OS PURI NO SUL DO ESPÍRITO SANTO: OCUPAÇÃO, TERRITORIALIZAÇÃO E TRABALHO COMPULSÓRIO

Tatiana Gonçalves de Oliveira, Henrique Antônio Valadares Costa

Resumo


Este artigo procura refletir sobre os processos de dispersão e ocupação Puri no território da Capitania e depois Província do Espírito Santo, a partir do diálogo entre Arqueologia e História. Além disso, nos interessa compreender as consequências da territorialização dos índios Puri no Aldeamento Imperial Afonsino, entre 1845 e 1860. Procuramos demonstrar como o trabalho compulsório imposto àqueles aldeados era uma forma de precarização de sua liberdade, que se traduzia no uso forçado da sua mão de obra em diversos serviços públicos. Não obstante toda essa violência nas relações de contato, procuramos evidenciar os modos de resistências que foram acionados por esses indígenas para viverem e sobreviverem às experiências coloniais nas quais estavam inseridos.

Palavras-chave


Puri; Trabalho Compulsório; Aldeamentos; Arqueologia; História.

Texto completo:

PDF

Referências


ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (APEES). Correspondências relativas à colonização e catequese, 1848, p. 8-26. Fundo Governadoria, série 751, livro 387.

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (APEES). Correspondências relativas à colonização e catequese, 1852, p. 26. Fundo Governadoria, série 751, livro 387.

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (APEES). Relatório do Barão de Itapemirim ao presidente da província Pedro Leão Velloso. 12 de março de 1859. Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u130/000002.html . Acesso em: 30 jun. 2017.

BIBLIOTECA NACIONAL DIGITAL. Jornal Correio da Victoria. Vitória, n. 38, 26 de maio de 1849, p. 4. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=218235. Acesso em: 4 set. 2017.

BÓRMIDA, Marcelo. Los Gê, panorama etnológico. Revista del Instituto de Antropología de la Universidad Nacional de Córdoba, v. 2, n. 3, p. 135-176, 1965.

BRASIL. Regulamento acerca das Missões de catequese e civilização dos índios (Decreto nº 426 de 24/07/1845). Coleção de Leis do Império do Brasil de 31/12/1845. v. 1.

CASAGRANDE, André Dell'orto; BARBIERO, Maria Helena Mion. Castelo da pré-história ao início do século XX. Vitória: Prograf, 2012.

CASAL, Manuel Aires de. Corografia brasílica ou relação histórico-geográfica do Reino do Brazil. Rio de Janeiro: Impressão Regia, 1817.

COELHO, D. Derrota feita da Capitania do Espirito Santo para a de Minas Geraes comessada a 12 de abril de 1814. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 10, n. 1, p. 45–54, 1905.

COSTA, Henrique Antônio Valadares. Um pouco da história e da cultura PURI. In: BENTIVOGLIO, Júlio (org.). História dos povos indígenas do Espírito Santo. Serra: Editora Milfontes, 2017.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Índios no Brasil: História, direitos e cidadania. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

DEMONER, Sonia Maria. A presença de missionários capuchinhos no Espírito Santo - século XIX. Vitória, FCAA, 1983.

EHRENREICH, Paul (1886). Os Puris do Leste do Brasil. Tradução de Julio Bentivoglio & Marcelo Durão Rodrigues da Cunha. In: BENTIVOGLIO, Júlio (org.). História dos povos indígenas do Espírito Santo. Serra: Editora Milfontes, 2017.

FUNAI. O Brasil indígena. Disponível em: www.FUNAI.gov.br. Acesso em: 12 maio 2019.

HENRIQUES JÚNIOR, Gilmar Pinheiro; NEVES, Eduardo Góes. Arqueologia regional da Província Cárstica do Alto São Francisco. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/71/71131/tde-23012007-150503/. Acesso em: 12 maio 2019.

INSTITUTO BRASILIEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico 2010: característica geral dos indígenas - Resultado do Universo. Censo Demográfico 2010, p. 1-244, 2010.

KNIVET, Antonio. Notavel viagem que, no ano de 1591 e seguintes, fez Antonio Knivet, da Inglaterra ao mar do sul, em companhia de Thomas Candish. Revista Trimensal do Instituto Historico Geographico e Ethnographico do Brazil, v. XIL, p. 295–390, 1878.

LITTLE, Paul Elliott. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Anuário Antropológico, Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2004.

LOWIE, Robert Harry. Eastern Brazil: an introduction. Washington: 1946. (Nota técnica).

LUFT, Vlademir José. Da história à pré-história: as ocupações das sociedades Puri e Coroado na Bacia do Alto Rio Pomba (o caso da Serra da Piedade). 2000. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.

METRAUX, Alfred. The Puri-Coroado linguistic family. In: STEWARD, Julian. (ed.). Handbook of South American Indians. Washington: U.S. Governament, 1946.

MICHEL, Johann. Podemos falar de uma política do esquecimento? Revista Memória em Rede, Pelotas, v. 2, n. 3, ago./nov. 2010.

MOREIRA NETO, Carlos de Araújo. Os índios e a ordem imperial. Brasília: CGDOC/FUNAI, 2005.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. A guerra contra os Índios Botocudos e a formação de quilombos no Espírito Santo. Afro-Ásia (UFBA, Impresso). v. 41, p. 57-83, 2010a.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. A serviço do Império e da nação: trabalho indígena e fronteiras étnicas no Espírito Santo (1822-1860). Anos 90 (UFRGS. Impresso), v. 17, p. 13-54, 2010b.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Espírito Santo indígena: conquista, trabalho, territorialidade e autogoverno dos índios, 1798-1860. Vitória: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2017.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Reinventando a autonomia: Liberdade, propriedade, autogoverno e novas identidades indígenas na capitania do Espírito Santo 1535-1822. São Paulo: Humanitas, 2019.

NOELLI, Francisco Silva; FERREIRA, Lúcio Menezes. A persistência da teoria da degeneração indígena e do colonialismo nos fundamentos da arqueologia brasileira. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, p. 1239-1264, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702007000400008&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 12 maio 2019.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos índios misturados? Situação colonial, territorializacão e fluxos culturais. Mana, v. 4, n. 1, p. 47-78, 1998.

PARAÍSO, Maria Hilda Barqueiro. O tempo da dor e do trabalho: a conquista dos territórios indígenas nos sertões do leste. Salvador: Edufba, 2014.

PEROTA, Celso. Dados parciais sobre a arqueologia Espirito-Santense. In: Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas - P. Avulsas 26. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, 1974.

PEROTA, Celso. Resultados preliminares sobre a arqueologia da região Central do Estado do Espírito Santo. In: Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas - P. Avulsas. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, 1971.

PROUS, A. Arqueologia brasileira. Brasília, DF: EdUnB, 1992.

RAMIREZ, Henri; VEGINI, Valdir; FRANÇA, Maria Cristina Victorino de. Koropó, puri, kamakã e outras línguas do Leste brasileiro : revisão e proposta de nova classificação. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, v. 15, n. 2, p. 223 - 277, 26 set. 2015.

RIBEIRO, Eduardo Rivail. Tapuya connections: language contact in eastern Brazil. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, v. 9, n. 1, p. 61-76, 1 jun. 2009.

RUGENDAS, Johann Moritz. Viagem pitoresca através do Brasil (1835). São Paulo: Edusp; Belo Horizonte: Itatiaia, 1999.

SAMPAIO, Patrícia. Nos confins do Império: diversidade e etnicidade no mundo do trabalho na Amazônia do século XIX. In: XAVIER, Giovana (org). Histórias da escravidão e do pós-abolição para escolas. Belo Horizonte: Fino Traço Editora; Rio de Janeiro: MC&G Editorial; Brasília: MEC, 2015, p. 179-194.

SEDA, Paulo Roberto Gomes; MACHADO, Christiane Lopes; SENE, Gláucia Malerba; SILVA, Laura da Piedade Ribeiro da. Do cerrado ao mar: a tradição una no litoral do Espírito Santo. Maracanã, v. 7, n. 7, p. 55-82, janeiro de 2011.

SOUZA, Alfredo Mendonça de. Dicionário de Arqueologia. Rio de Janeiro: Adesa, 1997.

SPIX, Johann Baptist von; MATIUS, Karl von. Viagem pelo Brasil (1817-1820). São Paulo: Edusp; Belo Horizonte: Itatiaia, 1981.

URBAN, Greg. A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In: CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. v. 1. 611p.

VASCONCELLOS, João José de Sepulveda e. Carta da província do Espírito Santo: com parte da província de Minas que lhe está adjacente. Rio de Janeiro, RJ: Lith. Imperial de Rensbury, 1856. 1 mapa, 43 x 49cm. sobre folha 52 x 58. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_cartografia/cart528776/cart528776.jpg. Acesso em: 15 ago. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v17i2.7325

Direitos autorais 2020 Tatiana Gonçalves Oliveira, Henrique Antônio Valadares Costa

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.