OS LIMITES DA RACIONALIDADE NOS DISCURSOS POLÍTICOS EM REDE SOCIAL DURANTE AS ELEIÇÕES DE 2018 NO BRASIL

Ângela Teixeira Moraes

Resumo


Este estudo avalia as contribuições teóricas de quatro vertentes ligadas aos estudos da retórica e da argumentação para entender a discussão política travada nas redes sociais durante a eleição presidencial brasileira em 2018: a Retórica Clássica, a Nova Retórica, a Retórica da Incompreensão e a Apologia da Polêmica. A racionalidade prevista pela lógica formal, a justificação das convicções e opiniões e o papel da polêmica na democracia são elementos analisados em uma interação no Facebook escolhida como corpus deste trabalho. A análise teve o objetivo de descrever a natureza dos argumentos manifestados nessa interação verbal. Ideologia e interpretação religiosa emergem como fundamentos insuperáveis do dissenso.

Palavras-chave


Interação em rede social; Estudos de retórica; Discurso político; Racionalidade; Emoção.

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, Ruth. Apologia da polêmica. São Paulo: Contexto, 2017.

ANGENOT, Marc. O discurso social e as retóricas da incompreensão: consensos e conflitos na arte de (não) persuadir. São Carlos: Edufscar, 2015.

ARISTÓTELES. Retórica. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2005. Disponível em: https://sumateologica.files.wordpress.com/2009/07/aristoteles_-_retorica2.pdf. Acesso em 10 de novembro de 2018.

BRUM, Eliane. Bolsonaro e a autoverdade. El País. 2018. Dispoível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/07/16/politica/1531751001_113905.html. Acesso em 10 de dezembro de 2018.

CHAGURI, Mariana; CAVALCANTI, Sávio; NICOLAU NETTO, Michel. O conservadorismo liberal do homem médio. Revista Época, 2019. Disponível em: https://epoca.globo.com/artigo-conservadorismo-liberal-do-homem-medio-. Acesso em 11 de janeiro de 2019.23358236?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=compartilhar&fbclid=IwAR1Crwh3Gajfb-rNmZRn3B4qRr2Wt_3xxaF8YvdDK0RD2xDIuvK6YFzaZww

GOMES, Wilson. Antipetismo, neoconservadorismo e “novos participantes” nas eleições de 2018. Revista Fórum. 2018. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/antipetismo-neoconservadorismo-e-novos-participantes-nas-eleicoes-de-2018/. Acesso em 05 de janeiro de 2019.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos Discursos. Curitiba: Criar Edições, 2007.

MOUFFE, Chantal. Por um modelo agonístico de democracia. Revista de Sociologia e Política.n. 25, 2006, p. 165-176.

NUNES, Álvaro. Argumentação e Retórica. 2015. Disponível em: https://criticanarede.com/anunesargumentacaoeretorica.html. Acesso em 15 de dezembro de 2018.

PERELMAN, Chaim. Argumentação. In: Enciclopédia Einaudi - Vol.11. Imprensa nacional-casa da moeda, Lisboa, 1987.

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da Argumentação. A Nova Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

VERONESE, Marília Veríssimo; LACERDA, Luiz Felipe Barbosa. O sujeito e o indivíduo na perspectiva de Alain Touraine. Revista Sociedade e Cultura, v. 14, n. 2. Goiânia, 2011, p. 249-426.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/pan.v9i2.8094

Rodapé - Panorama
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Não Comercial 4.0 Internacional (CC BY-NC 4.0)


PANORAMA | Comunicação Social | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-1087 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B2

Visitantes - (04/09/2017 - 03/13/2019)

Fonte: Google Analytics.