ASPECTOS MATERIAIS DOS SÍTIOS PEDREIRA E ÁGUA VERMELHA, BAHIA

Henry Luydy Abraham Fernandes

Resumo


O presente artigo aborda dois sítios no sul da Bahia: Pedreira, escavado dentro de um projeto de contrato e Água Vermelha, alvo de um salvamento pontual de urnas funerárias. A partir de uma breve revisão de dados das fases Itanhém/Itaúnas da tradição Aratu, o contexto de ambos os sítios é usado para discutir as características da cultura material. Como resultado, considera-se que os conjuntos cerâmicos em tela podem ser entendidos como uma mescla entre elementos da tradição Aratu e Tupi, encontro que teria gerado a fase Itanhém / Itaúnas.

Palavras-chave


Arqueologia do Sul da Bahia; Sítios indígenas; Tradição Aratu. Fase Itanhém.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Cristiana. A construção de um passado pré-colonial: uma breve história da arqueologia no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 44, p. 35-51, 2000.

CALDERÓN, Valentin. A fase Aratu no Recôncavo e Litoral Norte do Estado da Bahia. PRONAPA – Resultados Preliminares do Terceiro Ano 1967-68. Belém: Museu Paraense Emílio Goledi, 1969. p. 161-72 (Publicações Avulsas, 13).

CALDERÓN, Valentin. Breve notícia sobre a arqueologia de duas regiões do Estado da Bahia. PRONAPA – Resultados Preliminares do Quarto Ano 1968-69, Belém: Museu Paraense Emílio Goledi, 1971. p. 163-74 (Publicações Avulsas, 15).

CALDERÓN, Valentin. Contribuição para o conhecimento da arqueologia do Recôncavo e Litoral Sul da Bahia. PRONAPA – Resultados Preliminares do Quinto Ano 1969-70, Belém: Museu Paraense Emílio Goledi, 1974. p. 141-56 (Publicações Avulsas, 26).

CARVALHO, Olívia; ETCHEVARNE, Carlos; QUEIROZ, Albérico. Associação de vasos cerâmicos e ossos de animais: ritual funerário ou resto de cozinha em populações do passado provenientes da região Nordeste do Brasil? Revista Etnobiología, v. 17, n. 2, p. 76-88, 2019.

COSTA, Henrique Antônio Valadares. Arqueologia do Estado do Espírito Santo: subsídios para a gestão do patrimônio arqueológico no período de investigação acadêmica de 1966 a 1975. Mestrado (Museu de Arqueologia e Etnologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 2013.

ETCHEVARNE, Carlos. O sítio de tradição Aratu de Água Vermelha, reserva indígena Caramuru-Paraguaçu, e suas implicações arqueológicas e etno-políticas. Cadernos de Arte e Antropologia, Salvador, n. 1, p. 53-58, 2012.

ETCHEVARNE, Carlos; FERNANDES, Luydy Abraham. Urnas funerárias encontradas em Água Vermelha, Reserva Indígena Caramuru-Paraguassu (BA): informe acerca dos procedimentos adotados no Laboratório de Arqueologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia. Relatório Digitado, 9 p, 2011.

FERNANDES, Luydy Abraham. Os sepultamentos do sítio Aratu de Piragiba – BA. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil, 2003.

FERNANDES, Luydy Abraham. Relatório final do resgate e monitoramento arqueológico na rodovia BA001 (Camamu – BR-030). Salvador: MAE/UFBA, 2007.

FERNANDES, Luydy Abraham. Uma revisão da Tradição Aratu na Bahia. Revista Clio Arqueológica, UFPE, v. 27, n. 1, p. 01-32, 2012.

FERNANDES, Luydy Abraham. Pequenas variações dos sepultamentos da tradição Aratu na Bahia. Especiarias - Cadernos de Ciências Humanas, UESC, v. 17, n. 30, jan./jun. p. 151-172, 2017.

FERNANDES, Luydy Abraham. Síntese dos estudos tecnológicos e macrotraceológicos em lâminas de machado lascadas de um grupo ceramista horticultor do Brasil. Revista del Museo de Antropología, Córdoba, Argentina, v. 13, n. 1, p. 121-124, 2020.

FERNANDES, Luydy Abraham; COSTA, Carlos Alberto Santos. Relatório final do diagnóstico e levantamento arqueológico na rodovia BA-001 (Camamu-Itacaré). Salvador: MAE/UFBA, 2006.

FERNANDES, Luydy Abraham; COSTA, Carlos Alberto Santos. Arqueologia do Baixo Sul da Bahia: Condicionantes espaciais na implantação de engenhos de açúcar. Revista de Arqueologia, v. 22, n. 2, p. 137-156, ago./dez. 2009.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu; CHEVITARESE, André Leonardo. Arqueologia no Brasil Hoje. Trabalhos de antropologia e Etnologia, Lisboa, Portugal, v. 53, p. 61-74, 2013.

GASPAR, Maria Dulce. História da construção da arqueologia histórica brasileira. Rev. do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, v. 13, p. 269-301, 2003.

GONZÁLES, Erika Marion Robrahn. A ocupação ceramista pré-colonial do Brasil Central: origens e desenvolvimento. Tese (Doutoramento em Arqueologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 1996.

GONZÁLEZ, Erika Marion Robrahn; ZANETTINI, Paulo Eduardo. Projeto Sauípe: relatório de atividades, fase 1. Salvador: Zanettini Arquitetura Planejamento e Consultoria, 1997.

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria de Infra-Estrutura. Departamento de Infra-Estrutura de Transportes da Bahia. Plano de Recuperação de Áreas Degradadas. BA-001. Trecho: Camamu-Itacaré. v. 5, Salvador, 2005.

HILBERT, KLAUS. Cave canem!: cuidado com os Pronapianos! Em busca dos jovens da arqueologia brasileira. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 2, n. 1, p. 117-130, jan./abr. 2007.

MARANCA, Silvia. Entrevista. Arqueologia, Número especial, Curitiba, v. 4, p. 115-123, 2007.

OLIVEIRA, Jorge Eremites de. A arqueologia brasileira da década de 1980 ao início do século XXI: uma avaliação histórica e historiográfia. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre: PUCRS, v. XXVIII, n. 2, p. 25-52, dez. 2002.

PEROTA, Celso. Considerações sobre a cerâmica Aratu nos Estados da Bahia e Espirito Santo. Boletim do Museu de História e arte. Vitória: UFES, Arqueologia, v. 1, p. 25-35, 1971.

REIS, José Alberioni dos. Não pensa muito que dói, um palimpsesto sobre teoria na arqueologia brasileira. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2010.

SCOTTON, Giovanni Colossi; NOGUEIRA, Ruth Emilia. A carta atlântica de Bartolomeu Lasso de 1586 no contexto da União Ibérica. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, n. 68/1, p. 121-130, jan./fev. 2016.

SILVA, Ramona de Jesus; CHIAPETTI, Rita Jaqueline Nogueira; ARAUJO, Gleydson Silva de. Atlas físico da bacia hidrográfica do rio pardo para o uso escolar. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, v. 8, n. 14, p. 67-93, jan./jun. 2017.

SIMÕES, Mário. Índice das fases arqueológicas brasileiras 1950-1971. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, Publicações Avulsas, n. 18, 1972.

SOARES, Juliana. Discutindo a Tradição Aratu: o sítio cerâmico GO-RV-06 e novas contribuições. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em História) – UNISINOS, São Leopoldo, 2012.

SOARES, Juliana. Discutindo a tradição Aratu: proposta de um modelo de dispersão e implantação nas zonas de tensão ecológica. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, n. 23, p. 61-77, 2013.

SOUZA, Gustavo Neves. Estudo das lâminas de pedra polidas do Brasil. Tese (Museu de Arqueologia e Etnologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 2013.

WÜST, Irmhild. Aspectos da ocupação pré-colonial em uma área do Mato Grosso de Goiás: tentativa de análise espacial. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 1983.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v18i2.8476

Direitos autorais 2021 Henry Luydy Abraham Fernandes

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 12/08/2021)

Fonte: Google Analytics.