A autonomia dos trabalhadores russos e os bolcheviques: 1917 - 1921

Danilo Mendes de Oliveira

Resumo


Este ensaio lida com o problema da autonomia dos trabalhadores e sua relação com os bolcheviques no processo da Revolução Russa, entre 1917 e 1921. Através do estudo dos comitês de fábrica, da Oposição Operária e da Revolta de Kronstadt, este estudo pretende demonstrar como a questão da autonomia foi tratada pelo Partido Bolchevique. Os bolcheviques, através da repressão estatal e da implantação da gestão nas fábricas, impediram a ideia do controle operário. Contribuíram para isso, as circunstâncias em que se encontrava a sociedade russa no pós-guerra, com o descalabro econômico e a eclosão da Guerra Civil, e também a maneira como o Partido encarava a questão da organização da produção. Houve um distanciamento entre a vanguarda política e a base de trabalhadores durante o processo revolucionário.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v9i1.4848

Rodapé - Mosaico
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND

MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis A3 (Avaliação Preliminar da CAPES/PERIÓDICOS - 2019)

Visitantes - (01/01/2006 - 01/08/2019)
País Usuários
Brasil 8.363
Estados Unidos 407
França 265
Portugal 130
Alemanha 61
Reino Unido 32
Espanha 26
México 24
Rússia 21
Total 9.575

Fonte: Google Analytics.