DIFERENTES ESFERAS DE AGÊNCIA NA RUA DA CONSTITUIÇÃO, RIO DE JANEIRO, DO SÉCULO XVIII AO SÉCULO XIX

Anderson Marques Garcia, Gina Faraco Bianchini, Diogo de Souza Borges, Henrique Vences Barros, Silvia Puccioni, Maria Dulce Gaspar

Resumo


O presente artigo aborda o processo de construção da Rua da Constituição, no Rio de Janeiro, do século XVIII ao século XIX, integrando conceitos de agência, unidades estratigráficas, gesto técnico e cadeia operatória, para discutir como foram desenvolvidos diferentes projetos urbanísticos públicos e, também, as marcas deixadas nesses projetos por calceteiros entre esses séculos. Para tratar essa questão, foram estudados dois tipos de pavimentos construídos com blocos de rochas, conhecidos como Pé de Moleque, uma estrutura de combustão implementada sobre a canaleta central do primeiro pavimento e os materiais arqueológicos móveis associados à estrutura, como fragmentos de faiança fina, carvões e restos de mandioca queimada, ossos de bovídeos e um anel de piaçava.

Palavras-chave


Africanos; Calceteiros; Pé de Moleque.

Texto completo:

PDF

Referências


AGACHE, Alfred. Cidade do Rio de Janeiro: remodelação - extensão e embellezamento. Paris: Foyer Bresilien, 1930.

ALMEIDA, Anaeli Queren Xavier. Caminho e poder: uma análise arqueológica do Caminho Novo em Minas Gerais. Século XVIII. Vestígios, v. 9, n. 1, p. 109-142, jul./dez. 2015.

ALMEIDA, Soraya; PORTO Jr., Rubem. Cantarias e pedreiras históricas do Rio de Janeiro: instrumentos potenciais de divulgação das Ciências Geológicas. Terra e Didática. v. 8, n. 1, p. 3-23, jan./jun. 2012.

ANDRADE LIMA, Tania. A meeting place for urban Slaves in eighteenth-century Rio de Janeiro. Journal of African Diaspora Archaeology & Heritage, v. 5, n. 2, p. 102-146, maio/ago. 2016.

ANDRADE LIMA, Tania; SENE, Glaucia Malerba; SOUZA; Marcos Andre Torres de; Em busca do Cais do Valongo, Rio de Janeiro, século XIX. Anais do Museu Paulista. v. 24, n. 1, p. 299-391, jan./abr. 2016.

ANDRADE LIMA, Tania; SOUZA, Marcos Andre Torres de; SENE, Glaucia Malerba. Weaving the Second Skin: Protection Against Evil Among the Valongo Slaves in Nineteenth-century Rio de Janeiro. Journal of African Diaspora Archaeology & Heritage, v. 3, n. 2, p. 103-136, maio/ago. 2014.

ANDREATTA, Verena; CHIAVARI, Maria Pace; REGO, Helena. O Rio de Janeiro e a sua orla: história, projetos e identidade carioca. Coleção Estudos Cariocas, v. 201. p. 1-16, jan./jun. 2009.

ASHMORE, Wendy; KNAPP, Arthur. Archaeological Landscapes: Constructed, Conceptualized, Ideational. In: ASHMORE, Wendy; KNAPP, Arthur. Archaeologies of Landscape: Contemporary Perspectives. Londres: Blackwell, 1999. p. 1-30.

BARREIROS, Eduardo Canabrava. Atlas da evolução urbana da cidade do Rio de Janeiro - ensaio - 1565-1965. Rio de Janeiro: IHGB, 1965.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Pereira Passos: um Haussmann tropical. A renovação urbana da cidade do Rio de Jnaeiro no início do século XX. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turisrno e Esportes, 1992.

BOËDA, Eric. Techno-logique & Technologie. Une Paléo-histoire des objets lithiques tranchants. Paris: Rchéo-éditions, 2013.

BONNET, Marcia. Entre o Artifício e a Arte: pintores e entalhadores no Rio de Janeiro setecentista. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura - Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2009.

BRASIL - MINISTÉRIO DO IMPÉRIO. Relatório do anno de 1850 apresentado a assemblea geral legislativa na 3ᵃ sessão da 8ᵃ legislatura. Visconde de Mont'alegre. Ministro e secretario d'estado dos negocios do imperio. Rio de Janeiro: Typographia Nacacional. 1851.

CARANDINI, Andrea. Storie dalla terra. Manuale di scavo archeologico. Turim: Giulio Einaudi, 2000.

CÉSAR SILVA, Augusto. Redefinindo a paisagem do Rio de Janeiro: dilemas constantes sobre o espaço carioca. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, n. 7. p. 57-74, jul./set. 2015.

COROACY, Vivaldo. Memórias da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: José Olympio, 1955.

CORREIO OFFICIAL. v. 1, n. 115. 25 de maio. 1838a, p. 1.

CORREIO OFFICIAL. v. 1, n. 131. 16 de junho. 1838b, p. 1.

DA SILVA, Henrique Nelson. Trabalhadores de São José – Artesãos do Recife no século XVIII. Dissertação (Mestrado em Históra) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.

DE FARIA, Rodrigo Santos. “Financiar para urbanizar” o Rio de Janeiro: José de Oliveira Reis entre o Departamento de Urbanismo e a Superintendência de Urbanização e Saneamento na implementação do Plano de Realizações – o caso da Avenida Perimetral (1956-1960). Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 1, n. 1, p. 95-108, jan./jun. 2009.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. n. 11, 10 de janeiro, 1824a, p. 23.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. n. 11, 13 de outubro, 1823, p. 42.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. n. 14, 20 de novembro, 1822b, p. 68.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. n. 18, 20 de março, 1824b, p. 72.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. n. 18, 22 de setembro, 1824c, p. 71.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. n. 2, 3 de junho, 1822a, p. 28.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. n. 23, 28 de fevereiro, 1826, p. 90.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. n. 258, ano XXII, 17 de novembro. 1843, p. 1.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. n. 3, 4 de dezembro, 1821, p. 10.

FLETCHER, James Cooley; KIDDER, Daniel Parish. Brazil and the Brazilians. portrayed in historical and descriptive sketches. 9. edição. Boston: Little Brown, 1879.

GASPAR, Maria Dulce; BIANCHINI, Gina; ANDRADE, Marcela; ANDRADE, Cilcair. Patrimônio Arqueológico e a Renovação do Centro da Cidade do Rio de Janeiro. In: CAMPOS, Guadalupe do Nascimento; GRANATO, Marcus. Preservação do Patrimônio Arqueológico: desafios e estudos de caso. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, 2017. p. 3-22.

GASPAR, Maria Dulce; KLOKLER, Daniela; BIANCHINI, Gina; Arqueologia estratégica: abordagens para o estudo da totalidade e construção de sítios monticulares. Boletim Emílio Goeldi, n. 3, v. 8, p. 517-533, set./dez. 2013.

GERSON, Brasil. História das ruas do Rio. 6. ed. Rio de Janeiro: Bem-te-vi, 2013.

HARRIS, Edward. Principios de estratigrafía arqueológica. Barcelona: Editorial Crítica, 1991.

HODDER, Ian. Agency and individuals in long-term processes. In: DOBRES, Marcia-Anne; ROBB, John. Agency in Archaeology. Londres: Routledge. 2000. p. 21-33.

HODDER, Ian. Symbols in action. Ethnoarchaeological studies of material culture. Londres: Cambridge University Press, 1982.

INIZAN, Marie-Louise; BALLINGER, Michèle; ROCHE, Hélène; TIXIER, Jacques. Tecnologia da Pedra Lascada. Edição traduzida, revisada e ampliada com definições e exemplos brasileiros por Maria Jaqueline Rodet e Juliana Resende Machado. Belo Horizonte: Museu de História Natural e Jardim Botânico / UFMG, 2017.

LEROI-GOURHAN, Andre. O gesto e a palavra: 2 – memória e ritmos. Tradução: Emanuel Godinho. Lisboa: Edições 70, 1987.

MANSUR, Kátia Leite; CARVALHO, Ismar Souza; DELPHIM, Carlos Fernando Moura; BARROSO, Emilio Velloso Barroso. O gnaisse facoidal: a mais Carioca das Rochas. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, v. 31, n. 2, p. 9-22, jul./dez. 2008.

MARTINS, Mônica de Souza Nunes. A arte das corporações de ofício: as irmandades e o trabalho no Rio de Janeiro colonial. Clio - Revista de Pesquisa Histórica, v. 30, n. 1, p. 1-18, jan./jun. 2012.

NARA Jr., João Carlos. Arqueologia da persuasão: Análise simbólica da primeira igreja rococó da América. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

NOBRE, Chimene Kuhn. Ar livre e carne em abundância: um estudo histórico-cultural do gaúcho e sua alimentação no século XIX. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

O AUXILIADOR DA INDÚSTRIA NACIONAL. Industria manufactureira e artistica. Sociedade Auxiliadora da Industria Nacional. Parte Official. Presidencia do Snr. Dr. Claudionor. Série 10 de 15/03/1853. Rio de Janeiro: Typ de Vianna Junior e Paula, 1853.

O AUXILIADOR DA INDÚSTRIA NACIONAL. O systema Mac-Adam. Auxiliadora da industria nacional. Parte Official. Sociedade Presidencia do Sr. Visconde de Abrantes. Série 1 de 01/07/1852. Rio de Janeiro: Typ de Vianna Junior e Paula, 1852.

PEREIRA, Júlio Cesar. À flor da terra: o cemitério dos pretos novos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond, 2007

RANGEL, José Correia. Plano da cidade do Rio de Janeiro: com a parte mais essencial do seu porto e todos os lugares forteficados. 1 mapa ms., desenho a nanquim, 47 x 63. 1796.

REIS, Lysie. A liberdade que veio do ofício: Práticas xociais e cultura dos artífices na Bahia do Século XIX. Salvador: Ed.UFBA, 2012.

RIO DE JANEIRO, Diretoria Geral de Obras e Viação. Planta da cidade do Rio de Janeiro: organizada na administração do prefeito general Bento Ribeiro. Rio de Janeiro, RJ: a Prefeitura, 1 mapa, 55,5 x 100cm em f. 67 x 105,5 cm. Escala 1:20.000. 1913.

SACO, José Antonio. Memoria sobre los caminos de la Isla de Cuba. Revista de Obras Publicas 1853 - 1957. Tomo I, ano 8, n. 7. tomo I, p. 77-80, 1860.

SANTOS, Beatriz Catão Cruz. Irmandades, oficiais mecânicos e cidadania no Rio de Janeiro do século XVIII. Varia História. v. 26, n. 43, p. 131-153, jan./jun. 2010.

SCARATO, Luciane Cristina. Caminhos e descaminhos do ouro nas Minas Gerais: administração, territorialidade e cotidiano (1733-1783). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

SCHEEL-YBERT, Rita. Stabilité de l’écosystème sur le littoral Sud-Est du Brésil à l’holocène supérieur (5500-1400 ans BP). Les pêcheurs-cueillerschasseurs et le milieu végétal: apports de l’antracologie. Tese (Doutorado em Biologia de Populações e Ecologia) – Université de Montpellier II, Montpellier, 1998.

SERGIPE, Daniela; SANTOS, Leila. Pé de Moleque - Rua da Constituição. Relatório documental fotográfico. Jequetibá Restauro. Relatório anexo ao processo IPHAN 01500.002490/2015. 2016.

SILVA, Adriana Fraga. Estratégias materiais e espacialidade: uma Arqueologia da Paisagem do Tropeirismo nos Campos de Cima da Serra/RS. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

SOUZA, Marcos Andre Torres de. A vida escrava portas adentro: uma incursão as senzalas o Engenho de São Joaquim, Goiás, século XIX. Maracanan, v. 7, n. 7, p. 83-109, jan./dez. 2011.

SYMANSKI, Luís Cláudio Pereira; GOMES, Flávio. Iron Cosmology, Slavery, and Social Control: The Materiality of Rebellion in the Coffee Plantations of the Paraíba Valley, Southeastern Brazil. Journal of African Diaspora Archaeology & Heritage, v. 5, n. 2, p. 174-197, maio/ago, 2016.

SYMANSKI, Luís Cláudio Pereira; SOUZA, Marcos Andre Torres de. O registro arqueológico dos grupos escravos. Questões de visibilidade preservação. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 33, p. 215-243, jan./dez. 2007.

SYMANSKI, Luís Cláudio Pereira; SUGUIMATSU, Isabela; GOMES, Flávio. Práticas de descarte de refugo em uma plantation escravista: o caso da fazenda do Colégio dos Jesuítas de Campos dos Goytacazes. Revista de Arqueologia, v. 28, n. 1, p. 93-122, jan./jun. 2015.

TEIXEIRA, Rodrigo Corrêa. História dos ciganos no Brasil. Recife: Núcleo de Estudos Ciganos, 2008.

VILHENA, Luís dos Santos. Planta da cidade de S. Sebastião do Rio de Janeiro. 1 planta ms, col., desenho a bico de pena, 32,5 x 27cm em f. 58 x 93. 1775.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v18i1.7983

Direitos autorais 2020 Anderson Marques Garcia, Gina Faraco Bianchini, Diogo de Souza Borges, Henrique Vences Barros, Silvia Puccioni, Maria Dulce Gaspar

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.