OS BENS CULTURAIS FRENTE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Luana Cristina da Silva Campos, Aline Vieira de Carvalho, Luciano Pereira da Silva

Resumo


Por que devemos pensar sobre a temática das mudanças climáticas e os bens culturais? Ao longo dos últimos anos pudemos observar a recorrência de eventos climáticos extremos, como as tempestades torrenciais que destruiu o centro histórico de São Luís do Paraitinga-SP (2010), o tornado que atingiu o Museu de São Miguel das Missões-RS (2016), as queimadas no Parque Estadual de Monte Alegre - PA que atingiram as pinturas rupestres do Sítio Serra da Lua, no Pará (2019), entre outros efeitos que detêm relações com as mudanças observadas no clima, especialmente a partir do século XIX. Diante desses fatos, o vol. 19, n. 1 de 2021 da Revista Habitus traz o dossiê “Os bens culturais frente a mudança climática” como proposição do Comitê Científico Internacional sobre Mudanças Climáticas do ICOMOS – Conselho Internacional de Monumentos e Sítios – no Brasil, como forma de promover ações que visam reunir estudos e pesquisas que tratem dos efeitos da mudança climática sobre os bens culturais no Brasil.

Palavras-chave


POLÍTICAS PÚBLICAS. PATRIMÔNIO. MUDANÇAS CLIMÁTICAS.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v19i1.9118

Direitos autorais 2021 Luana Cristina da Silva Campos, Aline Vieira de Carvalho, Luciano Pereira da Silva

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 12/08/2021)

Fonte: Google Analytics.