Empoderamento das Mulheres Negras: Cultura, Tradição e Protagonismo de Dona Dió do Acarajé na “Lavagem do Beco”

Martha Maria Brito Nogueira

Resumo


O objetivo desse estudo é desconstruir as ideologias racistas e sexistas que invisibilizam a presença das mulheres negras nos diversos espaços da sociedade, em especial no campo cultural, procurando mostrar a suas ações para promover e estabelecer novos posicionamentos. Para tanto, analisa a trajetória de Dona Dió do Acarajé, mulher negra, de descendência quilombola que sobressaiu em várias manifestações populares na cidade de Vitória da Conquista nas últimas décadas do século XX, tornando-se símbolo da cultura negra. Estas questões serão analisadas a partir das teorias formuladas pelas feministas, denominadas de “Standpoint Teory” do pensamento feminista negro, no sentido de compreender as dinâmicas de empoderamento das mulheres negras na cultura popular.

Enpowerment of Black Women: Culture, Tradition and Protagonism of Dona Dió do Acarajé in the "Washing the Alley"

The objective of this study is to deconstruct the racist and sexist ideologies that make invisible the presence of black women in the various spaces of society, especially in the cultural field, seeking to show their actions to promote and establish new positions. In order to do so, it analyzes the trajectory of Dona Dió do Acarajé, a black woman of quilombola descent who excelled in several popular demonstrations in the city of Vitória da Conquista in the last decades of the twentieth century, becoming a symbol of black culture. These questions will be analyzed from the feminist theories, called the “Standpoint Teory” of black feminist thought, in order to understand the dynamics of empowerment of black women in popular culture.

Palavras-chave


Black Woman; Empowerment; Popular Culture; Washing The Alley; Mulher Negra; Empoderamento; Cultura Popular; Lavagem do Beco.

Texto completo:

PDF

Referências


AGENDA 21. A Conquista do Futuro: diretrizes de ação para o desenvolvimento sustentável. Afonso Silvestre (organizador). Vitória da Conquista: Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista, 2004.

AGIER, Michel. Distúrbios Identitários em Tempos de Globalização. Mana Estudos de Antropologia Social, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2 out. 2001.

AGUIAR, Itamar Pereira. As Religiões Afro-Brasileiras em Vitória da Conquista: caminhos da diversidade. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

BAIRROS, Luiza. Nossos Feminismos Revisitados. Revistas Estudos Feministas. Rio de Janeiro, p. 458-463, 1995.

BROOKS, Abigail. Feminist Standpoint Epistemology: Building Knowledge and Empowerment Through Women’s Lived Experience. Feminist Research Practice. Chapter 3. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2015.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o Feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASHOKA Empreendimentos Sociais; TAKANO Cidadania (Orgs.). Racismos contemporâneos. Rio de janeiro; Takano Editora, 2003.

COLLINS, Patricia Hill. The Social Construction of Black Feminist Thought. Signs, v. 14, n. 4, Common Grounds and Crossroads: Race, Ethnicity, and Class in Women's. Lives. (Summer, 1989), p. 745-773. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2015.

COSTA, Ana Alice. Gênero, Poder e Empoderamento de Mulheres. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2015.

CORREA, Mariza. O mistério dos orixás e das bonecas: raça e gênero na antropologia brasileira. Etnográfica, v. IV, n. 2, p. 233-265, 2000. Disponível em: . Acesso em 24 jan. 2014.

DEERE, Carmen Diana; LEÓM, Magdalena. O Empoderamento da Mulher: Direitos à terra e direitos de propriedade na América Latina. Porto Alegre: UFRGS, 2002.

FERRAZ, Ana Emília de Quadros. O Urbano em Construção – Vitória da Conquista: um retrato de duas décadas. Vitória da Conquista: Edições Uesb, 2001.

GIACOMINI, Sonia Maria. Mulher e escrava: uma introdução histórica ao estudo da mulher negra no Brasil. Curitiba: Ed. Appris, 2013. 2.ed.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Rio de Janeiro, p. 223-244, 1984.

HALL, Stuart. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013. 2.ed.

HOBSBAM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE – Censos 1940,1950,1960,1970,1980. Disponível em: . Acesso em 18 jun. 2015.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL– IPHAN. Parecer sobre o Registro da Festa do Senhor Bom Jesus do Bonfim como Patrimônio Cultural do Brasil. Brasília, 2013.

LANDES, Ruth. A Cidade das Mulheres. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ. 2002.

LEMOS, Rosalvo. As Batucadas em Vitória da Conquista: identidades culturais, ritmos e representações. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Documento) - Universidade do Rio de Janeiro, 2001.

LOFORTE, Ana Maria. Gênero e poder entre os Tsonga de Moçambique. Maputo: Promédia, 2000.

MOREIRA, Núbia Regina. A presença das compositoras no samba carioca: um estudo da Trajetória de Teresa Cristina. Tese (Doutorado em Sociologia) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, 2013.

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a pequena África no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1995. 2ª edição.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Editora vozes, 1999.

NASCIMENTO, Washington Santos. Construindo o “negro”: lugares, civilidades e festas em Vitória da Conquista/BA (1870-1930). Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

O FIFÓ. Jornal. Notícias da Cidade. Hemeroteca do Arquivo Público Municipal de Vitória da Conquista. 1978 – 1979.

PALMARES. Fundação Nacional. Tabela das Comunidades Quilombolas. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2016.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA DA CONQUISTA. Tradicional Lavagem do Beco marca o início do Carnaval Conquista Cultural. In: seção notícias. 01.03.2014. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2014.

SANTOS, Milton. A urbanização Brasileira. São Paulo: Editora Hucitec. 1993.

SARDENBERG, Cecília. Conceituando “Empoderamento” na Perspectiva Feminista. Transcrição revisada da comunicação oral apresentada ao I Seminário Internacional: Trilhas do Empoderamento de Mulheres – Projeto TEMPO’, promovido pelo NEIM/UFBA, em Salvador, Bahia, de 5-10 de junho de 2006.

SEM, Gita; GROWN, Carem. Desenvolvimento, Crise e Visões Alternativa: perspectiva das mulheres do Terceiro Mundo. Editora Espaço e Tempo: Rio de Janeiro, 1988.

SERRA, Ordep. Águas do Rei. Petrópolis: Editora Vozes, 1995.

SILVA, Maciel Henrique. Pretas de honra: vida e trabalho de domésticas e vendedoras no Recife do século XIX (1840-1870). Recife/Salvador: EDUFPE/EDUFBA, 2011.

SODRÉ, Muniz. Samba, o dono do corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

TANAJURA, Mozart. História de Conquista: crônica de uma cidade. Vitória da Conquista: Brasil Artes Gráfica, 1992.

VEIGA, Benedito. Dona Flor da Cidade da Bahia: ensaio sobre a memória da vida cultural baiana. Salvador: Casa das Palavras. FAPESB, 2006. Disponível em: .

VIANA, Anibal Lopes. Revista Histórica de Vitória da Conquista, Vol. I. Vitória da Conquista: s.ed., 1982.

VITÓRIA DA CONQUISTA. Lei Municipal 142/54 – Código de Posturas Municipal de 1954. Acervo do Arquivo Público Municipal de Vitória da Conquista.

VITÓRIA DA CONQUISTA. Lei Municipal 34/74. Acervo do Arquivo Público Municipal de Vitória da Conquista.

VITÓRIA DA CONQUISTA. Lei Municipal 85/75. Acervo do Arquivo Público Municipal de Vitória da Conquista.

VITÓRIA DA CONQUISTA. Lei Municipal 462/88. Acervo do Arquivo Público Municipal de Vitória da Conquista.

WERNECK, Jurema. O Samba Segundo as Ialodês: mulheres negras e a cultura midiática. 2007. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2007.

WIED-NEUWIED, M. Viagem ao Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da USP, 1989. (Coleção reconquista do Brasil. 2. Série; v. 156).

XAVIER, Clarissa Valadares; MAIA, Carlos Eduardo S. Maia. Vira, Virou a Micareta Emplacou! História Revista - Revista da Faculdade de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Goiás, v. 15, n. 2, 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v10i0.5855

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis B3

Flag Counter