"I Already Have a Name" – Itineraries of Trans Men in Search of Respect

Camilo Braz

Resumo


My purpose in this article is to start from some narratives of trans men about their experiences and expectations regarding the search for recognition of their gender identities and their names in multiple spheres, such as in the family, in the relations of friendship, in educational institutions, in the work universe and in medical care spaces. Thus, I construct an ethnographic narrative that, although seeking to be as close as possible to the reports of the subjects interviewed, tries to point to some elements that speak of the gender transition as a process that is not only individual, but always involves other people, in various contexts, with whom these subjects coexist. I problematize these elements from an appropriation of the closet metaphor, which appears in the reports in the form of a "second exit from the closet" as something structuring of certain symbolic repertoires mobilized by these men to make sense of their trajectories. I point out some of the itineraries and strategies these men throw in order to get recognition of their names in these multiple spheres, which also involves visibility/hiding negotiations at many occasions. Finally, I bring some considerations about the recent approval, by the Federal Supreme Court (STF), of the change of civil records by trans people in Brazil without the need for reports and/or surgeries

“Eu Já Tenho Nome” – Itinerários de Homens Trans em Busca de Respeito

Meu objetivo nesse artigo é partir de algumas narrativas de homens trans a respeito de suas experiências e expectativas em relação à busca pelo reconhecimento de suas identidades de gênero e de seus nomes em múltiplas esferas, tais como na família, nas relações de amizade, em instituições educacionais, no universo do trabalho e em espaços de atenção médica. Dessa forma, construo uma narrativa etnográfica que, ainda que buscando estar o mais próximo possível dos relatos dos sujeitos entrevistados, tenta apontar para alguns elementos que falam da transição de gênero como um processo que não é apenas individual, mas envolve sempre outras pessoas, em contextos variados, com quem tais sujeitos convivem. Problematizo tais elementos a partir de uma apropriação da metáfora do armário, que aparece nos relatos na forma de uma “segunda saída do armário” como algo estruturante de certos repertórios simbólicos mobilizados por esses homens para construírem sentido a suas trajetórias. Aponto alguns dos itinerários e estratégias de que esses sujeitos lançam mão a fim de obter o reconhecimento de seus nomes nessas múltiplas esferas, o que também envolve negociações em torno da visibilidade/ocultação em muitos momentos. Por fim, trago algumas ponderações em torno da recente aprovação, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), da alteração de registros civis por parte de pessoas trans no Brasil sem a necessidade de laudos e/ou de cirurgias.médica.

Palavras-chave


Transsexuality; Trans Men; Civil Registry; LGBTT Rights; Brazil; Transexualidade; Homens Trans; Registro Civil; Direitos LGBTT; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Anderson S. Vidas em espera: uma etnografia sobre a experiência do tempo no processo transexualizador. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. Universidade Federal de Goiás. Goiânia, Brasil, 2018.

ALMEIDA, Guilherme S. ‘Homens trans’: novos matizes na aquarela das masculinidades? Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 513-523, 2012.

ALVES, Paulo C.; SOUZA, Iara M. Escolha e avaliação de tratamento para problemas de saúde: considerações sobre o itinerário terapêutico. In: Rabelo, Alves e Souza (Orgs). Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro: Editora da FIOCRUZ, 1999. p.133-136.

ARÁN, Márcia. A saúde como prática de si: do diagnóstico de transtorno de identidade de gênero às redescrições da experiência da transexualidade. In: ARILHA, Margareth et al. (Orgs.) Transexualidade, travestilidade e direito à saúde. São Paulo: Oficina Editorial, 2010.

ÁVILA, Simone. FTM, transhomem, homem trans, trans, homem: a emergência de transmasculinidades no Brasil contemporâneo. Tese de Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Brasil, 2014.

BENTO, Berenice. A reinvenção corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BORBA, Rodrigo. O (des)aprendizado de si: transexualidades, interação e cuidado em saúde. Rio de Janeiro: Editora da FIOCRUZ, 2016.

BRAZ, Camilo. Além da pele – um olhar antropológico sobre a body modification em São Paulo. Dissertação de Mestrado. Universidade de Campinas (UNICAMP). Campinas, 2006.

BRAZ, Camilo. À meia-luz...uma etnografia em clubes de sexo masculinos. Goiânia: Editora da UFG, 2012.

BRAZ, Camilo. Transmasculinidades, salud y espera – Antropología del tiempo y el acceso a la salud para hombres trans en Brasil. In: PECHENY, Mario M.; PALUMBO, Mariana. (Orgs.) Esperar y hacer esperar: escenas y experiencias en salud, dinero y amor. Buenos Aires: Teseopress, 2017.

BRAZ, Camilo; SOUZA, Érica. A emergência de homens trans como sujeitos de direito no Brasil contemporâneo – demandas, avanços e retrocessos. Encontro Anual da ANPOCS. ANPOCS, Caxambu, Minas Gerais, Brasil, 2016.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero – feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, Mario. “Travesti”, “mulher transexual”, “homem trans” e “não binário”: interseccionalidades de classe e geração na produção de identidades políticas. Encontro Anual da ANPOCS, ANPOCS, Caxambu, 2016.

FARJI NEER, Anahí. Las tecnologías del cuerpo en el debate público. Análisis del debate parlamentario de la ley de Identidad de Género argentina. In: Sexualidad, salud y sociedad, Rio de Janeiro, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, n. 16, 2014.

HALBERSTAM, J. Masculinidad femenina. Madrid: Egales, 2008.

LIMA, Fátima. Corpos, gêneros, sexualidades: políticas de subjetivação. Porto Alegre: Reunida, 2014.

ORTEGA, Julián; TISEYRA, María V.; MORCILLO, Santiago; GÁLVEZ, Marine. (Im)pacientes trans en hospitales públicos de Buenos Aires. La experiencia de la espera y la accesibilidad en contextos de estigmatización. Vivência – Revista de Antropologia. Natal. UFRN, 2017.

PECHENY, Mario. Introducción. In: PECHENY, Mario M.; PALUMBO, Mariana. (Orgs.). Esperar y hacer esperar: escenas y experiencias en salud, dinero y amor. Buenos Aires: Teseopress, 2017.

SAMPAIO, Liliana L. P.; COELHO, Maria Thereza A. D. As transexualidades na atualidade: aspectos conceituais e de contexto. In: COELHO, M.; SAMPAIO, L. Transexualidades – um olhar multidisciplinar. Salvador: EDUFBA, 2014.

SEDGWICK, Eve K. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu, n. 28, Unicamp, 2008.

TABBUSH, C.; DIAZ, María C.; TREBISACCE, C.; KELLER, V. Matrimonio igualitario, identidad de género y disputas por el derecho al aborto en Argentina. La política sexual durante el kirchnerismo (2003-2015). In: Sexualidad, Salud y Sociedad. Rio de Janeiro, UERJ, n. 22, 2016.

TEIXEIRA, Flávia. Histórias que não têm Era Uma Vez: as (in)certezas da transexualidade. Estudos Feministas. Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 501-512, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v16i1.6367

Direitos autorais 2018 Camilo Braz

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS | Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis B2

Flag Counter