Relacionamentos e Conflitos no Universo Feminino: as Denunciantes no Tribunal do Santo Ofício na América Portuguesa (Século XVI)

Juliana de Mello Moraes, Maria Cláudia de Faveri Luz

Resumo


Em Pernambuco, ao final do século XVI, muitas mulheres se dirigiram ao inquisidor para denunciar amigos, familiares, conhecidos ou desconhecidos. Apesar das inúmeras possibilidades para explicar essas ações, o ato de procurar o Santo Ofício no intuito de prestar seu depoimento denota a essas fontes grande relevância, pois as vozes femininas emergem nos registros inquisitoriais. Entretanto, as denúncias e seus protagonistas, ou seja, as denunciadoras, suas motivações e o conteúdo das acusações ainda carecem de estudos pormenorizados na historiografia brasileira. Nesse sentido, esta pesquisa consiste na análise das denunciantes, ou seja, seu perfil sócio-ocupacional, bem como das relações de conflito que as envolviam e também aquelas suscitadas ou reforçadas pela presença do inquisidor. Constata-se que o esforço pela sobrevivência e as dificuldades do dia-a-dia emergem nas denúncias das mulheres, revelando que a inquisição contribuiu para aflorar lembranças, despertar temores e favorecer o rompimento de relações afetivas ou familiares.

Relationships and Conflicts in the Feminine Universe: the Denouncers in the Tribunal of the Holy Office in Portuguese America (16th Century)

In Pernambuco, at the end of the sixteenth century, many women went to the inquisitor to denounce friends, relatives, acquaintances or strangers. Despite the innumerable possibilities to explain these actions, the act of seeking the Holy Office in order to give their testimony denotes to these sources a great relevance, since the female voices emerge in the inquisitorial registers. However, the denunciations and their protagonists, that is, the denouncers, their motivations and the content of the accusations still lack detailed studies in the Brazilian historiography. In this sense, this research consists of the analysis of the denouncers, that is, their socio-occupational profile, as well as the conflict relations that involved them, as well as those raised or reinforced by the presence of the inquisitor. It is noted that the struggle for survival and the difficulties of daily life emerge in women's denunciations, revealing that the inquisition contributed to the emergence of memories, to the arousing of fears and to favor the rupture of affective or family relations.

Palavras-chave


Inquisição; História das mulheres; Pernambuco; Brasil colonial; Século XVI; Inquisition; History of women; Pernambuco; Colonial Brazil; 16th century.

Texto completo:

PDF

Referências


ALGRANTI, Leila Mezan. Famílias e vida doméstica. In: SOUZA, Laura de Mello (Org.). História da vida privada no Brasil. Cotidiano e vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

ASSIS, Angelo Adriano Faria de. No interior do labirinto, o olho do vulcão: revisitar os estudos inquisitoriais no Brasil e vislumbrar o futuro que tecemos. Revista Ultramares, n. 7, p. 10-33, 2015.

ASSIS, Angelo Adriano Faria de. Um oceano de culpas (?)... Réus e perseguidos do Brasil na Inquisição portuguesa. In: MATTOS, Yllan; MUNIZ, Pollyanna G. Mendonça. Inquisição & Justiça Eclesiástica. Jundiaí: Paco Editorial, 2013. 

BETHENCOURT, Francisco. História das Inquisições: Portugal, Espanha e Itália. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CUNHA, Mafalda Soares da. A Europa que atravessa o Atlântico (1500-1625). In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima. O Brasil Colonial 1443-1580. vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

FARIA, Sheila Siqueira de Castro. Mulheres. In: VAINFAS, Ronaldo (Ed.). Dicionário do Brasil colonial 1500-1808. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2000. 

FEITLER, Bruno. Processos e práxis inquisitoriais: problemas de método e de interpretação. Fontes, n. 1, p. 55-64, 2014. 

FERNANDES, Alécio Nunes. Da historiografia sobre o Santo Ofício português. história da historiografia. n. 8, p. 22-48, 2012. 

FERRAZ, Maria do Socorro. A sociedade colonial em Pernambuco. A conquista dos sertões de dentro e de fora. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima. O Brasil Colonial. 1580-1720. vol. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

FRAGOSO, João. La guerre est finie: notas para a investigação em História social na América lusa entre os séculos XVI e XVIII. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima. O Brasil Colonial 1443-1580. vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014. 

GINZBURG, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Lisboa: Difel, 1991. 

GORENSTEIN, Lina. A Inquisição contra as mulheres: Rio de Janeiro, séculos XVII e XVIII. São Paulo: Associação Editorial Humanitas: Fapesp, 2005.

HERMANN, Jacqueline. Branca Dias. In: VAINFAS, Ronaldo (Ed.). Dicionário do Brasil colonial 1500-1808. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2000. 

LE GOFF, Jaques. História e memória. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990. 

MARCOCCI, Giuseppe; PAIVA, José Pedro. História da inquisição portuguesa 1536-1821. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2013. 

NOVINSKY, Anita Waingort. Inquisição. Prisioneiros do Brasil. Séculos XVI a XIX. São Paulo: Perspectiva, 2009.

OLTEAN, Crina Adriana. A Denúncia ao Serviço da Fé ou da Vingança? A Delação Inquisitorial e os seus Efeitos. Dissertação (Mestrado em História Moderna e Contemporânea) - Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2014.

PALOMO, Federico. A Contra-Reforma em Portugal, 1540-1700. Lisboa: Livros Horizonte, 2006.

PRIMEIRA VISITAÇÃO DO SANTO OFÍCIO ÀS PARTES DO BRASIL. Denunciações e confissões de Pernambuco 1593-1595. Coleção Pernambucana. Recife: FUDARPE/Governo de Pernambuco, 1984. 

PRIORE, Mary Del. Mulheres no Brasil colonial. São Paulo: Contexto, 2000.

REIS, Marcus Vinícius. Práticas mágico-religiosas e ambiguidade feminina a partir da Primeira Visitação do Santo Ofício à América portuguesa. In: RODRIGUES, Aldair Carlos; ASSIS, Angelo Adriano Faria de; MUNIZ, Pollyanna Gouveia Mendonça; MATTOS, Yllan (Orgs.). Edificar e transgredir: clero, religiosidade e Inquisição no espaço ibero-americano (séculos XVI-XIX). Jundiaí: Paco Editorial, 2016. 

SANTOS, Fabrício Forcato. Tocais e prisões: confrontos entre padres seculares e fieis das vilas de Curitiba e Paranaguá no século XVIII. In: MATTOS, Yllan; MUNIZ, Pollyanna G. Mendonça. Inquisição & Justiça Eclesiástica. Jundiaí: Paco Editorial, 2013. 

SANTOS, Georgina Silva dos; VAINFAS, Ronaldo. Igreja, Inquisição e religiosidades coloniais. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima. O Brasil Colonial 1443-1580. vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

SCHWARTZ, Stuart B. O Brasil colonial, c. 1580-1750: as grandes lavouras e as periferias. In: BETHEL, Leslie (Org.). América Latina colonial. São Paulo: Edusp/FUNAG, 1999.

SILVA, Beatriz Nizza da. Donas e plebeias na sociedade colonial. Lisboa: Editorial Estampa, 2002.

SILVA, Janaína Guimarães da F. Inquisição e cristãos-novos em Pernambuco no século XVI: redes comerciais, intrigas e solidariedades. WebMosaica. Revista do Instituto Cultural Judaico Marc Chagall, v. 8, n. 1, p. 119-134, jan./jun. 2016.

SIQUEIRA, Sônia. A inquisição portuguesa e a sociedade colonial. São Paulo: Editora Ática, 1978.

SOIHET, Rachel; PEDRO, Joana Maria. A emergência da pesquisa da História das Mulheres e das Relações de Gênero. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 27, n. 54, p. 281-300, 2007. 

SOUZA, Gabriel Soares de. Tratado descritivo do Brasil em 1587. Salvador: Centro de Documentação do Pensamento Brasileiro, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v11i2.6273

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis B3

Flag Counter