O ESPAÇO PÚBLICO QUE PONTENCIALIZA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES*

Maria Luiza Milani

Resumo


A pesquisa abordou a violência contra a mulher praticada no espaço não domiciliar bem como, a inserção das mulheres na vida coletiva, produtiva, política, social, na construção de uma sociedade de igualdade de gêneros pela mobilização dos movimentos sociais. Se indagou como o espaço público, do trabalho e da vida social podem se configurar em lugares que potencializam atos violentos contra mulheres? O objetivo foi de destacar os espaços públicos de Canoinhas que colocam a mulher em situação vulnerável à violência não domiciliar como uma contradição no âmbito dos espaços públicos historicamente conquistados. Desenvolveu-se pesquisa qualitativa, dialética, bibliográfica e de campo. Aponta-se os espaços urbanos de municípios do porte de Canoinhas sobressaem lugares e formas de organização da vida coletiva que potencializam práticas de violência contra a mulher fora dos seus domicílios. Foram apontados locais mal iluminados, com acúmulo de lixo, abandonados, mas que a violência pode acontecer também nos locais d trabalho e de lazer. Para a mulher permanecem riscos e vulnerabilidades, que podem ser minimizados com medidas infraestruturais como iluminação, vigilância e segurança. A questão deve ser amplamente abordada com a população do gênero masculino.

Palavras-chave


Mulher. Violência. Espaço público.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria da Graça Blaya. A violência na sociedade contemporânea. 1 ed. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2010.

BANDEIRA, L.; SUÁREZ, M. A politização da violência contra a mulher e o fortalecimento

da cidadania. In: BRUSCHINI, C.; UNBEHAUM, S. (Orgs). Gênero, democracia e

sociedade brasileira. São Paulo: FCC, Ed. 34, 2002, p. 295-319.

BARROS, Alice Monteiro de. A mulher e o direito do trabalho. São Paulo: LTr Editora Ltda., 1995.

BASTOS, M. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2011.

BRASIL.. Ministério da Justiça. Programa Nacional de Direitos Humanos II. Brasília: 2002.

______. Ministério da Saúde. Norma Técnica: Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes. Brasília: 2005.

______. Protocolo: orientações e estratégias para implementação das Casas-abrigo. In. Diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas para mulheres. Brasília: 2006.

______.Plano Nacional de Políticas para Mulheres – Relatório de Implementação.2005/2006. Brasília: 2007.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 05 de outubro de

Acesso em 12 de mai. 2019.

______. Rede de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Secretaria Nacional de

Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Secretaria de Políticas para as

Mulheres – Presidência da República Brasília, 2011. Disponível em:

https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/rede-de-enfrentamento-a-violencia-contra-as-mulheres> Acesso em: 15 mai de 2019.

______.Presidência da República (PR). Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. II

Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: SPM, 2017a.

______. Presidência da República (PR). Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.

Pacto Nacional de Enfrentamento a violência contra as mulheres. Brasília: SPM, 2017a.

______ Código Penal. Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Disponível em:

. Acesso em: 12 out. 2019.

______ Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995. Dispõe sobre os Juizados Especiais Civis e

Criminais e dá outras providencias. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2019.

______ Supremo Tribunal de Justiça. Lei Maria da Penha, número 11.340 de 7 de agosto de

Disponível em: . Acesso em: 15 ago 20211

______ Declaração dos Direitos Humanos. 1941. Disponível em:

http://www.brasil.gov.br/sobre/cidadania/direitos-do-cidadao/declaracao-universal-dos-direitos-humanos >. Acesso em: 12 set. 2021.

______. Conselho Nacional de Justiça. Conselho Nacional De Justiça. Formas de violência.

/2014. Brasília: 2017.

FELIPE, Sonia e PHILIPPI, Jeaninne. A violência das mortes por decreto. Florianópolis: Editora UFSC, 1998.

GIDDENS, Anthony. O mundo na era da globalização. Tradução de Saul Barata. Editorial Presença. 5.ed. Lisboa, 2005a.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2006. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2019.

DA SILVA, J. Campanha da Fraternidade 2018. Disponível em: http://www.expressomt.com.br/artigos/campanha-da-fraternidade-2018/227. Acesso em: 26 de Março de 2018.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza; SOUZA, Edinilsa Ramos. (Org.). Missão investigar: entre o ideal e a realidade de ser policial. Rio de Janeiro: Garamond, 2003.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Administração da OMS. Disponível em:

. Acesso em: 10 de março de 2019.

PALACIO. Elisa Cristina. Ser Mulher e as Múltiplas Formas e Lugares que Pontencializam Práticas Violentas: o Cenário Contraditório entre Vulnerabilidades Direitos. Trabalho de

Conclusão de Curso, Faculdade Padre João Bagozzi. Curitiba, 2018.

PERROT, Michelle. Escrever a história das mulheres. In: Minha História das Mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

SAFFIOTI, Heleieth B. Rearticulando gênero e classe social. In: OLVEIRA, A.; BRUSCINI, C. (Org.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992. p. 183-215.

SAFFIOTI, Heleieth B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004. (Coleção Brasil Urgente)

SAFFIOTI, H.I.B; ALMEIDA, S. Violência de Gênero: Poder e Impotência. Rio de Janeiro:

Reinvinte, 1985.

TELES, Maria Amélia Almeida.; MELO, Mônica de. O que é Violência contra a Mulher. São Paulo: Brasiliense, 2002.

TELES, Maria Amélia Almeida.; MELO, Mônica de. O que são Direitos Humanos das Mulheres. São Paulo: Brasiliense, 2006.

https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/anos30-37/Constituicao1934/ParticipacaoFeminina. Acesso dez 2019

http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/canoinhas_sc. Acesso dez 2019.




DOI: https://doi.org/10.18224/baru.v8i1.9295

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Maria Luiza Milani

Rodapé - Barú
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | e-ISSN 2448-0460 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (24/08/2017 - 04/08/2022)

Fonte: Google Analytics.