GAMES, COMUNICAÇÃO E IMERSÃO: UMA ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DO ESPAÇO E DA ATMOSFERA DOS JOGOS DE RPG DE HORROR.

Murilo Gabriel Berardo Bueno, Raquel De Paula Ribeiro, Julio Cesar Alves, Daniel Christino

Resumo


Há tempos o conceito de espaço tem sido discutido sob a perspectiva do mensurável. A partir do estudo do espaço social que nos cerca e dos seres que nele habitam, é possível aplicar a perspectiva fenomenológica ao espaço e às narrativas de entretenimento na compreensão daquilo que os transforma em play, abrindo a possibilidade de incluir em uma análise novas formas de arte como os jogos de RPG. Os Role Playing Games ou jogos de interpretação de papeis existem como fenômeno cultural desde a década de 70 e a sua capacidade de criar universos virtuais que coexistem com universos físicos faz com que o papel do jogador seja a mediação da interpenetração destes espaços. O presente trabalho busca apontar as diferenças na maneira como os jogadores se comportam e quando confrontados com a atmosfera e a ambiência presentes nos jogos RPGs de horror, sejam eles tradicionais e eletrônicos.

Palavras-chave


Horror; videogames; RPG; jogo; espaço.

Texto completo:

PDF

Referências


CARROLL, Noel. The Philosophy of Horror or Paradoxes of the Heart. London: Routledge, 2004.

FINK, Eugen. Play as a symbol of the world. Translated by Ian Alexander Moore and Christopher Turner. Bloomington, Indiana, EUA: Indiana University Press, 2016.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Atmosfera, ambiência e stimmung: sobre um potencial oculto na literatura. Rio de Janeiro: Contraponto/ Puc Rio, 2014.

_______________________. Graciosidade e estagnação: ensaios escolhidos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

_______________________. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto/Puc Rio, 2016.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Tradução: Márcia Sá Cavalcante Schuback. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2015.

_________________. Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes, 2018.

_______________. Being and time. Translated by John Macquarrie and Edward Robinson. New York: Harper Collins, 2008.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. Tradução: João Paulo Monteiro. 4. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000.

HUSSERL, Edmund. Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. 4. ed. São Paulo: Ideias & Letras, 2011.

LEAL, Bruno; GUIMARÃES, César; MENDONÇA, Carlos (Orgs.). Entre o sensível e o Comunicacional. São Paulo: Autêntica, 2010.

LEFEBVRE, Henri. The production of space. Translated by Donald Nicholson-Smith. Blackwell Publishing, 1991.

MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação de massa como extensões do homem. 3 ed. São Paulo: Cultrix, 1964.

MILLER, Daniel; HORST, Heather A. O digital e o humano: prospecto para uma antropologia digital. In: Parágrafo. v. 2, n. 1, p. 91-111. Jul-Dez/2015.

MURRAY, Janet H. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. Tradução: Elissa Khoury Daher e Marcelo Fernandez Cuzziol. São Paulo: Itaú Cultural: Unesp, 2003.

PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

PERRON, Bernard. The World of Scary Video Games: A Study in Videoludic Horror. Montreal: Bloomsbury publishing, 2018.

SCHECHNER, Richard. Between Theater & Anthropology. Pennsylvania: University of Pensylvannia Press, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/pan.v9i2.7962

Rodapé - Panorama
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Não Comercial 4.0 Internacional (CC BY-NC 4.0)


PANORAMA | Comunicação Social | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-1087 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B2

Visitantes - (04/09/2017 - 03/13/2019)

Fonte: Google Analytics.