POR POLÍTICAS PARA A GESTÃO E MUSEALIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO: UMA ESCALA DE SENTIDOS

Carlos Alberto Santos Costa

Resumo


Neste artigo abordo os sentidos e princípios relacionados à preservação do patrimônio arqueológico, tomando como base o cenário brasileiro e tendo como implícito a inexistência de políticas de gestão e musealização. Inicialmente, discorro sobre as noções de “política”, “gestão”, “museu”, “musealização” e “patrimônio arqueológico”, para estabelecer um patamar comum de compreensão sobre o tema. Na sequência, apresento diferentes esferas de sentidos à preservação desse patrimônio, expressas pelas dimensões: sociocultural; técnica e acadêmica; patrimonial; política-acadêmica; institucional; e regional; além dos aspectos normativos. Para cada dimensão e para o aspecto normativo, foram apresentados princípios, os quais se configuram como o esboço das políticas. O chamado para essa discussão decorre da necessidade de haver consciência dos processos de preservação do patrimônio arqueológico.

Palavras-chave


Patrimônio arqueológico; Política; Gestão; Musealização; Significados.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Rodrigo Melo Franco de. Rodrigo e o Sphan: coletânea de textos sobre o patrimônio cultural. Rio de Janeiro: MinC/Fundação Pró-Memória, 1987.

BEZERRA DE MENESES, Ulpiano Toledo. A exposição museológica: reflexões sobre pontos críticos na prática contemporânea. Ciências em Museus, Belém, n. 4, p. 103-120, 1992.

BEZERRA DE MENESES, Ulpiano Toledo. Prefácio. In: CARVALHO, Vânia. Gênero e artefato: sistema doméstico na perspectiva da cultura material. São Paulo: Edusp; Fapesp, 2008. p. 11-14.

BEZERRA, Márcia. Bicho de nove cabeças: os cursos de graduação e a formação de arqueólogos no Brasil. Revista de Arqueologia, Belém, v. 21, n. 2, p. 139-154, ago./dez., 2008.

BRASIL. Decreto-Lei nº 25, de 30 de novembro de 1937. Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Publicado no DOU de 6/12/1937.

BRASIL. Lei federal nº 3.924, de 26 de julho de 1961. Dispõe sobre os monumentos arqueológicos e pré-históricos. Publicado no DOU de 27/7/1961 e retificado em 28/7/1961.

BRASIL. Lei federal nº 7.287, de 18 de dezembro de 1984. Dispõe sobre a Regulamentação da Profissão de Museólogo. Publicado no DOU de 19/12/1984 e retificado em 21/12/84.

BRASIL. Decreto federal nº 91.775, de 15 de outubro de 1985. Regulamenta a Lei nº 7.287, de 18 de dezembro de 1984, que dispões sobre a profissão de Museólogo e autoriza a criação do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais de Museologia. Publicado no DOU de 16/10/1985.

BRASIL. Lei federal nº 7.347, de 24 de julho de 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico e dá outras providências. Publicado no DOU de 25/7/1985.

BRASIL. Resolução Conama nº 01, de 23 de janeiro de 1986. Dispõe sobre o licenciamento ambiental de obras do setor de geração de energia elétrica. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res0186.html

BRASIL. Lei federal nº 7.542, de 26 de setembro de 1986. Dispõe sobre a pesquisa, exploração, remoção e demolição de coisas ou bens afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas sob jurisdição nacional, em terreno de marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, em decorrência de sinistro, alijamento ou fortuna do mar, e dá outras providências. Publicado no DOU de 29/9/1986 e retificado em 25/3/1987.

BRASIL. Resolução Conama nº 06, de 16 de setembro de 1987. Dispõe sobre o licenciamento ambiental de obras do setor de geração de energia elétrica. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=57

BRASIL. Lei federal nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1988. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Publicado no DOU de 13/2/1998 e retificado em 17/2/1998.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 85/2015 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 1988.

BRASIL. Portaria Minc/Sphan nº 07, de 01 de dezembro de 1988. Estabelece procedimentos para a comunicação prévia, às permissões e às autorizações para pesquisas e escavações arqueológicas em sítios arqueológicos previstos na Lei nª 3.924, de 26 de julho de 1961.

BRASIL. Portaria Interministerial nº 69, de 23 de janeiro de 1989. Aprova normas comuns sobre a pesquisa, exploração, remoção e demolição de coisas ou bens de valor artístico, de interesse histórico ou arqueológico, afundados, submersos, encalhados e perdidos em águas sob jurisdição nacional, em terrenos de marinha e seus acrescidos e em terrenos marginais, em decorrência de sinistro, alijamento ou fortuna do mar.

BRASIL. Lei federal nº. 8.987, de 13 de fevereiro de 1995. Dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos previstos no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. Republicado no DOU de 14/2/1995.

BRASIL. Decreto federal nº 3.551, de 4 de agosto de 2000. Institui o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro, cria o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial e dá outras providências. Publicado no DOU de 7/8/2000.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 230, de 17 de dezembro de 2002 (revogada). Compatibiliza as fases de obtenção de licenças ambientais com os estudos arqueológicos.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 28, de 31 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a solicitação da renovação de licença ambiental de operação com reservatórios de empreendimentos hidrelétricos de qualquer tamanho ou dimensão dentro do território nacional.

BRASIL. Decreto federal nº 5.753, de 12 de abril de 2006. Promulga a Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, adotada em Paris, em 17 de outubro de 2003, e assinada em 3 de novembro de 2003. Publicado no DOU de 13/4/2006.

BRASIL. Decreto nº 5.753, de 12 de abril de 2006. Promulga a Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, adotada em Paris, em 17 de outubro de 2003, e assinada em 3 de novembro de 2003. 2006.

BRASIL. Lei federal nº 11.483, de 31 de maio de 2007. Dispõe sobre a revitalização do setor ferroviário, altera dispositivos da Lei no 10.233, de 5 de junho de 2001, e dá outras providências. Publicado no DOU de 31/5/2007.

BRASIL. Decreto federal nº 6.844, de 7 de maio de 2009 (revogado). Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, e dá outras providências. Publicado no DOU de 8/5/2009.

BRASIL. Lei federal nº 11.904, de 14 de janeiro de 2009. Institui o Estatuto de Museus e dá outras providências. Publicado no DOU de 15/1/2009.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 127, de 30, de abril de 2009. Estabelece a chancela da Paisagem Cultural Brasileira.

BRASIL. Lei federal nº 11.906, de 20 de janeiro de 2009. Cria o Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM, cria 425 (quatrocentos e vinte e cinco) cargos efetivos do Plano Especial de Cargos da Cultura, cria Cargos em Comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS e Funções Gratificadas, no âmbito do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. Publicado no DOU de 21/1/2009.

BRASIL. Lei federal nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Publicado no DOU de 18/11/2011.

BRASIL. Portaria Interministerial nº 419, de 26 de outubro de 2011 (revogada). Regulamenta a atuação dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal envolvidos no licenciamento ambiental, de que trata o art. 14 da Lei nº 11.516, de 28 de agosto de 2007.

BRASIL. Decreto federal nº 8.124, de 17 de outubro de 2013.

BRASIL. Instrução Normativa nº 001, de 25 de março de 2015. Estabelece procedimentos administrativos a serem observados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional nos processos de licenciamento ambiental dos quais participe. Publicado no DOU de 26/3/2015.

BRASIL. Portaria Interministerial nº 60, de 24 de março de 2015. Estabelece procedimentos administrativos que disciplinam a atuação dos órgãos e entidades da administração pública federal em processos de licenciamento ambiental de competência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis-IBAMA.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 341, de 13 de agosto de 2015. Dispõe sobre a Instituição da Marca de Autorização de Pesquisa Arqueológica.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 137, de 28 de abril de 2016. Estabelece diretrizes de Educação Patrimonial no âmbito do Iphan e das Casas do Patrimônio.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 195, de 18 de maio de 2016. Dispõe sobre procedimentos para solicitação de movimentação de bens arqueológicos em território nacional.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 196, de 18 de maio de 2016. Dispõe sobre a conservação de bens arqueológicos móveis, cria o Cadastro Nacional de Instituições de Guarda e Pesquisa, o Termo de Recebimento de Coleções Arqueológicas e a Ficha de Cadastro de Bem Arqueológico Móvel.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 197, de 18 de maio de 2016. Dispõe sobre Procedimentos para Solicitação de Remessa de Material Arqueológico para Análise no Exterior.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 199, de 18 de maio de 2016. Instituí a Coordenação Técnica Nacional de Licenciamento, no âmbito do Gabinete da Presidência do IPHAN.

BRASIL. Portaria Minc/Iphan nº 200, de 18 de maio de 2016. Dispõe sobre a regulamentação do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial – PNPI.

BRASIL. Decreto federal nº 9.238, de 15 de dezembro de 2017. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, remaneja cargos em comissão e substitui cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS por Funções Comissionadas do Poder Executivo - FCPE. Publicado no DOU de 18/12/2017.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Formas de humanidade: concepção e desafios da musealização. In: BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Cadernos de Sociomuseologia – Museologia e Comunicação, n. 9. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, 1996. p. 55-73.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Musealização da arqueologia: um estudo de modelos para o projeto Paranapanema. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 1999.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Arqueologia e antropofagia: a musealização de sítios arqueológicos. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 31, p. 234-247, 2005.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Musealização da arqueologia: alguns subsídios (texto não publicado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. As futuras gerações têm direito à herança arqueológica? Premissas e desafios dos processos de musealização. In: MACHADO, Gerson; SOUSA, Flávia Cristina Antunes de; STERBACH, Judith (orgs.). Educação patrimonial e arqueologia pública: experiências e desafios. Itajaí: Casa Aberta Editora, 2013. p. 21-39.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Musealização da arqueologia: caminhos percorridos. Revista de Arqueologia, Belém, v. 26/27, n. 2/1, p. 4-15, jul./jun. 2013/2014.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira; ZANETTINI, Paulo Eduardo. O futuro dos acervos. In: Congresso Internacional de Arqueologia da SAB, 9.; Congresso Nacional da SAB, XIV, Florianópolis. Anais [...]. Erechim, Habilis (CDROM), 2007.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo, 32ª ed. Ed. (revista, atualizada e ampliada). São Paulo: Editora: GEN - Atlas, 2018.

CASTRO, Maria Laura Viveiros de; FONSECA, Maria Cecília Londres. Patrimônio imaterial no Brasil. Brasília: Unesco; Educarte, 2008.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 7° ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

COSTA, Carlos Alberto Santos. Proposta de instrumento documental museológico complementar para as coleções arqueológicas do MAE/UFBA. Revista Eletrônica Jovem Museologia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p. 4-23, 2007a.

COSTA, Carlos Alberto Santos. A legalidade de um equívoco: acerca dos processos legais para a guarda de materiais arqueológicos em instituições museais. In: Congresso Internacional de Arqueologia da SAB, 1., XIV Congresso Nacional da SAB, XIV. Anais [...]. Erechim: Habilis (CD-ROM), 2007b.

COSTA, Carlos Alberto Santos. Museologia e arqueologia - parte 1: a materialidade de uma relação interdisciplinar. Revista Museu, 2008.

COSTA, Carlos Alberto Santos. Gestão de acervos arqueológicos: considerações sobre a perspectiva legal. In: MENDONÇA, Elizabete de Castro; SILVA, Junia Gomes da Costa Guimarães e (orgs.). Bens culturais musealizados: políticas públicas, preservação e gestão. Rio de Janeiro: Unirio/Escola de Museologia, 2014. p. 79-87.

COSTA, Carlos Alberto Santos. Um grito de sobrevivência: agenciamento das bases jurídico-legais de endosso institucional para a guarda e pesquisa de acervos arqueológicos e a militância político-acadêmica das comunidades arqueológica e museológica. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 11, n. 2 [19], p. 215-253, jul./dez. 2017.

COSTA, Carlos Alberto Santos. A arma e o golpe de misericórdia: aspectos sobre a legalidade que (des)ampara os museus, instituições de guarda e pesquisa do patrimônio arqueológico. Revista Museologia & Interdisciplinaridade, Brasília, v. 7, n. 13, p. 274-289, jul./dez., 2018.

COSTA, Carlos Alberto Santos; COMERLATO, Fabiana. Sugestões para educação patrimonial em arqueologia por contrato. Canindé – Revista do Museu Arqueológico de Xingó, Aracaju, v. 1, n. 9, p. 195-200, 2007.

COSTA, Carlos Alberto Santos; COMERLATO, Fabiana. Você me daria um “cheque em branco”? Um olhar sobre endosso institucional em projetos de arqueologia. Revista de Arqueologia, Belém, n. 27, n. 2/1, p. 115-131, jul./jun., 2013/2014.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria. Cultura material: interfaces disciplinares da arqueologia e da museologia. Cadernos do CEOM, Chapecó, v. 18, n. 21, p. 75-90, jan./jun., 2005.

DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria. Arqueologia e público: pesquisas e processos de musealização da arqueologia na imprensa brasileira. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 3, n. 1 [3], p. 33-48, 2008.

DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria. Ação educativa em projetos de arqueologia por contrato. In: DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria. Cultura material e patrimônio arqueológico. CreateSpace Independent Publishing Platform, 2018. p. 269-276.

DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria; CALDARELLI, Solange Bezerra. Desafios da Arqueologia Preventiva: como gerir e socializar o imenso volume de materiais e documentos por ela produzidos? Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 11, n. 2 [19], p. 186-214, jul./dez. 2017.

DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria; WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Reflexões sobre museus, turismo e o compromisso público da arqueologia. Revista Iberoamericana de Turismo, Maceió, v. 5, n. 2, p. 103-119, jul./dez., 2015.

ENCONTRO DE GOVERNADORES PARA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO, ARQUEOLOGICO E NATURAL DO BRASIL, 2., 1971, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 1971. 195 p.

ETCHEVARNE, Carlos Alberto; COSTA, Carlos Alberto Santos; FERNANDES, Henry Luydy Abraham. Patrimônio arqueológico. Definições no campo jurídico brasileiro e sua aplicabilidade no âmbito da pesquisa acadêmica e da arqueologia de contrato. In: ETCHEVARNE, Carlos Alberto; PIMENTEL, Rita (orgs.). Patrimônio arqueológico da Bahia - Série Estudos e Pesquisas. Salvador: Superintendência de Estudos Sociais e Econômicos da Bahia, 2011. p. 17-26.

FERNANDEZ, Luis Alonso. Museología y museografia. Barcelona: Ediciones del Serbal, 2006.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro/Brasília: Editora UFRJ; Iphan, 2005.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1. ed. São Paulo: Editora LTC, 1989 [1973].

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 14. ed. São Paulo: Editora Vozes, 2014 [1983].

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônios. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, Porto Alegre, p. 15-36, jan./jun., 2005.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro: Iphan, 2007.

GUARNIERI, Waldisa Rússio Camargo. Conceito de cultura e sua inter-relação com o patrimônio cultural e a preservação. Cadernos Museológicos, Rio de Janeiro, n. 3, p. 7-12, 1990.

HARARI, Yuval Noah. Sapiens: uma breve história da humanidade. São Paulo: L&PM Editores, 2015 [2011].

HODDER, Ian. Symbols in action: ethnoarchaeological studies of material culture. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

HODDER, Ian. The archealogical process: an introduction. Oxford: Blackwell, 1999.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Carta de Lausanne. 1990. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Lausanne%201990.pdf.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Carta de Nova Delhi. dez. 1956. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Recomendacao%20de%20Nova%20Dheli%201956.pdf

LEROI-GOURHAN, André. O gesto e a palavra 1 – técnica e linguagem. Lisboa: Edições 70, 1964.

LEROI-GOURHAN, André. O gesto e a palavra 2 – memória e ritmos. Lisboa: Edições 70, 1965.

LEROI-GOURHAN, André. Evolução e técnica 1 – o homem e a matéria. Lisboa: Edições 70, 1971.

LEROI-GOURHAN, André. Evolução e técnica 2 – o meio e as técnicas. Lisboa: Edições 70, 1984.

MAXIMIANO, Antonio Cesar. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. 3. ed. São Paulo: Atlas S.A., 2000.

LOUREIRO, Maria Lucia de Niemeyer Matheus; LOUREIRO, José Mauro Matheus. Documento e musealização: entretecendo conceitos. Midas - Museus e estudos interdisciplinares, Évora, v. 1, n. 1, p. 1-11, 2013.

PARDI, Maria Lucia Franco. Gestão de patrimônio arqueológico, documentação e política de preservação. Dissertação (Mestrado em Gestão do Patrimônio Cultural) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2002.

POULOT, Dominique. Museus e museologia. São Paulo: Editora Autêntica, 2013.

RIEGL, Aloïs. O culto moderno dos monumentos: a sua essência e a sua origem. Lisboa: Perspectiva, 2014 [1903].

SALADINO, Alejandra. Prospecções: o patrimônio arqueológico nas práticas e trajetória do Iphan. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

SALADINO, Alejandra. Arqueologia patrimonializada e desenvolvimento social: perspectivas no Brasil e em Portugal. Revista Museologia e Patrimônio, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 38-45, jul./dez., 2009.

SALADINO, Alejandra. O patrimônio cultural e sua relação com a criação de um projeto de nação e identidade nacional. In: MAGALHÃES, Aline Montenegro; BEZERRA, Rafael Zamorano (orgs.). Museus nacionais e os desafios do contemporâneo. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2011, p. 97-105.

SALADINO, Alejandra. IPHAN, arqueólogos e patrimônio arqueológico brasileiro: um breve panorama. Revista de Arqueologia, Belém, v. 26/27, n. 2/1, p. 40-58, jul./jun., 2013/2014.

SALADINO, Alejandra. Museus e arqueologia: algumas reflexões sobre a preservação e a valorização dos bens arqueológicos. Tempo Amazônico, Macapá, v. 3, n. 1, p. 159-177, jul./dez., 2015.

SALADINO, Alejandra; COSTA, Carlos Alberto Santos. E agora, José? Reflexões sobre o estado da arte do patrimônio arqueológico no Brasil. In: CAMPOS, Juliano Bitencourt; PREVE, Daniel Ribeiro; SOUZA, Ismael Francisco de (orgs.). Patrimônio cultural, direito e meio ambiente: um debate sobre a globalização, cidadania e sustentabilidade. Curitiba: Multideia Editora, 2015. p. 169-190.

SALADINO, Alejandra; COSTA, Carlos Alberto Santos; MENDONÇA, Elizabete de Castro. A César o que é de César: o patrimônio arqueológico nas organizações formais do Brasil. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 7, n. 2 [8], p. 106-118, 2013.

SALADINO, Alejandra; WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. La preservación del patrimonio arqueológico en Brasil: un panorama sobre la actuación del Instituto del Patrimonio Histórico y Artístico Nacional (Iphan). Memorias (Barranquilla), Caribe, n. 27, p. 36-71, 2015.

SCHIFFER, Michael Brian. Archaeological context and systemic context. American Antiquity, Washington, v. 37, n. 2, p. 156-165, 1972.

SHANKS, Michael; MCGUIRE, Randall. El oficio de la arqueología. Relaciones Estudios de Historia y Sociedad, Zamora de Hidalgo, v. 37, n. 148, p. 153-184, out./dez., 2016.

SOCIEDADE DE ARQUEOLOGIA BRASILEIRA. Código de Ética. out. 2015. Disponível em: https://www.sabnet.com.br/download/download?ID_DOWNLOAD=377. Acesso em: 10 jan. 2019.

STRÁNSKÝ, Zbyněk Zbyslav. Introduction à l’étude de la muséologie. Destinée aux étudiants de l’École Internationale d’Été de Muséologie – EIEM. Brno: Université Masaryk, 1995.

UNESCO. Recomendação referente à proteção e promoção dos museus e coleções, sua diversidade e seu papel na Sociedade, de 17 de novembro de 2015. Brasília, 2017. Disponível em: http://www.icom.org.br/wp-content/uploads/2017/05/RecomendacaoProtecaoMuseuseColecoes.pdf

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Museus e antropofagia do patrimônio arqueológico: (des)caminhos da prática brasileira. Tese (Doutorado em Museologia) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2010.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Patrimônio arqueológico paulista: propostas museológicas para sua preservação. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Museus, ações educativas e prática arqueológica no Brasil contemporâneo: dilemas, escolhas e experimentações. Revista Museologia & Interdisciplinaridade, Brasília, v. 3, n. 6, p. 119-134, jul./dez., 2014.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Dois enquadramentos, um mesmo problema: os desafios da relação entre museus, sociedade e patrimônio arqueológico. Revista de Arqueologia, Belém, v. 26/27, n. 2/1, p. 16-39, jul./jun., 2013/2014.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Sociomuseologia e arqueologia pós-processual: conexões no contexto brasileiro contemporâneo. Cadernos de Sociomuseologia, Lisboa, n. 7, p. 31-56, jan./jun., 2016.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Narrativas arqueológicas e museológicas sob rasura: provocações feministas. Revista de Arqueologia, Belém, v. 30, n. 2, p. 35-50, jul./dez., 2017.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes; SALADINO, Alejandra. Los museos van por aquí y el patrimonio arqueológico por allí: los retos para la continuación de los procesos de preservación en Brasil. Memorias (Barranquilla), Caribe, n. 27, p. 107-144, 2015.

WOLFF, Francis. Aristóteles e a política. São Paulo: Discurso Editorial, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v17i1.7088

Direitos autorais 2019 Carlos Alberto Santos Costa

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis B2

Visitantes - (04/09/2017 - 21/10/2019)
País Usuários
Brasil 13.078
Estados Unidos 671
França 361
Argentina 176
Portugal 132
México 120
Alemanha 90
Reino Unido 87
Espanha 60

Fonte: Google Analytics.