ANÁLISE GEOAMBIENTAL DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS NO ESTUÁRIO DO RIO PARÁ, AMAZÔNIA

Paulo Roberto do Canto Lopes, Cristina do Socorro Fernandes de Senna, Ivete Maria Herculano do Nascimento, Maria de Lourdes Pinheiro Ruivo, José Gouvea Luiz

Resumo


A pesquisa foi realizada no estuário do Rio Pará, nos sítios arqueológicos Bittencourt, Alunorte, Jambuaçu, localizados, respectivamente, nos municípios paraenses de Abaetetuba, Barcarena e Moju. Baseou-se em análises de fontes escritas, iconográficas, orais, além de pesquisas geofísicas e pedológicas, subsidiando os mapeamentos e as escavações arqueológicas, relacionando aspectos ambientais à ocupação humana no período pré-colombiano, onde as práticas de uso de recursos vegetais, animais e do solo para subsistência eram correntes. Os sítios arqueológicos pesquisados apresentaram características espaciais, temporais e culturais associadas a cerâmica Tupiguarani, relacionado a agricultura de subsistência e possível manejo de espécies vegetais.

Palavras-chave


Amazônia; Arqueologia; Ações Antrópicas

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SABER, A. N. Brasil, paisagens de exceção: o litoral e o Pantanal mato-grossense, patrimônios básicos. Cotia: Ateliê, 2006.

AITKEN, M. J. Physics and Archaeology. New York: Interscience, 1961.

ALVES, J. J. A. Métodos Geofísicos Aplicados à Arqueologia no Estado do Pará. Dissertação (Mestrado). Pós-Graduação em Ciências Geofísicas e Geológicas, Universidade Federal do Pará, 1979.

ALVES, J. J. A., LOURENÇO, J. S. Métodos geofísicos aplicados à arqueologia no Estado do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, v. 26, p. 1-52, 1981.

BUTZER, K.W. Arqueología – una ecología del hombre: método y teoría para un enfoque contextual. Barcelona: Ediciones Bellaterra, 1989.

CANTO, P. (Org.). Patrimônio do nosso meio. Programa de Arqueologia Preventiva da Companhia de Alumina do Pará: municípios de Barcarena e Abaetetuba. Belém: Ed. Açaí, 2012.

HODDER, I. New generations of partial analysis in archeology in arqueología espacial. Coloquio sobre Distribución y Relaciones entre los Asentamientos. p. 07-24, Teruel, 1984.

HODDER, I. Theory and Practice in Archaeology. London: Routledge, 1996.

KERN, D. C. Caracterização pedológica de solos com terra preta arqueológica na região de Oriximiná, PA. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Solos. Curso de Pós-graduação em Agronomia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1988.

KERN, D. C. Geoquímica e Pedogeoquímica de sítios arqueológicos com terra preta na Floresta Nacional de Caxiuanã. Portel, Pará. Tese (Doutorado) - Pós-Graduação em Ciências Geofísicas e Geológicas. Universidade Federal do Pará, 1996.

KERN, D. C., KAMPF, N. O efeito dos antigos assentamentos indígenas na formação dos solos de terra preta arqueológica na Região de Oriximiná, Pa. In: Revista Brasileira de Ciências do Solo, Viçosa, v.13, p. 25-219, 1989.

KERN, D. C.; GLASER, B.; WORDS, W. I.; LEHMANN, J. Amazonian dark earths: origin, properties and management. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers. p. 179-201, 2003.

LEMOS, R. C.; SANTOS, R. D. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 4. ed. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2002.

LIGHTFOOT, K. G. Culture contact studies: redefining the relationship between prehistoric and historical archaeology. American Antiquity, v. 60, n. 2, 1995.

LOPES, P. R. C. Caracterização do modo de vida dos sambaquieiros que ocuparam o litoral paraense. Quatipuru, Pará, Brasil. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Rio de Janeiro, 2016.

LOPES, P. R. C. et al. Programa de Arqueologia preventiva na área do Projeto Bauxita Paragominas, PA. Museu Paraense Emilio Goeldi, 2008. (Relatório Final).

LOPES, P. R. C.; LOPES, L. O. C. (org.). Novas abordagens em arqueologia preventiva: sítios arqueológicos Bittencourt, Alunorte e Jambuaçu. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi; Vale, 2009.

MARTÍNEZ, V.; ZAPATERO, G. El Análisis de territorios arqueológicos: una introducción crítica in arqueología espacial. Coloquio sobre distribución y relaciones entre los asentamientos, p. 55-71, Teruel, 1984.

MENEZES, Upiano Toledo Bezerra de. Premissas para a formulação de políticas públicas em arqueologia. In: LIMA, Tânia Andrade (org.), Patrimônio arqueológico: o desafio da preservação. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, n. 33, p. 36-57, 2007.

MUNSELL. Munsell soil colors charts. Baltimore, [s. e.], 1975.

NASCIMENTO, I. Tempo da natureza e tempo do relógio: tradição e mudança em uma comunidade pesqueira. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, v. 11, n. 1, p. 05-18, 1995.

RENFREW, C.; BAHN, P. Arqueología: teorías, métodos y práctica. Madri, 1993.

ROOSEVELT, A. C. Moundbuilders of the Amazon: geophysical archaeology on Marajo Island, Brazil. San Diego: Academic Press, 1991.

RUIVO, M. L. P. et al. Aspectos morfopedoarqueologicos dos solos em três sítios arqueológicos na região das ilhas no Nordeste Paraense. In: Geoarqueologia na América do Sul, editado por RUBIN, J. C. R.; DUBOIS, C. M. F.; SILVA, R. T. Goiânia: Editora da PUC Goiás, 2015.

SALGADO Labouriau, M. L.; RULL, V. A method of introduction exotic pollen for palaeoecological analysis of sediments. Review of Palaeobotany and Palynology v. 47, p. 97-103, 1986.

SENNA, C. S. F. et al. Paleoambientes e ocupação humana pré-histórica do estuário do Rio Pará, Amazônia, no último milênio. In: CONGRESSO LATINO AMERICANO DE CIÊNCIAS DO MAR, 12. (COLACMAR), Florianópolis, 2007.

SENNA, C. S. F. Geografia e arqueologia: análise espacial e contextual de sítios arqueológicos no estuário amazônico. Geousp. In: Espaço e Tempo, v. 20, n. 2, p. 2238-249, 2016.

SENNA, C. S. F.; LOPES, P. R. C. Conservação do patrimônio arqueológico no estuário amazônico no âmbito do Projeto Bauxita Paragominas, PA. In: COLOQUIO INTERNACIONAL DE GEOCRÍTICA, 10., 2008. Disponível em: http://www.ub.es/geocrit/-xcol/355.htm.

SMITH, N. J. H. Anthrosols and human capacity in Amazônia. Annals of de association of American Geographes, v. 70, n. 4, p. 66-553, 1980.

SOMBROEK, W. Amazon soils: a reconnaissance of the soils of the brazilian Amazon Region. Wageningen: Center of Agricultural Publications and Documentation, 1966.

SOUZA, Alfredo Mendonça de. Dicionário de arqueologia. Rio de Janeiro: Associação de Docentes da Estácio de Sá, 1997.

WOODS, W. I.; MCCANN, J. M. The Anthopogenic origin and persistenc of amazoniam dark eaths. In: CONFERENCE OF LATIN AMERICANIST GEOGRAPHERS, v. 25, p. 7-14, 1999.

YBERT, J. P. et al. Sugestões para padronização da metodologia empregada em estudos palinológicos do Quaternário. Revista do Instituto Geológico, v. 13, p. 47-49, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v17i2.7613

Direitos autorais 2020 Paulo Roberto do Canto Lopes

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.