O PACTO EDUCATIVO GLOBAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Gillianno José Mazzetto de Castro

Resumo


O presente estudo tem por objetivo pensar as inspirações do Pacto Educativo Global (PEG) a partir da perspectiva dos processos de ensino-aprendizagem. Os passos metodológicos são: o processo educativo e o seu significado dentro do mundo da vida; os estilos de aprendizagem e os seus canais preponderantes no processo de construção de uma experiência educativa por meio de três instrumentos validados para a população brasileira, a saber: Vark, Kolb e Felder-Silverman; os designs de aprendizagem e por fim, os elementos constitutivos para a aplicação de um processo de ensino-aprendizagem à luz do PEG. Como conclusão se pode notar que o pacto educativo global propõe um modelo integrativo de processo de ensino-aprendizagem no qual tanto os ambientes quando os membros da comunidade educativa são convidados a se colocarem em uma postura de diálogo tendo como centro a pessoa humana em sua diversidade por meio de processos de formação integrada e integrativa.

Palavras-chave


Educação; Aprendizagem; Pacto Educativo Global

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, A. C. de; RIBEIRO, E. C. de O. Conceito e avaliação de habilidades e competência na educação médica: percepções atuais dos especialistas. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 34, n. 3, p. 371-378, set. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/kjSLDztzhDCCJv7PkrxDmGy/abstract/?lang=pt. Acesso em: 12 abr. 2021.

ARROSAGARAY, M.; GONZÁLEZ-PEITEADO, M.; PINO-JUSTE, M.; RODRÍGUEZ-LÓPEZ, B. A comparative study of Spanish adult students’ attitudes to ICT in classroom, blended and distance language learning modes. Computers & Education, v. 134, p. 31-40, 2019.

BERGGREN, C.; SÖDERLUND, J. Rethinking project management education: Social twists and Knowledge co-prodution. Internacional Journal of Project Management, v. 26, p. 286-296, 2008.

BRAUER, M. Ensinar na Universidade: conselhos práticos, dicas, métodos pedagógicos. São Paulo: Editora Parábola, 2012.

CAMPOS, D. M. de S. Psicologia da Aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1982.

CERQUEIRA, T. C. S. Estilos de aprendizagem em universitários. 179f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, 2000.

CLAXTON, C. S.; MURRELL, P. H. Learning styles. Washington, DC: George Washington University (ERIC), 1987.

COFFIELD, F.; MOSELEY, D.; HALL, E.; ECCLESTONE, K. Learning styles and pedagogy in post-16 learning: a systematic and critical review. Learning and Skills Research Centre, London, 2004.

DE BOTTON, A. The school of life: An Emotional Education. The school of live: London, 2019.

DIAS, I. S. Competências em educação: conceito e significado pedagógico. Psicologia Escolar e Educacional, v. 14, n. 1, p. 73-78. 2010.

DIESEL, A.; BALDEZ, A. L, S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n. 1, 2017.

DUFF, A. Approaches to learning: the revised approaches to studying inventory. Active Learning in Higher Education, London, v. 5, n. 1, p. 56-72, 2004.

ELMORE, R. Bridging the Gap between Standards and Achievement: the imperative for Professional Development in Education. Washington: The Albert Shanker Institute, 2002.

ELMORE, R.; PETERSON, P. L.; MCCARTHEY, S. J. Restructuring in the Classroom: teaching, learning & school organization. Jossey-Bass, 1996.

FELDER, R. M.; SILVERMAN, L. K. Learning styles and teaching styles in engineering education. International Journal of Engineering Education, Ontario, v. 78, n. 7, p. 674-681, 1988.

FLEMING, N. D. Teaching and learning styles: VARK strategies. Christchurch, New Zealand: N. D. Fleming, 2001.

FRANCISCO. Pacto Educativo Global – Instrumentum Laboris. 2019. Acesso em: https://www.educationglobalcompact.org/resources/Risorse/instrumentum-laboris-pt.pdf. Disponível em: 05 out. 2021.

FREIRE, P. A EDUCAÇÃO é um ato político. Cadernos de Ciência, Brasília, n. 24, p. 21-22, jul./ago./set. 1991.

GALIMBERTI, U. Psique e Techne: o homem na idade da técnica. São Paulo: Paulus, 2006.

GREGORC, A. F. Inside styles: beyond the basics. Maynard, MA: Gabriel Systems, 1985.

GREGORC, A. F.; WARD, H. B. A new definition for individual: implications for learning and teaching. NASSP Bulletin, 1977.

HAMDI, H. The impact of the use of two modes of learning in the second grade of intermediate students in biology. Journal Of Al-Frahedis Arts, v. 11, n. 01, p. 464- 484. Doi:10.25130/art.v0i36.505. 2019.

HEIDEGGER, M. A essência do fundamento. Lisboa: Edições 70, 2018.

HENRY, M. Marx II: una filosofia de la economia. Buenos Aires: Ediciones La Cebra, 2018.

HUSSERL, E. La crisis de las ciencias europeas y la fenomenología trascendental. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2008.

JAEGGI, R. Critique of Forms of Life. Cambridge (MA): Harvard University Press, 2018.

KOLB, D. A. Experimental learning: experience as the source of learning and development. New Jersey: Prentice-Hall, Englewood Cliffs, 1984.

KRISHNAMURTI, J. A educação e o Significado da vida. Lisboa: Edições 70, 2017.

LEITÃO, M. B. P. Estilos de aprendizagem sob a ótica da psicologia evolucionista. 2006. 94f. Dissertação (Mestrado em Psicobiologia) - Departamento de Fisiologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006.

LUM, L.; BRADLEY, P.; RASHEED, N. Accommodating learning styles in international bridging education programs. Higher Education, Skills and Work-based Learning, v. 1, n. 2, p. 147-168, 2011.

MARIN, M. J. S.; LIMA, E. F. G.; PAVIOTTI, A. B.; MATSUYAMA, D. T.; SILVA, L. K. D. DA.; GONZALEZ, C.; DRUZIAN, S.; ILIAS, M. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 34, n. 1, p. 13-20, 2010;

PAIVA, M. R. F.; PARENTE, J. R. F.; BRANDÃO, I. R.; QUEIROZ, A. H. B. Metodologias atidas de Ensino-Aprendizagem: Revisão Integrativa. SANARE, Sobral, v. 15, n. 02, p. 145-153, jun./dez. 2016.

ROCHA, H. M.; LEMOS, W. M. Metodologias ativas: do que estamos falando? Base conceitual e relato de pesquisa em andamento. IX Simpósio pedagógico e de Pesquisa em comunicação, 2014.

SCALLON, G. Avaliação da aprendizagem numa abordagem por competência. Curitiba: Pucpr press, 2015.

SCHIMTT, C. S.; DOMINGUES, M. J. C. S. Estilos de aprendizagem: um estudo comparative. Avaliação, Campinas: Sorocaba, v. 21, n. 2, p. 361-385, 2016. DOI: 10.1590/S1414-40772016000200004.

SEVERINO, A. J. Educação e universidade: conhecimento e construção da cidadania. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 6, n. 10, p. 117-124, 2002.

SILVANO, H.; CONTRERAS, H.; PAULAS, J.; CHESINI, C. Dicionário do pacto educativo global. Curitiba: ANEC, 2021.

SVINICKI, M. D.; DIXON, N. M. The Kolb model modified for classroom activities. College Teaching, v. 35, n. 4, p. 141-146, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v31i4.12043

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 12/08/2021)

Fonte: Google Analytics.