Rosa: as Representações de Gênero na Composição de Pixinguinha

Alexandra Ferreira Martins Ribeiro, Rebeca Oliveira Araújo, Beatriz Polidori Zechlinski

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo geral analisar as representações de gênero contidas na letra da música Rosa, composta por Pixinguinha, na década de 20 do século XX. O estudo procura relacionar as representações de gênero contidas na composição de Rosa e os pensamentos e práticas culturais do período, promovendo uma reflexão acerca do papel do amor, do casamento e da ordem social naquela sociedade. A metodologia utilizada foi a análise de conteúdo (BARDIN, 2015) das fontes, valendo-se dos estudos teóricos de Burke (1991), Maluf e Mott (1998), Chartier (2002), Del Priore (2005), Saliba (2012) e Carvalho (2014). Os resultados demonstram que na composição de Rosa, a mulher é idealizada como pura, calma, mãe, bela e em sintonia com seus deveres de rainha do lar.

Rosa: The Representations of Gender in the Composition of Pixinguinha

The present work has the general objective to analyze the representations of genres contained in the lyrics of Rosa, composed by Pixinguinha, in the twenties of the twentieth century. The study seeks to relate the representations of gender contained in the composition and the cultural thoughts and practices of the period, promoting a reflection on the role of love, marriage and social order in that society. The methodology used was the content analysis (BARDIN, 2015) of the sources, using the theoretical studies of Burke (1991), Maluf and Mott (1998), Chartier (2002), Del Priore (2005), Saliba and Carvalho (2014). The results show that in Rosa's composition, the woman is idealized as pure, calm, mother, beautiful and in line with her duties as queen of the home.

Palavras-chave


Representation; Genre; First Republic; Pixinguinha; Representação; Gênero; Primeira República; Pixinguinha

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Martha; DANTAS, Carolina Vianna. Música popular, identidade nacional e escrita da história. Textos escolhidos de cultura e arte populares, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 7-25, maio 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2017.

ARAÚJO, Maria de Fátima. Amor, casamento e sexualidade: velhas e novas configurações. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 22, n. 2, s/p. , jun. 2002. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2017.

BADINTER, Elizabeth. Um Amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 5. ed. Portugal: Edições 70, 2015.

BURKE, Peter. A Revolução Francesa da historiografia: a Escola dos Annales 1929-1989. São Paulo: Editora Universidade, 1991.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. 23. reim. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. 2. ed. Portugal: DIFEL, 2002.

COTT, Nancy F. A mulher moderna. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle (Orgs.). História das mulheres no ocidente: v. 5. O século XX. Porto: Edições Afrontamento, 1991. p. 403-433.

DEL PRIORE, Mary. História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2005.

D’INCAO, Maria Ângela. In: DEL PRIORE, Mary (Org.); BASSANEZI, Carla (Coord.). História das mulheres no Brasil. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

HIGONNET, Anne. Mulheres, imagens e representações. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle (Orgs.). História das mulheres no ocidente: v. 5. O século XX. Porto: Edições Afrontamento, 1991. p. 403-433.

INSTITUTO MORREIRA SALLES. Pixinguinha na pauta. Radio Batuta. Rio de Janeiro: IMS, 2017. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2017.

LAGRAVE, Rose-Marie. Uma emancipação sob tutela. Educação e trabalho das mulheres no século XX. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle (Orgs.). História das mulheres no ocidente: v. 5. O século XX. Porto: Edições Afrontamento, 1991. p. 505-550.

LEME, Bia Paes. Pixinguinha na Pauta: 36 arranjos para o programa O Pessoal da Velha Guarda. Instituto Moreira Salles. Rio de Janeiro: IMS, 2017. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2017.

MALUF, Mariana; MOTT, Maria Lúcia. Recônditos do mundo feminino. In: NOVAIS, Fernando A. (Coord.); SEVCENKO, Nicolau (Org.). História da vida privada no Brasil: República: da Belle Époque à era do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

RANGEL, Lúcio. Sambistas e chorões. Rio de Janeiro: IMS, 2017.

SALIBA, Elias Thomé. Cultura. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz. (Coord.). A abertura para o mundo: 1889- 1930. Objetiva, Rio de Janeiro, v. 3, p. 239-294, 2012.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2017.

SEVCENKO, Nicolau. A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do Rio. In: NOVAIS, Fernando A. (Coord.); SEVCENKO, Nicolau (Org.). História da vida privada no Brasil: República: da Belle Époque à era do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 513-620.

SOIHET, Rachel. História das mulheres e história de gênero: um depoimento. Cadernos Pagu, Campinas, v. IL, n. 11, p. 77-87, jul./dez. 1998. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v11i1.6274

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis B3

Flag Counter