Coleções Centrais ou Locais? Repatriação no Contexto Arqueológico da Amazônia

Emilly Cristine B. Santos

Resumo


O artigo tem o objetivo de abordar o tema sobre repatriação de coleções arqueológicas, com foco em coleções amazônicas. Para tanto, é discutido a prática de pilhagem de artefatos arqueológicos, que emergiu com o processo de colonialismo no Brasil, ocorrido entre os séculos XIX e XX, a partir do qual grandes coleções públicas e privadas foram formadas, principalmente nos Estados Unidos e Europa ocidental. Dentro deste contexto, é evidenciada a institucionalização da arqueologia no âmbito dos museus e a construção do pensamento colonial, que a disciplina ensejou para a legitimação do domínio do estado-nação.

Palavras-chave


Pilhagem; Repatriação; Amazônia.

Texto completo:

PDF

Referências


ATALAY, Sonya. As indigenous archaeology. American indian quarterly, cidade, v. 30, n. 3/4, p. 280-310, 2006.

BARRETO, Cristiana. A construção de um passado pré-colonial: uma breve história da arqueologia no Brasil. Revista USP, São Paulo, v. 44, p. 32-51, dez. 2000/fev. 2001.

BARRETO, Cristiana. Meios míticos de reprodução social: arte e estilo na cerâmica funerária da Amazônia antiga. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

BEZERRA, Marcia. As moedas dos índios: um estudo de caso sobre os significados do patrimônio arqueológico para os moradores da Vila de Joanes, Ilha de Marajó, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi: Ciências Humanas, Belém, v. 6, n. 1, p. 57-70, jan./abr. 2011.

BEZERRA, Marcia; NAJJAR, Rosana. Semióforos da riqueza: um ensaio sobre o tráfico de objetos arqueológicos. Habitus v. 7, n. 1/2, p. 289-307, jan/dez. 2009.

BOIVIN, Mauricio; ROSATO, Ana; ARRIBAS, Victoria. Constructores de otredad (Introdução). Buenos Aires: Antropofagia, 2004.

BRUNO, Cristina. A musealização da arqueologia. Cadernos de Sociomuseologia, n. 17, p. 35-151, 1999.

CARMAN, John. Against cultural propert. London: Duckworth, 2005.

CUNO, James. Antiquity belongs to the world. The Chronical Review, v. 54, n. 43, p. 1-3, jul. 2008.

DOLÁK, Jan. On the issues of deaccessioning and repatriation of museum collections. In: DESVALLÉES, A. e NASH, S. ICOFOM Study Series - ISS 39: Deaccession and return of cultural heritage: a new global ethics. Zhejiang: ICOM, 2010, pp. 43-50.

FERREIRA, Carlos. S. Restituição dos bens Culturais retirados no contexto do colonialismo: instrumento de desenvolvimento e de diálogo. Cadernos de Sociomuseologia, v. 47, n. 47, p. 109-129, 2014.

FERREIRA, Lúcio. Território primitivo: a institucionalização da arqueologia brasileira. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

FERREIRA, Lúcio; FUNARI, Paulo. Em busca dos crânios perdidos: museus, repatriação arqueológica e o valor da diversidade. Revista Museu, p. 1-2, 2008.

GODOY, Renata de; SANTOS, Emilly. Restituição de acervos arqueológicos : novas soluções ou antigos problemas? Revista de Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 98-113, nov. 2017.

GONÇALVES, José R. Os limites do patrimônio. In: Associação Brasileira de Antropologia. In: FILHO, Manuel; ECKERT, Cornelia e BELTRÃO, Jane. Antropologia e Patrimônio Cultural: diálogos e desafios contemporâneos. Blumenau: Nova Letra, p. 233-248, 2007.

LIMA, Tania Andrade Cultura material: a dimensão concreta das relações sociais. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi - Ciências Humanas, Belém, v. 6, n. 1, p. 11-23, jan./abr. 2011.

LIMA, Tania Andrade. A ética que temos e a ética que queremos: (ou como falar de princípios neste conturbado fim de milênio). CONGRESSO DA SOCIEDADE DE ARQUEOLOGIA BRASILEIRA, IX. Anais... Porto Alegre: PUCRS, 2000, p. 605-612.

LINHARES, Anna. Um grego agora nu: índios Marajoaras e identidade nacional brasileira. Curitiba: Editora VRV, 2017.

PEREIRA, Edithe. O Museu Goeldi e a pesquisa arqueológica: um panorama dos últimos dezessete anos (1991-2008). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi: Ciências Humanas, Belém, v. 4, n. 1, p. 171-190, jan./abri. 2009.

RENFREW, Colin. Loot, legitimacy and ownership: the ethical crisis in archaeology. London: Duckworth, 2001.

RODRIGUES, Beatriz. Índios em Portugal: perspectivas a partir de coleções e exposições museológicas posteriores à constituição brasileira de 1988. Dissertação (Mestrado em Estudos Brasileiros) - Universidade de Lisboa, Lisboa, 2017. Disponível em: https://mnetnologia.wordpress.com/reservas-visitaveis/. Acesso em: 20 jan. 2018.

SALADINO, Alejandra. Museus e arqueologia : algumas reflexões. Cadernos de Sociomuseologia, v. 10, p. 89-112, 2017.

SANJAD, Nelson. Ciência de potes quebrados: nação e região na arqueologia brasileira do século XIX. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 133-163, jan./jun. 2011.

SCHAAN, Denise Múltiplias vozes, memórias e histórias: por uma gestão compartilhada do patrimônio arqueológico na amazônia. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 33, p. 109-131, 2007.

SCHAAN, Denise. Arqueologia, público e comodificação da herança cultural: o caso da cultura Marajoara. Revista Arqueologia Pública, São Paulo, n. 1, p. 31-48, 2006.

SCHEINER, Tereza. Museos, museología y restitución del patrimonio cultural en los albores de una Nueva Ética Global In: DESVALLÉES, A. e NASH, S. ICOFOM Study Series - ISS 39: Deaccession and Return of Cultural Heritage: A New Global Ethics. Zhejiang: ICOM, p. 33-34, 2010.

SILVA, Fabíola A. O repatriamento de bens arqueológicos às sociedades indígenas: Comentários e considerações sobre descolonização e indigenização da arqueologia. Arqueologia em Debate: jornal da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 2011. Disponível em: http://www.jornal.sabnet.com.br/component/content/article/3-em-foco/85-o-repatriamento-de-bens-arqueologicos-as-sociedades-indigenas-comentarios-e-consideracoes-sobre-descolonizacao-e-indigenizacao-da-arqueologia. Acesso em: 26 ago. 2018.

SOARES, Anauene. A normativa de proteção ao tráfico ilícito do patrimônio cultural : o acervo arqueológico do Instituto Cultural Banco Santos.Dissertação (Mestrado em Mudança Social e Participação Política) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

TROUFFLARD, Joanna. Abordagem da prática colecionista através de um conjunto de peças Marajoara do Museu Nacional de Etnologia em Lisboa (Portugal). Amazônica, Belém, v. 3, n. 1, p. 142-168, 2011.

TROUFFLARD, Joanna. Testemunhos funerários da Ilha do Marajó no Museu Dr. Santos Rocha e no Museu Nacional de Etnologia - Interpretação Arqueológica. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v16i2.6266

Direitos autorais 2019 Emilly Cristine B. Santos

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.