MODOS DE VIVER: A ADMINISTRAÇÃO PORTUGUESA E A LEGISLAÇÃO INDIGENISTA NA AMAZÔNIA (1680 – 1757)

André Luís Bezerra Ferreira

Resumo


Este trabalho analisa a relação da administração portuguesa e a implantação da legislação indigenista na Amazônia, entre os anos de 1680-1757. Busco compreender como a promulgação das diversas leis que regulamentaram as formas de arregimentação da mão de indígena, livre ou escrava e suas inserções nas dinâmicas coloniais, se constituiu em um modus vivendi entre os missionários, autoridades administrativas, moradores e os próprios nativos.

Palavras-chave


Colonização; Leis; Índios; Amazônia

Texto completo:

PDF

Referências


ABN. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Divisão de obras e raras e publicações. Livro Grosso do Estado do Maranhão. s. d. v. 66 e 67.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

ARENZ, Karl Heinz. Além das doutrinas e rotinas: índios e missionários nos aldeamentos jesuíticos da Amazônia portuguesa (séculos XVII-XVIII). Revista História e Cultura, Franca, v. 3, n. 2, p. 63-88, 2014. p. 67.

ARENZ, Karl Heinz. Do Alzette ao Amazonas: vida e obra do padre João Felipe Bettendorff (1625-1698). Revista de Estudos Amazônicos, Belém, v. 5, p. 25-78, n. 2010.

ARENZ, Karl Heinz. Entre supressão e consolidação: os aldeamentos jesuíticos na Amazônia Portuguesa (1661-1693). In: ALMEIDA, Suely Creuza Cordeiro de; SILVA, Gian Carlo de Melo et al. (org.). Políticas e estratégias administrativas no Mundo Atlântico. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2012. p. 328-333.

ARENZ, Karl Heinz; MATOS, Frederik Luizi. Fazer sair das selvas: índios e missionários na Amazônia (século XVII). Boletim Tempo Presente, Rio de Janeiro, v. 5, p. 29-49, 2015.

AZEVEDO, João Lúcio de. Os Jesuítas no Grão-Pará: suas missões e a colonização. Lisboa: Tavares Cardoso & Irmão, 1991.

BIBLIOTECA PÚBLICA DE ÉVORA. BPE. Carta Real ao governador demarcando novamente os distritos a cada religião. Lisboa, 19/03/1693. Cód. CXV/2-18. Fls. 178r-180r.

BIBLIOTECA PÚBLICA DE ÉVORA. BPE. Cód. CXV/2-12. Fls. 2-3 e 11-12 (§ 2 e 21).

BOMBARDI, Fernanda. Pelos interstícios do olhar do colonizador: descimento de índios no Estado do Maranhão e Grão-Pará (1680-1750). Dissertação. Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2014.

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de. Índios Cristãos: a conversão dos gentios na Amazônia portuguesa (1653-1769). Tese. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2005.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Duplicados clamores: queixas e rebeliões na Amazônia colonial (século XVII). Projeto História, São Paulo, n. 33, p. 159-178, dez. 2006.

CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CUNILL, Caroline La negociación indígena en el Imperio ibérico: aportes a su discusión metodológica. Colonial Latin American Review, v. 21, n. 3, dez. 2012, p. 391-412.

DOMINGUES, Ângela. Os conceitos de guerra justa e resgate e os ameríndios do norte do Brasil. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da (org.). Brasil: colonização e escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

FARAGE, Nádia. As muralhas do sertão: os povos indígenas no Rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra; ANPOCS, 1991.

FERREIRA, André Luís Bezerra. Nas malhas das liberdades: o Tribunal da Junta das Missões e o governo dos índios na Capitania do Maranhão. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia. Belém, 2017.

GARCÍA, Rafael Pérez. El laboratorio ibérico de conceptos y prácticas sobre la esclavitud y los mestizajes: diversidad de experiencias, pueblos y cultura. In: PAIVA, Eduardo França; CHAVES, Manuel Fernández; GARCÍA, Rafael Pérez (orgs.). De que estamos falando? Antigos conceitos e modernos anacronismos – escravidão e mestiçagens. Rio de Janeiro: Garamond, 2016.

HERZOG, Tamar Colonial Law and ‘Native Customs’: Indigenous Land Rights in Colonial Spanish America. The Americas. v. 69, n. 3, p. 303-321, jan. 2013.

HESPANHA, António. O antigo regime nos trópicos: Um debate sobre o modelo político do império português. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA; Maria de Fátima. Na trama das redes: políticas e negócios no Império Português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

MATTOS, Hebe. A escravidão moderna nos quadros do Império Português: o antigo regime em perspectiva atlântica. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima; BICALHO, Maria Fernanda (orgs.). O antigo regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

MELLO, Márcia Eliane. Fé e Império: as juntas das missões nas conquistas portuguesas. Manaus: EDUA, 2009a.

MELLO, Márcia Eliane. O regimento das missões: poder e negociação na Amazônia portuguesa. Revista CLIO, Série História do Nordeste, Recife, v. 27, p. 46-75, 2009b.

PAGDEN, Anthony. Povos e impérios: uma história de migrações e conquistas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). História dos índios no Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras/Secretaria Municipal de Cultura, 1992.

REGIMENTO & Leys das Missoens do Estado do Maranham, & Pará. Lisboa: Oficina de Antonio Manescal, 1724.

SCHWARTZ, Stuart. Cada um na sua lei: tolerância religiosa e salvação no mundo atlântico ibérico. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SOUZA JÚNIOR, José Alves de. Negros da Terra e/ou negros da Guiné: trabalho, resistência e repressão no Grão-Pará no período do Diretório. Afro-Ásia, Salvador, n. 43, p. 173-211, 2013.

SOUZA JUNIOR, José Alves. Tramas do Cotidiano: religião, política, guerra e negócios no Grão-Pará do setecentos. Belém: Ed. UFPA, 2012.

SPALDING Karen. The Colonial Indian: past and future research perspectives. Latin American Research Review, v. 7, n. 1, p. 47-76, 1972.

XAVIER, Ângela; SILVA, Cristina Nogueira. Construção da alteridade no império português: temas e problemas. In: XAVIER, Ângela; SILVA, Cristina Nogueira. (orgs.). O governo dos outros: poder e diferença no império português. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais (ICS), 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v17i2.7619

Direitos autorais 2020 André Luís Bezerra Ferreira

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.