PNAE E SUAS CONTRIBUIÇÕES AO COOPERATIVISMO DO ALTO VALE DO RIO DO PEIXE - SANTA CATARINA

GISLAINE JULIANOTI CARLESSO, Cesar Augustus Winck

Resumo


O objetivo principal deste trabalho é apontar as contribuições do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) para o desenvolvimento das cooperativas de agricultura familiar no Alto Vale do Rio do Peixe, em Santa Catarina. Para tanto, a pesquisa caracterizou-se como exploratória e descritiva. O método adotado foi o qualitativo, e no que tange à coleta de dados, foram utilizadas a pesquisa bibliográfica, análise documental e entrevistas semiestruturadas por telefone. Assim, conseguiu-se enumerar as contribuições do PNAE, demonstrando sua importância para a abertura de novos empreendimentos de economia solidária, e no fortalecimento dos já existentes, através da diversificação dos canais de distribuição, aumento da produção, desenvolvimento de novos produtos e expansão do mix de produtos das cooperativas estudadas. A pesquisa identificou que os maiores benefícios do PNAE se referem ao incremento de renda proporcionado aos cooperados, além de incentivar a permanência dos jovens no campo e na sucessão na agricultura familiar. Assim, o PNAE identifica-se como uma política pública efetiva para a região, e que fomenta os mercados locais, promovendo a economia solidária, e o desenvolvimento local.

Palavras-chave


Políticas Públicas; Agronegócio; Desenvolvimento territorial; Alimentação Escolar; Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANDH (Ação Brasileira pela Nutrição e Direitos Humanos); IBASE (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas). Projeto “Agricultura familiar, alimentação escolar e a realização do direito humano à alimentação adequada”: relatório de pesquisa. Brasília, DF, 2012. 225 p.

BIANCHINI, V. Dez anos de políticas para a agricultura familiar–avanços e desafios. In: MIELITZ, C. Desenvolvimento agrícola e questão agrária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013, p. 65-79.

BRASIL. Lei nº 11.326 de 24 de Julho de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11326.htm. Acesso em: Acesso em: 29 jun. 2021.

BRASIL. Lei nº 11.947, de 16 de Junho de 2009. Disponível em: http://www.sed.sc.gov.br/documentos/alimentacao-escolar-2015-525/legislacao-517/2344-lei-n-11-947-2009-pnae-4129/file. Acesso em: 29 jun. 2021.

BRASIL. Resolução/CD/FNDE nº 26, de 17 de junho de 2013. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/item/4620-resolu%C3%A7%C3%A3o-cd-fnde-n%C2%BA-26,-de-17-de-junho-de-2013. Acesso em: 30 jun. 2021.

BUAINAIN, A. M.; ROMEIRO, A. R.; GUANZIROLI, C. Family agriculture and the new rural world. Sociologias, Porto Alegre, ano 5, n. 10, p. 312-47, jul./dez, 2003.

CARLESSO, G. O PNAE no desenvolvimento das cooperativas de agricultura familiar no meio-oeste catarinense. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Sociedade). Caçador: EDUNIARP, 2020.

COSTA, B. A. L.; AMORIM JUNIOR, P. C. G.; SILVA, M. G. da. As Cooperativas de Agricultura Familiar e o Mercado de Compras Governamentais em Minas Gerais. Revista de Economia Sociologia Rural, Brasília, v. 53, n. 1, p. 109-126, 2015.

FNDE - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (2016). Aquisição de produtos da agricultura familiar para a alimentação escolar. Disponível em: file:///C:/Users/win7/Downloads/pnae_manual_aquisicao-de-produtos-da-agricultura-familiar_2_ed.pdf. Acesso em: 24 Jun. 2021.

GAIGER, Luiz Inácio; FERRARINI, Adriane; VERONESE, Marília. O Conceito de Empreendimento Econômico Solidário: Por uma Abordagem Gradualista. Dados, Rio de Janeiro, v. 61, n. 1, p. 137-169, mar. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52582018000100137&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 Set. 2021.

GONÇALVES, D. B. Os desafios da agricultura familiar frente aos programas de compras públicas de alimentos: um estudo sobre agricultores da região sudoeste do estado de São Paulo. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 1, p. 604-613, 2014.

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA (2020). Economia de Santa Catarina é rica e diversificada. Disponível em: Acesso em: 28 jun. 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo agropecuário 2006: Brasil, grandes regiões e unidades da federação: segunda apuração. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/2006_segunda_apuracao/default.shtm. Acesso em: 22 jun. 2021.

MARCONDES, N. A. V.; BRISOLA, E. M. A. Análise por triangulação de métodos: um referencial para pesquisas qualitativas. Revista Univap, São José dos Campos, v. 20, n. 35, p. 201-208, 2014.

MALUF, R. S. J.; Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, vol. 25, n. 1, p. 299-322, 2004.

MATTEI, L. Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina. In: VIEIRA, Luiz Marcelino (Org.). Síntese Anual da Agricultura de Santa Catarina 2009-2010. Florianópolis: EPAGRI, 2010. p. 25-35.

OLIVEIRA, Luan Lustosa Nicolau de. Programa Nacional de Alimentação Escolar. 2013. Relatório Final de Estágio Supervisionado (Graduação em Gestão do Agronegócio) – Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

PERACI, A. S., BITTENCOURT, G. A. Agricultura familiar e os programas de garantia de preços no Brasil: o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). In: Fome Zero: A experiência brasileira. GRAZIANO DA SILVA, J.; DEL GROSSI, M. E.; FRANÇA, C. G. de (orgs.); – Brasília: MDA, 2010.

REIS, L. C. S.; GONÇALVES NETO, J. C. Produção de alimentos: agricultura familiar x cultura de exportação no Brasil, sob a perspectiva da sustentabilidade. Revista Brasileira de Políticas Públicas, v. 4, n. 1, p. 89-98, 2014. Brasília.

SEAD - Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (2018). Agricultura familiar do Brasil é 8ª maior produtora de alimentos do mundo. Disponível em: http://www.mda.gov.br/sitemda/noticias/agricultura-familiar-do-brasil-%C3%A9-8%C2%AA-maior-produtora-de-alimentos-do-mundo. Acesso em: 02 Jun. 2021.

SEAD – Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (2019). Perguntas frequentes. Disponível em: http://www.mda.gov.br/sitemda/dap/faq. Acesso em: 02 Mar. 2021.

SILVESTRO, M. L. A agricultura familiar precisa dos jovens. Mar, 2010. Disponível em: http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=21332&secao=Colunas%20e%20Artigo. Acesso em 05 Jul. 2021.

VARGAS, D., & BONHER, T. (2018). PRONAF: possibilidades e limites de acesso entre os agricultores familiares do município de Cachoeira do Sul, RS. Geografia Ensino & Pesquisa, 22, e2. Disponível em: https://doi.org/10.5902/2236499426085. Acesso em: 05 jul. 2021.

WANDERLEY, M. N. B. O mundo rural como espaço de vida: reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2009.

WEBERING, Susana Iglesias. Cooperação Cooperativa: o Ser, o Fazer e o Devir. Revista administração contemporânea, v. 24, n. 6, p. 567-581, Jul. 2020. Curitiba .Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2021.

WILKINSON, J. Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. Porto Alegre: UFRGS, 2008.




DOI: https://doi.org/10.18224/baru.v8i1.12738

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 GISLAINE JULIANOTI CARLESSO, Cesar Augustus Winck

Rodapé - Barú
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | e-ISSN 2448-0460 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (24/08/2017 - 04/08/2022)

Fonte: Google Analytics.