Políticas Editoriais

Foco e Escopo

A revista Mosaico tem como missão divulgar a produção científica em caráter interdisciplinar e estabelecer intercâmbio com outras instituições locais, nacionais e internacionais. Objetivos divulgar trabalhos relevantes da área de ciências humanas e sociais com destaque para a produção do conhecimento histórico. Público alvo: professores, pesquisadores e pós-graduandos. A política de submissão de textos: Serão aceitos para publicação textos inéditos e relevantes submetidos á avaliação do Conselho Editorial. Os textos deverão seguir as normas editoriais para publicação de artigos na revista Mosaico. Documentos aceitos para publicação na revista: artigos científicos, comunicações de pesquisas, resenhas e resumos de dissertações.

 

Políticas de Seção

Editorial

Não verificado Submissões abertas Não verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Apresentação / Presentation

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Dossiê / Dossier

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Artigos / Articles

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resenhas / Reviews

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resumos / Abstracts

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Nominata

Relação dos Avaliadores Ad Hoc

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

A avaliação dos artigos é feita por pares, pelo método Double Blind Review, onde cada artigo é avaliado por dois pareceristas especialistas na área com elevada titulação acadêmica. Por este sistema, os arquivos são avaliados sem a identificação de autoria.

AVALIAÇÃO

O processo de avaliação dos artigos submetidos ocorre em duas etapas, e passa por um sistema de revisão dupla (double blind review):

Primeira etapa: consiste em uma avaliação preliminar do Editor Chefe em conjunto com um membro do Corpo Editorial Científico, sempre que o Editor Chefe julgar necessário, que analisa a adequação dos trabalhos segundo a linha editorial da Revista, sua adequação ao escopo, e aspectos como contribuição e ineditismo do texto. Somente os trabalhos considerados por editores e conselheiros como relevantes para a comunidade e, em particular, para os leitores do periódico, prosseguirão para as demais etapas de avaliação.

Segunda Etapa: os originais dos artigos são encaminhados para a apreciação de dois pareceristas integrantes do Corpo de avaliadores, conforme o sistema blind review. Os critérios para a avaliação dos artigos levam em conta relevância do tema, originalidade da contribuição nas áreas temáticas da Revista, clareza do texto, adequação da bibliografia, estruturação e desenvolvimento teórico, metodologia utilizada, conclusões e contribuição oferecida para o conhecimento da área.

 

Periodicidade

A revista Mosaico publica em fluxo contínuo desde 2017. De 2007 a 2016 a publicação era semestral.

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite à s mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND

Só é permitido o download dos trabalhos publicados e o compartilhamento desde que atribuam crédito ao(s) autor(es), mas sem que possam alterá-los de nenhuma forma ou utilizá-los para fins comerciais. Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND.

 

Diagramação e Editoração

Designer Gráfico: Laerte Pereira
Diagramadora: Soleni Teles
Capa: Félix Pádua
Preparadora de Originais: Juliana Rézio e Keila Matos

 

Digital Object Identifier (DOI)

O Digital Object Identifier (DOI) é um número aplicado a qualquer forma de propriedade intelectual (livro, periódico, artigo, resenha, capítulo de livro, imagem, anais, autor entidade, autor individual...) publicada em versão impressa ou eletrônica, comercial ou não. É um sistema para localizar e acessar materiais na web, sobretudo publicações em periódicos e obras protegidas por copyright, muitas das quais localizadas em bibliotecas virtuais.

 

Critérios sobre Plágio

De acordo com os avanços éticos nas pesquisas científicas, os artigos aprovados na primeira fase desta Revista serão submetidos a um detector de plágio, autoplágio ou republicação de artigo inédito. Caso ocorra alguma dessas situações de similaridade, o artigo será avaliado pelo Conselho Editorial com base nas Diretrizes Básicas para a Integridade na Atividade Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do CNPq (http://cnpq.br/diretrizes). Opiniões expressas em artigos assinados e a integridade de seus conteúdos são de responsabilidade absoluta de seus autores.

 

Administração da PUC Goiás

Dom Washington Cruz, CP, Grão-chanceler da PUC Goiás

Prof. Wolmir Therezio Amado, Reitor da PUC Goiás

Profª Olga Izilda Ronchi, Vice-Reitora da PUC Goiás

Prof. Daniel Rodrigues Barbosa, Pró-Reitor de Administração

Profª Helenisa Maria Gomes de Oliveira Neto, Pró-Reitora de Desenvolvimento Institucional

Profª Márcia de Alencar Santana, Pró-Reitora de Extensão e Apoio Estudantil

Profª Sônia Margarida Gomes Sousa, Pró-Reitora de Graduação

Profa. Milca Severino Pereira, Pró-Reitora de Pós-Graduação e Pesquisa

Profº Eduardo Rodrigues da Silva, Pró-Reitor de Comunicação

Profº José Antonio Lôbo, Pró-Reitor de Saúde

 

Editora da PUC Goiás

Prof. Lauro Eugênio Guimarães Nalini, Coordenador da Editora da PUC Goiás

Profa. Milca Severino Pereira, Presidente do Conselho Editorial

Conselho Editorial

Milca Severino Pereira – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Brasil

Angel Marcos de Dios – Universidade Salamanca, Espanha

Catherine Dumas – Université Sorbonne Nouvelle, Paris III, França

Edival Lourenço – União Brasileira de Escritores, Seção Goiás, Brasil

Francisco Carlos Félix Lana – Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil

Getúlio Targino – Academia Goiana de Letras, Brasil

Heloísa Helena de Campos Borges – Academia Feminina de Letras e Artes de Goiás, Brasil

Hussam El-Dine Zaher – Universidade de São Paulo, Brasil

Isabel Ponce de Leão – Universidade Fernando Pessoa, Portugal

Jack Walter Sites Jr. – Brigham Young University, USA

José Alexandre Felizola Diniz-Filho – Universidade Federal de Goiás, Brasil

José Maria Gutiérrez – Instituto Clodomiro Picado, Costa

Rica Marcelo Medeiros – Universidade Federal de Goiás, Brasil

Marcelo Rodrigues de Carvalho – Universidade de São Paulo, Brasil

Nelson Jorge da Silva Jr. – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Brasil

Paulo Petronílio Correia – Universidade de Brasília, Brasil

Steven Douglas Aird – Okinawa Institute of Science and Technology, Japan

 

Normalização de Citações e Referências Bibliográficas e Eletrônicas

Citações

As citações deverão estar de acordo com o padrão da NBR 10520 (ABNT, 2001). Para as menções a autores, no correr do texto, recomenda-se o sistema autor-data.Exemplo: 
De acordo com Silva (1990, p. 58) ou ...(SILVA,1990,p.58).

Referências

As referências devem conter exclusivamente os autores e textos citados no trabalho e ser apresentadas ao final do texto, em ordem alfabética, de acordo com a NBR 6023 (ABNT, 2002).O destaque do nome das obras deverá ser em itálico. Exemplo:

Monografia

MATOS, K. C. de. Ministérios de mulheres em cartas paulinas: exegese e análise do discurso. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião). Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2006.

Livro

ARAÚJO, E. A construção do livro: princípios da técnica de editoração. 20.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

Artigo em revista com autor identificado

MATOS, K. C. Brasil e Portugal: diferenças e polêmicas de alguns pronomes. Estudos, Humanidades, Goiânia, v. 28, n. 3, p. 461-472, maio/jun. 2001.

Artigo em jornal

DUARTE, S. N. Língua viva. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 6 ago. 2000. Suplemento literário, p. 5.

Trabalhos disponíveis na Internet

DUARTE, S. N. Língua viva. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 6 ago. 2000. Disponível em: . Acesso em: 6 ago. 2000. 10.30.05.

 

Pagamentos de Taxas

Não há cobrança de taxas tanto para a submissão quanto para a avaliação de textos a serem publicados na Caminhos.

 

Histórico da Revista

A revista Mosaico é um periódico do Programa de Pós-Graduação em História da PUC Goiás, criada em 2008. Enfatiza, na grande área das ciências humanas, os estudos históricos e culturais, de forma interdisciplinar, com a missão de divulgar a produção científica e estabelecer intercâmbio com outras instituições locais, nacionais e internacionais. A proposta da revista é tentar formar um conjunto novo, ou, assumindo-se a pretensão, de redesenhar o quadro de uma historiografia aberta. Se propõe a ser um espaço amplo para a execução e demonstração de mosaicos historiográficos, no plural, já que há muito que a história deixou de ser pensada no singular e disciplinarmente. A Revista Mosaico, portanto, evoca o imperativo da interdisciplinariedade, visando uma História pluralista, no intuito de suprir a carência da História com H maiúsculo, da “história historicizante”. A revista Mosaico, portanto, possibilita um campo para essa luta. Reúne a perspectiva histórica às noções englobantes de cultura e poder. Três conceitos indelimitáveis, ilocalizáveis, que beiram o indefinível. Por outro lado, interrelacionados em sua essência. Sempre que separados, o resultado obtido será um enfoque profundamente deficiente. Um está complementando o outro, remetendo para o outro sem perder sua especificidade. Daí a ideia de uma história mosaical. Se o saber histórico visa a apreensão do particular, do específico, ele só é construído quando os articula numa dimensão geral. Os historiadores, destarte, configuram quadros onde diversos vestígios devem ganhar sentido. A caracterização de uma época não é mais importante que a de qualquer evento. Assim, a história mosaical encampada por esta revista se dá ao luxo de não optar por escolhas indiscerníveis. Rompendo com a lógica da exclusão, compreende que a riqueza do conjunto só existe na contribuição ressaltada de cada elemento. Esse exercício requer uma escuta do passado a partir do ponto de vista de pessoas comuns, requer envolver na construção da História processos e atores que intervêm no trabalho de constitui- ção e de formalização das memórias; requer utilizar metodologias empáticas aos grupos subjugados, marginalizados e periféricos que contrapõem e contradizem a “História (Memória) Oficial”, como a História Oral e a História de Vida. Até 2016 a periodicidade da Revista foi semestral, a partir de 2017, passa a publicar em fluxo contínuo, em português, inglês e espanhol. Até o presente momento está indexada na plataforma Latindex e possui Qualis B3. O público alvo são: professores, pesquisadores e pós-graduandos. São aceitos para publicação textos inéditos e relevantes submetidos à avaliação do Conselho Editorial. Os documentos aceitos para publicação na revista são: artigos científicos, comunicações de pesquisas, resenhas e resumos de dissertações. A avaliação dos artigos é feita por pares, pelo método Double Blind Review, onde cada artigo é avaliado por dois pareceristas especialistas na área com elevada titulação acadêmica. Por este sistema, os arquivos são avaliados sem a identificação de autoria. A primeira etapa: consiste em uma avaliação preliminar do Editor Chefe em conjunto com um membro do Corpo Editorial Científico, sempre que o Editor Chefe julgar necessário, que analisa a adequação dos trabalhos segundo a linha editorial da Revista, sua adequação ao escopo, e aspectos como contribuição e ineditismo do texto. Somente os trabalhos considerados por editores e conselheiros como relevantes para a comunidade e, em particular, para os leitores do periódico, prosseguirão para as demais etapas de avaliação. Na segunda Etapa: os originais dos artigos são encaminhados para a apreciação de dois pareceristas integrantes do Corpo de avaliadores, conforme o sistema blind review. Os critérios para a avaliação dos artigos levam em conta relevância do tema, originalidade da contribuição nas áreas temáticas da Revista, clareza do texto, adequação da bibliografia, estruturação e desenvolvimento teórico, metodologia utilizada, conclusões e contribuição oferecida para o conhecimento da área.

 

Conflito de Interesses

A confiabilidade pública no processo de revisão por pares e a credibilidade de artigos publicados dependem em parte de como os conflitos de interesses são administrados durante a redação, revisão por pares e tomada de decisões pelos editores. Conflitos de interesses podem surgir quando autores, revisores ou editores possuem interesses que, aparentes ou não, podem influenciar a elaboração ou avaliação de manuscritos. O conflito de interesses pode ser de natureza pessoal, comercial, política, ideológica, acadêmica ou financeira. Quando os autores submetem um manuscrito, eles são responsáveis por reconhecer e revelar conflitos financeiros ou de outra natureza que possam ter influenciado seu trabalho. Os autores devem reconhecer no manuscrito todo o apoio financeiro para o trabalho e outras conexões financeiras ou pessoais com relação à pesquisa. O avaliador deve revelar aos editores quaisquer conflitos de interesse que poderiam influir em sua opinião sobre o manuscrito, e, quando couber, deve declarar-se não qualificado para revisá-lo. Se os autores não estiverem certos do que pode constituir um potencial conflito de interesses, devem contatar a secretaria editorial da Revista.

 

Critérios sobre Retratação

A correção de inconvenientes éticos de artigo científico como, por exemplo, problema de autoria ou de não originalidade será resolvida em forma de retratação. Esse procedimento deverá ser apresentado em forma de um texto assinado pelos responsáveis com seus motivos, seguido do original completo, porém, iniciando seu título no Sumário com a expressão [artigo retratado]. Esse processo deverá ser avaliado pela Comissão Editorial e indicar a chancela de pelos menos três membros do Conselho Editorial.