PAISAGENS MÍTICAS: NOS PASSOS DE UMA ANTROPOLOGIA DA SEGREGAÇÃO ESPACIAL EM GOIÂNIA

Marcos Henrique Barbosa Ferreira

Resumo


O tema desse trabalho é o imaginário em torno do projeto de construção de Goiânia, a capital do estado de Goiás, no centro-oeste brasileiro. Interessa entender, na maneira como o projeto foi concebido e realizado, por atores e instituições vinculados ao Estado, a expressão de alguns dos problemas sociais presentes no cotidiano da cidade hoje. Em especial, tratarei a questão da segregação espacial, como reprodutora de desigualdades sociais que se situam tanto geograficamente no espaço quanto simbolicamente nas paisagens da cidade. A gravidade desse tema foi revelada por um estudo da ONU que aponta Goiânia como possuindo o maior índice de desigualdade social da América Latina e Caribe.

Palavras-chave


Paisagem; Goiânia; Segregação espacial.

Texto completo:

PDF

Referências


AGIER, Michel. Antropologia da Cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo: Terceiro Nome, 2011.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. Editora 34, 2011.

CANEVACCI, Massimo. A cidade polifônica: ensaio sobre a antropologia da comunicação urbana. São Paulo: Studio Nobel, 1997.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. A dupla interpretação na Antropologia. O Trabalho do Antropólogo. Brasília, 2006: Paralelo 15-Unesp.

CASTEL, Robert. From dangerousness to Risk. In: BURCHELL, Graham; GORDON, Colin; MILLER, Peter (orgs.). The Foucault Effect: Studies in Governmentality with Two Lectures by and an Interview with Michel Foucault. London: Harvester Wheatsheaf, 1991.

CASTRO, Vânia Cecília Beirigo. Impactos Ambientais no Espaço Urbano de Goiânia: um estudo sobre a invasão Emílio Póvoa. Trabalho de Conclusão de Curso de Geografia. UEG, Unidade Universitária de Ciências Sócio–Econômicas e Humanas. Anápolis, 2009.

COSTA, Alexandre; QUINTELA, Antón C. A modernidade assustadora: o pesadelo goiano de Lévi-Strauss. In: AGUIAR, Ofir Bergmann de (org.). Região, Nação, Identidade. Goiânia, AGEPEL: Instituto Centro-Brasileiro de Cultura, 2005.

DAHER, Tânia. Goiânia: uma utopia europeia no Brasil. Goiânia: Instituto Centro Brasileiro de Cultura, 2003.

DE OLIVEIRA, Adão Francisco. Goiânia Heterotópica: a integração excludente. In: OLIVERIA, Adão Francisco; NASCIMENTO, Claudemiro Godoy (orgs.). Cidades sustentáveis políticas públicas para o desenvolvimento. Goiânia. UCG (2006): 179-199.

DELEUZE, Gilles. Em que se pode reconhecer o estruturalismo. In: CHATELET, François (org.). História da filosofia, v. 8, O século XX, RJ, Zahar, 1974.

DOUGLAS, Mary; WILDAVSKY, Aaron. Risco e cultura: um ensaio sobre a seleção de riscos tecnológicos e ambientais. Elsevier Brasil, 2012.

FERRARA, Lucrecia d’Alessio. Os significados urbanos. São Paulo: Edusp, 2000.

FERREIRA, Marcos H. B. Imagens da cidade: cidade imaginada. Sobre graffiteiros e pixadores em Belo Horizonte. Dissertação (mestrado) – Faculdade e Filosofia e Ciências Humanas de Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 2009.

FERREIRA, Marcos H. B. Imagens de Goiânia: paisagens míticas. XXIX Reunião Brasileira de Antropologia. 03 e 06 de agosto de 2014. Natal, RN, 2014.

FERREIRA, Marcos H. B. Paisagens e Consumo: reflexões sobre a cidade mercadoria. IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS SOCIAIS, UFG. 11 a 14 de novembro de 2015. Goiânia, GO, 2015.

FÍGOLI, Leonardo H. G. A paisagem como dimensão simbólica do espaço: o mito e a obra de arte. Sociedade e Cultura, v. 10, n. 01, 2007.

FOUCAULT, Michel; SENELLART, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). Martins Fontes, 2008.

GEERTZ, Clifford. “Do ponto de vista dos nativos”: a natureza do entendimento antropológico. In: GEERTZ, Clifford. O saber Local. Petrópolis: Vozes, 2000.

GIDDENS, Anthony. O mundo na era da globalização. Editorial Presença, 2013.

GODELIER, Maurice. O enigma do dom. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. Psychology Press, 2000.

JORDÃO, Haline Moura; MARGOT, Riemann Costa. Assentamentos Irregulares no Município de Goiânia. Estudos, Goiânia, v. 41, n. 1, p. 29-41, 2014.

LEFEBVRE, Henri. A Revolução Urbana. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A estrutura dos mitos. In: LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. São Paulo: COSAC NAIFY, 2008. p. 221-248.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento Selvagem. Campinas, SP: Papirus, 2006.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

LIMA FILHO, Manuel Ferreira. Formas e tempos da cidade. Goiânia: Editora da UCG; Cânone Editorial, 2007.

MAGNANI, José Guilherme Cantor; ANDRADE, José Agnello Alves Dias de. Uma experiência de etnologia urbana: a presença indígena em cidades da Amazônia. Paisagens Ameríndias: Lugares, circuitos e modos de vida na Amazônia, v. 1, p. 45-74, 2013.

MAGNANNI, José Guilherme Cantor. As cidades de Tristes Trópicos. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 42, n. 1-2, 1999.

MOYSÉS, Aristides; BERNARDES, Genilda Darc. Segregação urbana e desigualdade social em Goiânia: estado, mercado imobiliário e dinâmica socioespacial. In: MOYSÉS, Aristides. Cidade, segregação urbana e planejamento, 2005. p. 173-204.

MOYSÉS, Aristides; DE MELO BORGES, Elcileni. A negação do lugar e a recriação da cidade: condomínios horizontais fechados na metrópole goianiense. 2009. Disponível em: http://web.observatoriodasmetropoles.net/download/gthab/Textos_ref/02_Ary_Elcileni.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

MUÑOZ, Francesc. Urbanalización: paisajes comunes, lugares globales. Barcelona: Gili, 2008. Programa de las Naciones Unidas para los Asentamientos Humanos. Estado de las ciudades de América Latina y El Caribe: rumbo a una nueva transición urbana. ONU-Habitat, 2012. Disponível em: http://bit.ly/CidadesALCaribe2012. Acesso em: 10 mar. 2020.

ROSSI, Aldo. A Arquitetura da Cidade. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SENA, Custódia Selma. Uma narrativa mítica do sertão. Avá, n. 17, 2011.

TAUSSIG, Michael. O Diabo e o fetichismo da mercadoria na América do Sul. São Paulo: UNESP, 2010.

ZUKIN, Sharon. Paisagens urbanas pós-modernas: mapeando cultura e poder. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 24, 1996.

ZUKIN, Sharon. Loft living: culture and capital in urban change. Rutgers University Press, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v19i1.8824

Direitos autorais 2021 Marcos Henrique Barbosa FERREIRA

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 12/08/2021)

Fonte: Google Analytics.