IDENTIDADES SOCIAIS EM DIAS DE MODESS

Tiago Mendes Rodrigues dos Santos

Resumo


Este trabalho procura reconstituir as fases iniciais de uma ampla e profunda transformação na sociedade brasileira em meados do século XX. Dentre vários aspectos, sublinho o processo que daria lugar ao enérgico desenvolvimento da mundialização do capitalismo, quando imensa variedade de novos bens de consumo passa a participar mais intensivamente do cotidiano das pessoas. No momento em que a publicidade e o marketing despontariam não apenas como “divulgadores” de novos produtos, mas atuando estrategicamente na simbolização dos gestos, gostos, modos e modas, ampla gama de objetos participarão da fabricação de identidades e clivagens sociais no ambiente de expansão urbana carioca. Neste caso, elejo a história social dos absorventes higiênicos no Brasil para observar mais de perto as mudanças específicas na convivência das pessoas umas com as outras.

Palavras-chave


Absorvente Higiênico; Publicidade; Identidade; Rio de Janeiro.

Texto completo:

PDF

Referências


APARÍCIO, Letícia Ricci. A figura feminina, sua indumentária na ‘Belle Époque’ parisiense e seus reflexos nas terras brasileiras e na capital do café (1890/1930). In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 24., 2007, São Leopoldo, RS. Anais do XXIV Simpósio Nacional de História – História e multidisciplinaridade: territórios e deslocamentos. São Leopoldo: Unisinos, 2007.

BARRETO, Roberto Menna. Criatividade em Propaganda. 3.ed. São Paulo: Summus, 1982.

BASSANEZI, Carla. “Mulheres dos Anos Dourados”. In: DEL PRIONE, Mary (org). História das Mulheres no Brasil. 8ª ed. São Paulo: Contexto, 2006.

BOLTANSKI, Luc. As Classes Sociais e o Corpo. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

BOURDIEU, Pierre. O Senso Prático. Petrópolis: Vozes, 2009.

___________. A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk, 2008.

BRITO, Marilza E. A Vida Cotidiana no Brasil Nacional: a energia elétrica e a sociedade brasileira (1930-1970). Rio de Janeiro: Centro da Memória da Eletricidade no Brasil, 2003.

BUTLER, Judith P. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

CERTEAU, M. A Invenção do Cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2004.

CRANE, Diana. “Reflexões sobre a moda: o vestuário como fenômeno social”. In: BUENO, Maria Lucia; CAMARGO, Luiz Octávio de Lima (orgs). Cultura e consumo: estilos de vida na contemporaneidade. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

DELACROIX, Christian; DOSSE, François; GARCIA, Patrick. Correntes Históricas na França – séculos XIX e XX. Rio de Janeiro/São Paulo: Editora FGV/Editora da Unesp, 2012.

ELIAS, Norbert. A Sociedade de Corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

ELIAS, Norbert. Escritos & Ensaios: Estado, processo, opinião pública. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador: uma história dos costumes. 2.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador: formação do Estado e Civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993. Volume 2.

FARIAS, Edson. Ócio e Negócio: festas populares e entretenimento-turismo no Brasil. Curitiba: Appris, 2011.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. 25ª Ed. São Paulo: Graal, 2012.

JOANILHO, André Luiz; JOANILHO, Mariângela Peccioli Galli. Sombras literárias: a fotonovela e a produção cultural. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.28, n.56, p.529-548, 2008.

MELLO, João Manuel; NOVAIS, Fernando A. “Capitalismo tardio e sociabilidade moderna”. In: NOVAIS, F. A. e SCHWARCZ, L. M. (orgs.). História da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea, v. 4 (pp. 559-658). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

MIRA, Maria Celeste. Cultura e Segmentação: um olhar através das revistas, texto apresentado na XXV Reunião da Anpocs. Caxambu, 2001.

_______. O leitor e a banca de revistas: o caso da editora Abril. Campinas, SP: Unicamp, 1997.

_______. O masculino e o feminino nas narrativas da cultura de massas ou o deslocamento do olhar. Cadernos Pagu (UNICAMP. Impresso), Campinas-SP, v. 21, p. 13-38, 2003.

ORTIZ, Renato. Mundialização e Cultura. São Paulo: Brasiliense, 2000.

ROCHE, Daniel. História das Coisas Banais – nascimento do consumo (sec. XVII-XIX). Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SANTOS, Liana Pereira Borba dos. Mulheres e revistas: a dimensão educativa dos periódicos femininos Jornal das Moças, Querida e Vida Doméstica nos anos 1950. 2011. 170f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como Missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. 3ª edição. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989.

VOLPI, A. A História do Consumo no Brasil: do mercantilismo à era do foco no cliente. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v10i0.5478

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis B3

Flag Counter