NAS ILHAS DO RIO “OPARÁ” SE FEZ MISSÕES, OROCÓ - PE

Jéssica Rafaella de Oliveira, Leandro Domingues Duran

Resumo


No início da “colonização” portuguesa, o vale do Rio ‘Opará’, posteriormente batizado por esses como ‘São Francisco’ era habitado por diversos povos indígenas, e é por meio de relatos dos viajantes e missioneiros que podemos obter as primeiras informações sobre seus assentamentos e modo de vida. O espaço indígena no médio São Francisco, quando da chegada do colonizador, era constituído por populações genericamente denominadas pelos cronistas de Tapuias e Cariris. As catequizações na região foram iniciados por volta do século XVII, as primeiras Missões datam de 1671. A Ilha de Santa Maria, palco de um grande aldeamento que prosperou durante os séculos XVII e XVIII, sendo que essa unidade insular ainda possui em ruinas parte de seu antigo parque arquitetônico, notadamente seu principal equipamento religioso. A presente pesquisa se volta aos estudos de contato e das Missões religiosas, buscando reconhecer o papel do indígena, dentro de um processo de ‘transculturação’ e como agentes ativos nas construções sociais.

Palavras-chave


Missões; Arqueologia Missioneira; Rio São Francisco; Orocó; Pernambuco.

Texto completo:

PDF

Referências


APOLINÁRIO JUNIOR, José Antônio. Documentos e instrumentos de pesquisa de História Indígena e do Indigenismo d'Aquém e d'Além-Mar Atlântico: uma discussão “necessária, urgente e inadiável. São Paulo: Anpuh, 2011.

ALMEIDA, Luís Sávio de. Índios do Nordeste: temas e problemas 4. Maceió: Edufal, 2004.

AMOROSO, Marta. Natureza e sociedade nos aldeamentos indígenas do império: diálogos da ordem menor dos frades capuchinhos com a história natural. Revista de História, São Paulo, p. 271-301, 2010.

BARBOSA, Bartira Ferraz. Paranambuco: Poder e herança indígena. Recife: ed. Universidade Federal de Pernambuco, 2007.

CARVALHO JÚNIOR, Almir Diniz de. Índios cristãos no cotidiano das colônias do norte (séculos XVII e XVIII). Revista de História, São Paulo, n. 168, p. 69-99. jan./jun. 2013.

CHAMORRO, Graciela. Contribuições para a história indígena contemporânea. Revista História em Reflexão, Dourados, v. 3, n. 6, jul./dez. 2009.

CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

COSTA, Francisco Augusto Pereira da. Anais de Pernambuco. Recife-PE. FUNDARPE. 2. ed. 1983.

GONÇALVES, Esmeraldo Lopes. OPARA – Formação Histórica e Social do Submedio São Francisco. Petrolina: Gráfica Franciscana, 1997.

HALFELD, Henrique Guilherme Fernando. Relatório concernente a exploração do rio São Francisco: desde a cachoeira a Pirapora até o Oceano Atlântico. 2. ed. Rio de Janeiro: Empresa das Arte, 1860.

GALINDO, Marcos. O governo das almas, a expansão colonial no país dos Tapuia. 1651 – 1798. Tese (Doutorado em História) - Ed. Leiden - Universiteit Leiden, 2004.

GARCIA, Lorena Luana Wanessa Gomes. Arqueologia na região dos interflúvios Xingu-Tocantins. A ocupação Tupi no Cateté. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, 2012.

LIMA, Tania Andrade. Arqueologia Histórica no Brasil: balanço bibliográfico (1960-1991). Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, v. 1, n. 1, p. 225-262, jan. 1993.

MEDEIROS, Ricardo Pinto de. Política indigenista do Período Pombalino e seus reflexos nas capitanias do norte da América Portuguesa. In: OLIVEIRA, C.M.S.; MEDEIROS, R.P.M. (org.). Novos olhares sobre as capitanias do Norte do Estado do Brasil. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2007, p. 125-159.

MEDEIROS, Ricardo Pinto de; MUTZENBERG, Demétrio. Cartografia histórica das relocações indígenas nas ilhas do Submédio São Francisco no período pombalino. Revista Ultramares, v. 05, p. 01-19, 2014.

NANTES, Pe Martinho. de. Relação de uma missão no Rio São Francisco. Tradução e Comentários de Barbosa Lima Sobrinho. São Paulo: Companhia Editorial Nacional – MEC, 1979.

MELATTI, Júlio Cézar. Índios do Brasil. São Paulo: Edusp, 2007.

MONTEIRO, João Manuel. Negros da terra; índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. 1. ed. São Paulo: Companhia Das Letras, 1995.

MONTEIRO, João Manuel. Armas e Armadilhas: história e resistência dos índios. In: NOVAES, Adalto (org.). A outra margem do ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

PASQUALE, Petrone. Aldeamentos Paulistas. São Paulo: Edusp, 1995.

PIRES, Maria Idalina da Cruz. A Guerra dos Bárbaros – Resistência e conflitos no nordeste colonial. Recife: UFPE, 2002.

PILETTI, Nelson. História do Brasil. São Paulo: Ed. Ática, 1996.

SYMANSKI, Luís Claudio Pereira. Arqueologia Histórica no Brasil: uma revisão dos últimos 20 anos. In: MORALES, Walter Fagundes; MOI, Flavia Prado (org.). Cenários Regionais em Arqueologia Brasileira. 1. ed. São Paulo: Annablume, 2009. p. 279-310.

SILVA, Jacionira Coelho. Arqueologia no Médio São Francisco indígenas, vaqueiros e missionários. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v18i1.7428

Direitos autorais 2020 Jéssica Rafaella Oliveira, Leandro Domingues Duran

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 12/08/2021)

Fonte: Google Analytics.