Sobre Espaços Públicos e Privados no Trabalho Doméstico em Pelotas/RS

Marta Bonow Rodrigues, Letícia Nörnbeg Maciel, Liza Bilhalva

Resumo


Este artigo apresenta alguns aspectos referentes aos espaços ocupados pelas trabalhadoras domésticas em Pelotas/RS, observando traços que permanecem desde o período escravista até a contemporaneidade. Com uma perspectiva interdisciplinar, porém centrada nos preceitos da Arqueologia, buscamos compreender como ocorrem as relações entre domésticas e contratantes nesses espaços. Para as análises, observamos os espaços entendidos como públicos e privados através das narrativas das interlocutoras, na tentativa de entender como o mundo material está presente nas interações sociais.

Palavras-chave


Trabalhadoras Domésticas; Espaço Público e Privado; Arqueologia; Antropologia.

Texto completo:

PDF

Referências


AL-ALAM, Caiuá C. A negra forca da princesa: polícia, pena de morte e correção em Pelotas (1830-1857). Pelotas: Edição do autor; Sebo Icária, 2008.

ARENDT, Hanna. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

ARQUIVO Histórico da Biblioteca Pública Pelotense. Jornal a Nação. Jan. a dez.1883; Jornal do Commercio. Jan. a dez.1876; jan. a dez.1879; jan. a dez.1880. (Fundo Hemeroteca - Jornais encadernados por semestre).

ÁUDIO gravado durante as oficinas realizadas pelo MUARAN (UFPEL) em parceria com GEEUR (UFPEL) e Sindicato das Trabalhadoras Domésticas de Pelotas, em 21 de setembro e 07 de dezembro de 2014.- Organização e elaboração das oficinas: Profª. Drª. Louise Prado Alfonso, Profª. Drª. Flávia Maria Rieth, MSc. Marta Bonow Rodrigues e Profª. MSc.. Liza Bilhalva – transcrição realizada por Karollina Mendes de Magalhães, Johan Fonseca Lose e Beatrice Gervazzi. - Bolsistas do MUARAN, em dez. 2014 e jan. 2015.

AZEVEDO, Celia Maria M. de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites – século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BATTLE-BAPTISTE, Whitney. Black feminist archaeology. Walnut Creek/CA-USA: Left Coast Press, 2011.

BEAUDRY, Mary C.; COOK, Lauren J.; MROZOWSKI, Stephen A. Artefatos e vozes ativas: cultura material como discurso social. Vestígios – Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica. v. 1, n. 2,. p. 73-113, jul-dez 2007.

BOURDIEU, Pierre. Efeitos do lugar. In: Pierre Bourdieu (Org.). Miséria do Mundo. Petrópolis: Vozes, 1997. p.159-166.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 72, de 02 de abril de 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc72.htm. Acesso em: 20 jul. 2018.

BRASIL. Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp150.htm. Acesso em: 20 jul. 2018.

BRITES, Jurema. Afeto e desigualdade: gênero, geração e classe entre empregadas domésticas e seus empregadores. Cadernos Pagu. n. 29, p. 91-109, jul./dez. 2007.

BRITO, Marcelo. Empregadas domésticas: intimidade e distanciamento nas relações de trabalho. Montes Claros: UNIMONTES s/d. (Dissertação isolada para a disciplina de Pensamento sociocultural nas Américas) Disponível em: http://unimontes.br/arquivos/2012/geografia_ixerg/eixo_politica_meio_ambiente/empregadas_domesticas_intimidade_e_distanciamento_nas_relacoes_de_trabalho.pdf. Acesso em: 21 jan. 2015.

CANDIOTA, Helena dos S. Empregadas domésticas: identidade e imagem – uma etnografia no Sindicato de Trabalhadores Domésticos de Pelotas. 2010. 56 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia, Sociologia e Política, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2010.

COSTA, Ana Paula do A. Criados de servir: estratégias de sobrevivência na cidade do Rio Grande (1880 – 1894). 2013. 174 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2013.

COSTA, Ana Paula do A. Trabalhadores do setor doméstico na cidade do Rio Grande. Cadernos do LEPAARQ. UFPEL, v. 11, n. 22, p. 407-414, 2014.

COLLIER Jr. John. Antropologia visual: a fotografia como método de pesquisa. São Paulo: EPU/EUSP, 1973.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua – espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

DAMATTA, Roberto. O que faz o Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

DAVIS, Ângela. Mulheres, classe e raça. São Paulo: Boitempo, 2016.

DIAS, Maria Odila. Resistir e sobreviver. In: PINSKY, Carla B.; PEDRO, Joana M. (Org.). Nova História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013, p. 360- 381.

DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos. Trabalho Doméstico Remunerado – síntese de resultados apurados em 2017 – SPED/Sistema de Pesquisa de Emprego e Desemprego (abril/2018). Disponível em: https://www.dieese.org.br/analiseped/2018/2018empreDomSINTMET.html. Acesso em: 23 maio 2018.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

GRAHAM, Sandra. Proteção e obediência: criadas de servir e seus patrões no Rio de Janeiro 1860-1910. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

HOOKS, Bell. Mujeres negras: dar forma a la teoria feminista. In: HOOKS, Bell; BRAH, Avtar; SANDOVAL, Chela; Anzaldúa, Gloria (Org.). Otras inapropriables: feminismos desde las fronteras, Madrid, Traficantes de Sueños. p. 33-50, 1984/2004. Disponível em: http://www.marxists.org/espanol/tematica/mujer/autores/hooks/1984/001.htm. Acesso em: 09 set. 2014.

JIMENEZ, Maria Luisa J. Domésticas: cotidianos na comensalidade. 2016. 150f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Cultura Contemporânea) – Instituto de Linguagens, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2016.

KOFES, Maria Suely. Mulher, mulheres: diferença e identidade nas armadilhas da igualdade e desigualdade: interação e relação entre patroas e empregadas domésticas. 1990. 450f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: 34. ed. 1994.

MACIEL, Letícia N. Uma abordagem arqueológica sobre os cortiços pelotenses entre os séculos XIX e XX. 2014. 51f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Antropologia – Linha de Formação em Arqueologia) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2014.

MAESTRI, Mário José. O escravo no Rio Grande do Sul: a charqueada e a gênese do escravismo gaúcho. Porto Alegre: EST (Escola Superior de Teologia São Lourenço de Brindes); Editora da Universidade de Caxias do Sul, 1984.

NEPOMUCENO, Bebel. Protagonismo ignorado. In: PINSKY, Carla B.; PEDRO, Joana M. (Org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013, p. 382-409.

PAIXÃO, Marcelo; GOMES, Flavio. Histórias das diferenças e das desigualdades revisitadas: notas sobre gênero, escravidão, raça e pós-emancipação. In: XAVIER, Giovanna; FARIAS, Juliana B.; GOMES, Flavio (Org.). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012. p. 297-313.

REIS, Adriana D. Mulheres Afro-descendentes na Bahia: gênero, cor e mobilidade social (1780-1830). In: XAVIER, Giovanna; FARIAS, Juliana B.; GOMES, Flavio (Org.). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012. p. 24-34.

RODRIGUES, Marta Bonow. A vida é um jogo para quem tem ancas: uma arqueologia documental sobre mulheres escravas domésticas em Pelotas/RS no século XIX. 2015. 208f. Dissertação (Mestrado em Antropologia – Área de Concentração em Arqueologia) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2015.

RODRIGUES, Marta Bonow. Entrevista com a trabalhadora doméstica Eva Castro em Pelotas/RS, em 28 out. 2018.

RODRIGUES, Marta Bonow. Entrevista com a trabalhadora doméstica Luzia Reis Pinto em Pelotas/RS, em 1 dez. 2016

RODRIGUES, Marta Bonow. Entrevista com a trabalhadora doméstica Rejane Reis – Yiá Rejane de Yemanjá, em Pelotas/RS, em 31 out. 2015.

RODRIGUES, Marta Bonow. Entrevista com a trabalhadora doméstica Vanessa Gura Rodrigues, 31 out. 2015.

RODRIGUES, Marta Bonow. Espaços do trabalho doméstico em Pelotas/RS: apontamentos da escravidão à contemporaneidade. 2018. 91 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Antropologia – Linha de Formação em Arqueologia) - Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2018.

RODRIGUES, Marta Bonow; ALFONSO, Louise P. O trabalho doméstico entre o passado e o presente. II Congresso de Extensão e Cultura – CEC – da Semana Integrada de Ensino, Pesquisa e Extensão/UFPEL. Anais do II Congresso de Extensão e Cultura da UFPel, Pelotas, v. 7, p. 34-37, 2015.

SANTOS, Roberto dos. O negro no Rio Grande do Sul: Uma realidade além do mito. In: TRIUMPHO, Vera. Rio Grande do Sul: aspectos da Negritude. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1991. p. 131-142.

SILVA, Maciel H. Nem mãe preta, nem negra fulô – histórias de trabalhadoras domésticas em Recife e Salvador (1870-1910). Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

SIMÃO, Ana Regina F. Resistência e acomodação: a escravidão urbana em Pelotas, RS (1812-1850). Passo Fundo: UPF, 2002.

SYMANSKI, Luís Cláudio P.; SOUZA, Marcos André Torres de. O registro arqueológico dos grupos escravos: questões de visibilidade e preservação. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). n. 33, p. 215-243, 2007.

SOUZA, Flavia F. Escravas do lar: as mulheres negras e o trabalho doméstico na corte imperial. In: XAVIER, Giovanna; FARIAS, Juliana B.; GOMES, Flavio (orgs). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012, p. 244-260.

TELLES, Lorena F. S. Libertas entre sobrados – a ligação da escravidão com o trabalhador doméstico em SP. 2011, 197f. Dissertação (Mestrado em História Social) - Departamento de História, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.

VOSS, Barbara L. Image, text, object: interpreting documents and artifacts as ‘labors of representation’. Historical Archaeology, v. 4, n. 4, p. 147-17, Feb/2006.

ZARANKIN, Andrés. Paredes que domesticam: Arqueologia da arquitetura escolar capitalista; O caso de Buenos Aires. Campinas: UNICAMP, 2002, 182p.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v16i2.6594

Direitos autorais 2019 Marta Bonow Rodrigues, Letícia Nörnbeg Maciel, Liza Bilhalva

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis B2

Visitantes - (01/01/2005 - 01/08/2019)
País Usuários
Brasil 11.051
Estados Unidos 625
França 348
Argentina 155
Portugal 117
México 98
Reino Unido 84
Alemanha 77
Espanha 54
Total 13.137

Fonte: Google Analytics.