Ser o Senhor dos Moinhos de Auriol: o cartulário templário de vaour como fonte para os equilíbrios de poder (1150-1185)

Bruno Tadeu Salles

Resumo


Resumo: as especificidades da fonte cartulário nos permitem considerar dois dados fundamentais para compreender as cópias contidas em seu corpus: os equilíbrios senhoriais
e as interdependências urdidas sobre a possessão e exploração de determinados bens. Nesse sentido, propomos analisar a expansão do poder dos templários da casa de Vaour
sobre um conjunto de determinados bens: os moinhos de Auriol. O senhorio templário sobre os ditos se caracterizaria por um esforço de conservação do quadro de possessão
anterior, principalmente, no que concerne ao dominium dos senhores do castelo de Pena, antigos detentores dos moinhos. Além disso, a ação do templário Pedro de Vallat
nos moinhos se mostra muito importante. Aquele templário, antes de sua profissão no Templo, e sua parentela foram elementos familiares na exploração dos moinhos de Auriol.
Palavras-chave: Templários. Vaour. Senhorio. Moinhos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v6i2.2878

Rodapé - Mosaico
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND

MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis A3 (Avaliação Preliminar da CAPES/PERIÓDICOS - 2019)

Visitantes - (01/01/2006 - 01/08/2019)
País Usuários
Brasil 8.363
Estados Unidos 407
França 265
Portugal 130
Alemanha 61
Reino Unido 32
Espanha 26
México 24
Rússia 21
Total 9.575

Fonte: Google Analytics.