Cora Coralina: a voz que se pode ouvir

Eli Braz da Silva Junior, Maria do Espírito Santo Rosa Cavalcante

Resumo


Resumo: o presente artigo pretende, a partir da obra de Cora Coralina, ?História da velha
casa da ponte, revelar fatos históricos ocorridos no século XIX, na cidade de Goiás,
então capital da província goiana. O fato, testemunhado pela bisavó de Coralina, revelou
o cotidiano da sociedade local, ante um crime cometido naquela cidade. Posteriormente
registra-se o rumoroso processo em que o acusado é julgado e condenado. Tudo isso é
narrado por uma mulher que tinha, então, 19 anos, sendo posteriormente registrado
pela poetisa de Goiás. Este diálogo entre literatura e história, parte do pressuposto que
a literatura é também memória, posto que, terreno do sensível, consegue dar sentido ás
emoções e ações de um lugar, de uma época, portanto, fonte indispensável para preencher
as lacunas que as fontes de arquivos históricos não conseguem abarcar.

Palavras-chave: Sociedade. Crime. Mulher.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v3i1.1830

Rodapé - Mosaico
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND

MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (05/09/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.