14081
  • LES INVENTIONS D'INCONNU: LUÍS SERGUILHA E O MAL-ESTAR RIMBAUDIANO NA CENA CONTEMPORÂNEA

    Anelito de Oliveira
    341-345
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14082
  • DA INTERSEMIOSE CARNAVALESCA EM LUÍS SERGUILHA

    Divino José Pinto
    346-353
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14083
  • CORPUS OPUS A POÉTICA DE LUÍS SERGUILHA

    Paola Zordan
    354-360
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14084
  • LUÍS SERGUILHA: FLUTUAÇÕES FURIOSAS: POESIA-PENSAMENTO

    Ana Maria Haddad Baptista
    361-386
    DOI: https://doi.org/10.18224/gua.v13i2.14098