Revista Mosaico - Revista de História

Conteudo da Capa - Caminhos
A revista Mosaico é um periódico do Programa de Pós-Graduação em História da PUC Goiás que enfatiza, na grande área das ciências humanas, os estudos históricos e culturais, de forma interdisciplinar, para divulgação da produção científica e para o estabelecimento de intercâmbio com outras instituições locais, nacionais e internacionais. Publica em Fluxo Contínuo, em português, inglês e espanhol.

Mosaico magazine is a journal of the Postgraduate Program in History of PUC Goiás, which emphasizes, in the large area of human sciences, historical and cultural studies, in an interdisciplinary way, to disseminate scientific production and to establish exchange with other Local, national and international institutions. Publishes to Continuous Flow, in english, portuguese and spanish.

La Revista Mosaico es un periódico del Programa de Pos-Graduación en Historia da Pontificia Universidad Católica de Goiás, enfatiza en la gran área de las ciencias humanas, los estudios históricos y culturales, de forma interdisciplinar, para divulgación de la producción científica y para el intercambio con otras instituciones locales, nacionales e internacionales. Publica en flujo continuo en ingles, español y portugues.

  e-ISSN 1983-7801. Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3.


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DA PUC GOIÁS LANÇA CANAL DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

O Programa de Pós-Graduação em História da PUC Goiás criou uma ferramenta para ampliar a divulgação científica a partir das produções docentes e discentes: no dia 21 de setembro, às 19 horas, estreia o primeiro programa do canal Histórias em Mosaico, disponibilizado na plataforma de vídeos YouTube.

Vejam na íntegra a reportagem nos links abaixo:



Canal de Divulgação Científica

Conheçam nosso canal "HISTÓRIAS EM MOSAICO" no Youtube

Próximas Edições:

Resumen: La guerra fría marcó una etapa de muchas definiciones en las relaciones del mundo entre los años de la posguerra hasta 1989. El mundo bipolar estuvo atravesado por las opiniones del Vaticano, así como por la interpretación de ellas por parte de los laicos católicos. El Vaticano II significó un parte aguas en la doctrina de la Iglesia que influyó en el mundo bipolar. Por un lado, el Vaticano apoyaba a gobiernos autoritarios que beneficiaban a la Iglesia católica, pero a la vez, su propuesta doctrinal iba encaminada a la crítica al mundo tan desigual entre naciones pobres y naciones ricas. A pesar de las fuertes críticas a los países comunistas, el Vaticano se resistió a convertirse en un franco aliado de lo que le llamaban el “mundo libre”. Esto demostró las divergencias entre los miembros de la Iglesia católica: por un lado, una Iglesia que quería mantener el status quo y por otro lado una Iglesia crítica y da apoyo a los pobres. Este número de la Revista Mosaico pretende reunir un conjunto de investigadores y estudiosos sobre la tematica, que abordan las diferentes iniciativas de derecha o izquierda que han marcado, en el ámbito latino-americano.

Envío hasta el 30 de junio de 2022.

Los textos deben observar todas las Directrices para Autores/as.

Coordinadores:
Dr. Eduardo Gusmao de Quadros - PUC Goias
Dr. Yves Bernardo Roger Solis Nicot - Prepa Ibero Ciudad de México

Resumo: A Guerra Fria marcou uma etapa de muitas definições no mundo no período do pós-guerra até 1989. O mundo bipolarizado foi atravessado por opiniões emanadas do Vaticano, assim como por interpretações feitas pelos leigos católicos. O Concílio Vaticano II foi um divisor de águas na doutrina da Igreja que acabou influenciando os conflitos do mundo bipolar. Por um lado, o Vaticano apoiou governos autoritários que beneficiavam o catolicismo e, por outro lado, sua visão doutrinal levava a críticas ao mundo desigual dividido entre nações pobres e ricas. Apesar das fortes críticas aos países comunistas, o Vaticano resistiu a converter-se em um franco aliado do chamado “mundo livre”. Isso demonstra as divergências entre os membros da igreja católica entre os que queriam manter o status quo e aqueles que defendiam uma igreja crítica, com apoio aos pobres. Este número da Revista Mosaico quer reunir um conjunto de pesquisadores/as e estudiosos/as sobre a temática, que abordem as diferentes inciativas, de direita ou de esquerda, que marcaram o âmbito latino-americano.

Envio até 30 de junho de 2022.

Os textos devem observar todas as Diretrizes para Autores/as.

Coordenadores:
Dr. Eduardo Gusmao de Quadros - PUC Goias
Dr. Yves Bernardo Roger Solis Nicot - Prepa Ibero Ciudad de México

A partir do conceito de “colonialidade do poder e de gênero”, buscamos refletir nesse dossiê sobre a relação entre o feminismo na cosmovisão Iorubá e as religiosidades nascidas no Brasil. Acolhe pesquisas sobre o lugar das mulheres negras nos espaços religiosos, refletindo sobre o “matriarcado”, nesse contexto, bem como a presença da religião no cotidiano dessas mulheres. Diferentemente das religiões de base cristã, as religiosidades de matrizes africanas estão diretamente relacionadas às raízes da população negra e às fronteiras impostas a partir desse lugar. Ademais, cabe analisar quanto destas manifestações religiosas encontram-se inseridas no que se denominou catolicismo popular. E, tratando-se de uma população subalternizada historicamente, o debate sobre esta temática é necessariamente um ato político, considerando a resistência das comunidades negras aos “regimes de verdades” e aos “regimes de representação” impostos. Ressalta-se que o universo estritamente ritualístico destas religiosidades não é priorizado neste dossiê. O mesmo apoia-se nos debates que adentram os terreiros de Candomblé, os afrocatolicismos, bem como a Umbanda, para reforçar a necessidade de promover uma reflexão epistemológica, em prol de um feminismo negro situado, localizado e enunciado filosofica e culturalmente nos espaços religiosos, desde que a religião seja compreendida como elemento fundante de identidades sociais existentes. Além disto, acolhe pesquisas sobre fragmentos da história dos terreiros, no Brasil e na América Latina, o afrocatolicismo, as manifestações culturais negro-mestiças, irmandades católicas e movimentos políticos em busca de justiça. Pretendemos aproximações cosmológicas entre estas distintas manifestações, vislumbrando a consolidação do conceito feminismos de terreiros.

Envio até 30 de junho de 2022.

Os textos devem observar todas as Diretrizes para Autores/as.

Organizadoras:
Dra. Thais Marinho - PUC Goias
Dra. Heridan Pavão - UFMA

Notícias

 

Próximas Edições: Políticas Públicas e governabilidade da vida

 
Chamada para envio de artigos para próximo dossiê!
V. 16, 2023

Orgs.Lilian Rodrigues da Cruz, Eduardo Sugizaki e Letícia Maísa Eichherr

Submissões até 30 de setembro de 2022
 
Publicado: 2022-02-03 Mais...
 

Próximas Edições: Políticas Públicas e governabilidade da vida

 
Chamada para envio de artigos para próximo dossiê!
V. 16, 2023

Orgs.Lilian Rodrigues da Cruz, Eduardo Sugizaki e Letícia Maísa Eichherr

Submissões até 30 de setembro de 2022
 
Publicado: 2022-02-03 Mais...
 
Outras notícias...

v. 14, n. 2 (2021): HISTÓRIA DA LOUCURA

A Revista Mosaicos está reunindo artigos para o Dossiê História da Loucura que tem por referência principal a obra homônima de Michel Foucault. O significado principal disso é que a loucura é, em primeiro lugar e acima de tudo, um acontecimento cultural pelo qual atravessam os vieses do poder. A loucura aconteceu, no Ocidente, como uma das principais maneiras de apartação dos sujeitos em apenas dois lados. Daí que a loucura seja um dos principais temas numa história dos modos de constituição da subjetividade. Mas, é importante destacar que uma das principais heranças dessa obra de Foucault aconteceu com uma publicação de Robert Castel, A Ordem Psiquiátrica: a Idade de Ouro do Alienismo, seguida por uma obra em coautoria com Françoise Castel e Anne Lovell, Sociedade psiquiatrizada avançada, o modelo norte-americano. Nessas duas obras, o conceito de psiquiatrização da sociedade permite ver que a história da loucura da contemporaneidade alcança a sociedade global na mesma direção que a psiquiatria avança sobre o social, muito para além dos muros do hospício. Tomadas essas referências principais, estamos chamando textos que se ocupem não apenas com a história das instituições asilares, mas também da filosofia, dos saberes, da sociedade, da arte (a música, a literatura, a poesia, o cinema, a fotografia, a pintura, o teatro, a arquitetura etc) enquanto desafiados pela loucura. Temas muito caros seriam também a psiquiatrização da criança, sobretudo na e pela escola; e a psiquiatrização da adolescência, sobretudo pela socioeducação, pelo policiamento, pela institucionalização punitiva. Por fim, também merecem grande interesse as pesquisas atentas à história regional, na medida em que aterrizam a história da loucura nos problemas da sociedade local e na tal modernização de nossos territórios.

Sumário

Editorial

Thais Alves Marinho
PDF
1-2

Apresentação / Presentation

Eduardo Sugizaki, Eder Mendes de Paula
PDF
3-7

Artigos de Dossiê / Dossier

Magali Gouveia Engel
PDF
8-26
Sílvio Camargo
PDF
27-38
Joyce Rodrigues Silva Gonçalves
PDF
39-46
Luana Barbosa Miranda Souza, Lorena Danielle Santos
PDF
47-60
Ronivaldo de Oliveira Rego Santos
PDF
61-70
Erica Franceschini, Luciano Bedin da Costa
PDF
71-81
Kellen Maria Sodré Machado, Lílian Rodrigues da Cruz
PDF
82-93
Jorge Antônio Monteiro de Lima
PDF
94-100
Adelmar Santos de Araújo
PDF
101-115
Ana Beatriz Machado de Freitas
PDF
116-126
Larissa Arbués Carneiro, Eduardo Sugizaki
PDF
127-140
Andreia Marquezan, Roseli Martins Tristão Maciel
PDF
141-152
Rita de Cássia Andrade Martins, Izabela Assis Rocha, Adailton da Silva
PDF
153-169
Leicy Francisca da Silva
PDF
170-186
Maria de Jesus do Carmo de Araújo
PDF
187-198
Patrick Moraes Sepúlveda
PDF
199-212
Thaise Gabriella de Almeida Rodrigues
PDF
213-226
Erik Dorff Schmitz
PDF
227-238
Beatriz Chianca Macario, Vicentina Maria Ramires Borba
PDF
239-246
Rafael Santana Bezerra
PDF
247-261
Bárbara Rodrigues do Espirito Santo
PDF
262-272

Artigos Livres / Articles

Murilo Chaves Vilarinho
PDF
273-282
Anderson Almeida, César Martins de Souza, João Jesus Rosa
PDF
283-295
André Caruso
PDF
296-307
Marcelo Henrique Dias, Ingrid de Araújo Gomes
PDF
308-324
Wilton de Araújo Medeiros, Maysa Moreira Antunes
PDF
325-337

Resenhas / Reviews

Tatiana Carilly Oliveira Andrade, Eduardo Sugizaki
PDF
338-339