CONCENTRAÇÃO GEOGRÁFICA DA INOVAÇÃO E OS INVESTIMENTOS PÚBLICOS NO ECOSSISTEMA DE INOVAÇÃO GOIANO

Guilherme Resende Oliveira, Cintia Neves Godoi

Resumo


O objetivo do estudo foi mapear o ecossistema de inovação em Goiás, identificando as relações institucionais e socioeconômicas dos seus principais agentes, além de apresentar alguns indicadores relacionados a produção técnico-científica e o mercado de trabalho de ligado à área de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I). Também, pretendeu-se analisar o ecossistema estadual de inovação por meio das dimensões sugeridas pelo Guia de desenvolvimento de ecossistemas e Centros de Tecnologias Inovadoras (SANTA CATARINA, 2017b). Esse estudo se justifica por considerar recorrente os investimentos em concentração geográfica dos Ambientes de Inovação em países mais inovadores, e articulação de diferentes agentes para apoiar processos inovadores, e crescimento da economia. Como principais resultados se percebe a estruturação do ecossistema com indicadores de sucesso, como abertura e consistência das ações de Incubadoras, Parques Tecnológicos. Como sugestões para trabalhos futuros é possível avançar no diagnóstico para mapear os agentes privados e financeiros para fortalecimento do ecossistema.

Palavras-chave


ecossistema de inovação, Goiás, Centros de Tecnologias Inovadoras

Texto completo:

PDF

Referências


ABSTARTUPS. Mapeamento de comunidade de startups: Goiânia. Associação Brasileira de Startups, set., 2018.

____________. Startup Base. Disponível em: https://startupbase.com.br/home/startups?q=&states=Goi%C3%A1s&cities=all&segments=all&targets=all&phases=all&models=all&badges=all Consulta: nov/2020.

AMIN, A. Política Regional em uma Economia Global. Em: Políticas de Desenvolvimento Regional: desafios e perspectivas à luz das experiências da União Europeia e do Brasil. Org. DINIZ, C. C. Ed. Universidade de Brasília, 2007.

ANPROTEC. SEBRAE. Ecossistema de inovação: região de Anápolis, Aparecida de Goiânia, Goiânia, Senador Canedo e Trindade.

ARBIX. G. Inovação e Desenvolvimento. Estratégias de sete países. Brasília, ABDI, 2010.

BRASIL. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004.

_______. Emenda Constitucional nº 85, de 26 de fevereiro de 2015.

_______. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016.

_______. Decreto nº 9.283, de fevereiro de 2018.

_______. Ministério do Trabalho e Emprego. Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

CÂMARA, R. Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 6 (2), jul - dez, p. 179-191, 2013.

CAPES - COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Dados abertos. Disponível em: https://dadosabertos.capes.gov.br

CASTELLS, M. A sociedade em rede. v.1. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Trad. R. V. Majer. São Paulo: Paz e Terra, 5º ed. 1999.

CAVALCANTE, L. R. Desigualdades regionais em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) no Brasil: uma análise de sua evolução recente. Texto para Discussão 1574, IPEA, Rio de Janeiro, 2011.

CHESBROUGH, H. Bringing Open Innovation to Services. MIT Sloan Management Review, v. 52, n. 2, 2011.

CUKIER, D.; KON, F.; KRUEGER, N. Towards a software startup ecosystems maturity model. Department of Computer Science - University of São Paulo Technical Report RT-MAC, 2015.

DISTRITO. Goiás + DF Tech Report 2019. Distrito, KPMG, 2019.

DRUCKER, P. Administrando em tempos de grandes mudanças. São Paulo: Pioneira, 1999.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, Curitiba, n. 24, Editora UFPR, p. 213-225, 2004.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO CEARÁ – FIEC. Índice FIEC de Inovação dos Estados. Sistema FIEC, Observatório da Indústria, 2018.

FUNDAÇÃO CERTI. Como construir um ecossistema de empreendedorismo e inovação em uma região: o caso Sinapse da inovação. F. Certi, SC, 2019.

GOIÁS. Plano Plurianual 2016-2019. Goiás, janeiro, 2016. Publicado no Diário Oficial de 13 de janeiro de 2016.

______. Portal da transparência. Consulta em: nov/2020. Disponível em: http://www.transparencia.go.gov.br/portaldatransparencia/gastos-governamentais/execucao-orcamentaria

HWANG, V. W.; HOROWITT, G. The Rainforest: the secret to building the next Silicon Valley. Los Altos Hills, CA: Regenwald, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de Inovação 2017 (Pintec). Rio de Janeiro, 2017.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Indicadores de Propriedade Industrial 2019. Rio de Janeiro: INPI, 2020.

ISENBERG, D. J. The Big Idea – How to Start a Enterpreneurial Revolution. Harvard Business Review, June, 2010.

ISENBERG, D. J. Introducing the Entrepreneurship Ecosystem: Four efining Characteristics. Site Forbes. 2011. Disponível em https://www.forbes.com/sites/danisenberg/2011/05/25/introducing-the-entrepreneurship-ecosystem-four-defining-characteristics/#19796eae5fe8

ISENBERG, D.J. Driving Economic Growth Through Entrepreneurship Ecosystems. Harvard Innovation Summit, 2015. Disponível em:

https://theinnovatorsforum.org/sites/default/files/Harvard%20Innovation%20Summit%20Sept%202015.pdf

LESAGE, J. Theory and practice of spatial econometrics. Departments of Economics – University of Toledo, 1999.

MACIEL, M. L. Inovação e conhecimento. In: SOBRAL, F. et al. (Orgs.). A alavanca de Arquimedes: ciência e tecnologia na virada do século. Brasília: Paralelo 15, 1997.

MUNROE, T. Is Silicon Valley’s ecology of innovation sustainable? The Triple Helix Association Newsletter. V. 1, I. 1, Jan., 2012. Disponível em: https://www.triplehelixassociation.org/helice/volume-1-2012/helice-issue-1/silicon-valley-sustainable

POVOA, L. M. C.; SILVA, L. A. Produção científica e tecnológica em Goiás e as bases para a formação de um sistema estadual de inovação. Texto para discussão: 269, Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2005.

RASMUSSEN, E.; BORCH, O. University capabilities in facilitating entrepreneurship: A longitudinal study of spin-off ventures at mid-range universities. Research Policy, v. 39, n. 5, p.602-612, jun. 2010.

RAUEN, C. V. O Novo marco legal da inovação no Brasil: o que muda na relação ICT-empresa? Radar: Tecnologia, produção e comércio exterior. Brasília, DF, v. 2, n. 43, p.21-35, fev. 2016. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/6048/1/Radar_n43.pdf.

SANTA CATARINA. Guia de Implantação dos Centros de Tecnologias Inovadoras: Livro I - conceito e fundamentos. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Sustentável. Florianópolis: SDS, 2017a.

________________. Guia de Implantação dos Centros de Tecnologias Inovadoras: Livro II - Plano de Implantação. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Sustentável. Florianópolis: SDS, 2017b.

SCHUMPETER, J.A. Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo Econômico. Ed. Abril. Cultural e Industrial: São Paulo, 1982.

UNIVERSIDADE CORNELL, INSEAD, OMPI. Índice Global de Inovação de 2018: Energizando o Mundo com Inovação. Ithaca, Fontainebleau e Genebra, 2018.




DOI: https://doi.org/10.18224/baru.v8i1.12123

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Cintia Neves Godoi

Rodapé - Barú
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | e-ISSN 2448-0460 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (24/08/2017 - 04/08/2022)

Fonte: Google Analytics.