A COLÔNIA NACIONAL AGRÍCOLA CACHOEIRA DE ILHÉUS, SÉCULO XIX

Ayalla Oliveira Silva

Resumo


Na segunda metade do século XIX, no sul da Bahia, o governo provincial e os particulares estavam envolvidos em expandir a fronteira agrícola e de ocupação. Contudo, a região era habitada pelos Camacã, Botocudo e Pataxó e parte deles impunha resistência ao avanço da colonização em seus territórios. Nesse processo, foi criada a colônia nacional agrícola Cachoeira de Ilhéus na estrada que ligava a vila de Ilhéus à vila da Vitória, comarcas de Ilhéus e Caetité, respectivamente, como parte de uma política de ‘colonização indígena’ alternativa às missões religiosas destinadas à catequização dos índios. A colônia Cachoeira tinha como papéis centrais: pacificar a região da presença indígena, facilitar o comércio e o acesso de colonos à região. Objetivo, portanto, empreender uma abordagem acerca da prática da colônia Cachoeira de Ilhéus enquanto experiência indigenista, contexto no qual era central a atuação dos frades capuchinhos italianos

Palavras-chave


Sul da Bahia; Século XIX; Colonização indígena; Capuchinhos italianos

Texto completo:

PDF

Referências


ADAN, Caio Figueiredo Fernandes. Colonial Comarca de Ilhéus: Soberania e Territorialidade na América Portuguesa (1763-1808). Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal da Bahia: Salvador, 2009.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses indígenas: Identidade e cultura nas aldeias do Rio de Janeiro. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

AMOROSO, Marta. Catequese e Evasão: Etnografia do Aldeamento Indígena São Pedro de Alcântara, Paraná (1855-1895).Tese (Doutorado em Antropologia). Universidade de São Paulo, 1998.

AMOROSO, Marta. Terra de índio: imagens em aldeamentos do Império. São Paulo: Terceiro Nome, 2014.

CAMPOS, João da Silva. Crônicas da Capitania de São Jorge dos Ilhéus. 3ª ed. Ilhéus: Editus, 2006.

FALCÓN, Gustavo Aryocara de Oliveira. Os coronéis do cacau: Raízes do mandonismo político em Ilhéus, 1890-1930. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal da Bahia: Salvador, 1983.

GARCEZ, Angelina Nobre Rolin. Mecanismos de formação da propriedade cacaueira do eixo Itabuna/Ilhéus, 1890-1930: Um estudo de História Agrária. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal da Bahia: Salvador, 1977.

GONÇALVES, Graciela Rodrigues. As secas na Bahia do século XIX: sociedade e política. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal da Bahia: Salvador, 2000.

LYRA, Henrique Buckingham. A ‘crise’ de mão-de-obra e a criação de colônias agrícolas na Bahia: 1850-1889. In: DIAS, Marcelo Henrique; CARRARA, Ângelo Alves (orgs.). Um lugar na história: a capitania e comarca de Ilhéus antes do cacau. Ilhéus: Editus, 2007, p. 233-305.

MACHADO, Paulo Pinheiro. A política de colonização do Império. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1999.

MAHONY, Mary Ann. The World Cacao Made: Society, Politics and History, in Southern Bahia, Brazil, 1822-1919. Dissertation of the degree of (Doctor of Philosophy). Yale University. United States, 1996.

MAHONY, Mary Ann. “Instrumentos necessários” escravidão e posse de escravos no sul da Bahia no século XIX, 1822-1889. Afro-Ásia. Universidade Federal da Bahia, n. 25-26, 2001.

MARCIS, Teresinha. A integração dos índios como súditos do Rei de Portugal: uma análise do projeto, dos autores e da implementação na capitania de Ilhéus, 1758-1822. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal da Bahia: Salvador-BA, 2013.

MATTOS, Izabel Missagia de. Civilização e revolta: os Botocudos e a catequese na Província de Minas. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2004.

MONTEIRO, John Manuel. Tupis, Tapuias e Historiadores: Estudos de História Indígena e do Indigenismo. Tese (Livre docência). Campinas: Unicamp, 2001.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Deslegitimação das diferenças étnicas, “cidanização” e desamortização das terras de índios: notas sobre liberalismo, indigenismo e leis agrárias no México e no Brasil na década de 1850. Revista Mundos do Trabalho, vol. 4, n. 8, julho-dezembro de 2012.

NACIF, Paulo Gabriel Soledade. Ambientes naturais da bacia hidrográfica do rio Cachoeira, com ênfase aos domínios pedológicos. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas). Universidade Federal de Viçosa: Minas Gerais, 2000.

PARAÍSO, Maria Hilda Baqueiro. O tempo da dor e do trabalho: a conquista dos territórios indígenas nos sertões do leste. Salvador: Edufba, 2014.

REGNI, Vittorino Pietro. Os capuchinhos na Bahia: uma contribuição para a história da Igreja no Brasil. Tradução: Agatângelo de Crato. Vol 2. Editora Palloti: Salvador, 1988.

Senado Federal. Decreto nº 426 de 24 de julho de 1845. Publicação original: Coleção de Leis do Império do Brasil de 31/12 de 1845, vol. 001: http://legis.senado.leg.br/norma/387574. Consultado em 24 de fevereiro de 2017. 22:10 hrs.

SILVA, Ayalla Oliveira. Ordem imperial e aldeamento indígena: camacãs, guerens e pataxós no Sul da Bahia. Ilhéus: Editus, 2017.

SILVA, Ayalla Oliveira. A colônia nacional Cachoeira de Ilhéus: expansão agrícola, colonização e indigenismo no sul da Bahia na segunda metade do século XIX. Memoria del 56º Congreso Internacional de Americanistas. Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca, 2018, p. 1393-1402.

TEIXEIRA, Vagner, A.; COELHO, M.F.B.; MING, L.C. Poaia [Psychotria ipecacuanha (Brot.) Stoves]: aspectos da memória cultural dos poaieiros de Cáceres - Mato Grosso, Brasil. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, v.14, n. 2, p.335-343, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v17i2.7650

Direitos autorais 2020 Ayalla Oliveira Silva

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.