Procedimentos Iniciais de Documentação em Coletas Arqueológicas no Laboratório de Documentação e Arqueologia – UFRB

Luydy Abraham Fernandes, Carlos Alberto Santos Costa

Resumo


A passagem dos registros de campo para a forma normatizada adotada nos museus e laboratórios é um momento crítico na formação das coleções que poderão realmente ser fontes confiáveis de futuras pesquisas. Durante esse processo o principal problema a ser evitado é a perda da informação. Tendo como base a entrada de uma coleta de campo arqueológica no Laboratório de Documentação e Arqueologia da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (LADA/UFRB) esse artigo foca tal passagem, mostrando o processamento das peças em dois vieses: 1) o protocolo de procedimentos práticos de manejo dos itens; 2) os registros documentais museológicos gerados ao longo do processamento dos objetos. O resultado de tais rotinas é a elaboração de um arrolamento das peças que assegure a manutenção das informações de campo, bem como consolide os dados produzidos durante os procedimentos de registro do acervo coletado.

Palavras-chave


Protocolo de Documentação; Práticas de Laboratório; Controle de Coleção Arqueológica.

Texto completo:

PDF

Referências


BALLARDO, Luciana Oliveira Messeder. Documentação museológica: a elaboração de um sistema documental para acervos arqueológicos e sua aplicação no Laboratório de Estudos e Pesquisas arqueológicas / UFSM. 2013. 127f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2013.

BARBUY, Heloisa. Os museus e seus acervos: sistemas de documentação em desenvolvimento. In: INTEGRAR. CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS, BIBLIOTECAS, CENTROS DE DOCUMENTAÇÃO E MUSEUS, I, 17 a 21 de março, São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002, p. 67-78.

BOTTALLO, Marilúcia. A gestão documental do patrimônio arqueológico e etnográfico. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, v. 1, n. 6, p. 287-292. 1996.

BOTTALLO, Marilúcia. Diretrizes em documentação museológica. In: ACAM Portinari. Documentação e conservação de acervos museológicos: diretrizes. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, 2010, p. 48-79.

BUCAILLE, Richard; PESEZ, Jean-Marie. Cultura material. Enciclopédia Einaudi, v. 16, Lisboa: Artes-Tonal / Atonal, 1989, p.11-47.

CALDERÓN, Valentin. Contribuição para o conhecimento da arqueologia do Recôncavo e do Sul da Bahia: resultados preliminares do quinto ano 1969-1970. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, n. 26, Belém, p. 141-156. 1974. (Publicações Avulsas).

CALDERÓN, Valentin. A fase Aratu no Recôncavo e Litoral Norte do Estado da Bahia. Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas: resultados preliminares do terceiro ano 1967-1968. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, n. 16. Belém, p. 161-172, 1969. (Publicações Avulsas).

CALDERÓN, Valentin. Breve notícia sobre a arqueologia de duas regiões do Estado da Bahia: resultados preliminares do quarto ano 1968-1969. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, n. 15, Belém, p. 163-174. 1971. ( Publicações Avulsas ).

CAMARGO-MORO, Fernanda. Museu, aquisição-documentação: tecnologias apropriadas para a preservação dos bens culturais. Rio de Janeiro: Livraria Eça Editora, 1986, 320p.

CÂNDIDO, Maria Inez. Documentação museológica. Caderno de Diretrizes Museológicas, n. 1. 2. ed. Brasília: Minc/Iphan/Demul; Belo Horizonte: Secult-MG/Sumav, 2006, p. 31-90.

CERAVOLO, Suely Moraes; TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira. Tratamento e organização de informações documentárias em museus. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, v. 1, n. 10, p. 241-253. 2000.

COSTA, Carlos Alberto Santos. Proposta de instrumento documental museológico complementar para as coleções arqueológicas do MAE/UFBA. Revista Eletrônica Jovem Museologia, n. 2. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: http://docs.wixstatic.com/ugd/76cd3d_b7be2f51347b4d2c96bdd1f467358167.pdf. Acesso em: 27 jun. 2017.

COSTA, Carlos Alberto Santos; COMERLATO, Fabiana. Você me daria um cheque em branco? Um olhar sobre endosso institucional em projetos de arqueologia. Revista de Arqueologia, Belém, v. 1, n. 27, p. 115-131, 2014.

DE SETA, Cesare. Objecto. Enciclopédia Einaudi, v. 3. Lisboa: Artes-Tonal/Atonal, 1989, p. 91-113.

FERREZ, Helena Dodd. Documentação museológica: teoria para uma boa prática. Cadernos de Ensaios: estudos de museologia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 65-74. 1994.

FRONER, Yacy-Ara. Conservação preventiva e patrimônio arqueológico e etnográfico: ética, conceitos e critérios. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, v. 1, n. 5, p. 291-301. 1995.

HODDER, Ian. Interpretación en arqueología: corrientes actuales. Barcelona: Editorial Crítica, 1988, 236 p.

LINKE, Vanessa; ISNARDIS, Andrei. Concepções estéticas dos conjuntos gráficos da tradição planalto, na região de diamantina, Brasil Central. Revista de Arqueologia, Belém, v. 1, n. 21, p. 27-43. 2008.

MEGGERS, Betty Jane; EVANS, Clifford. Como interpretar a linguagem cerâmica: manual para arqueólogos. Washington: Smithsonian Institution, 1970, 222 p.

MENSCH, Peter Van. O objeto como portador de dados. Cuaderno de Museologia, Lima, v. 1, p. 53-62, 1989.

MESQUITA, Simone de Sousa. Conservação de objetos arqueológicos. Mast Colloquia – conservação de acervos, Rio de Janeiro, v.1, n. 9, p. 175-180. 2007.

PADILHA, Renata Cardozo. Documentação museológica e gestão de acervo. Coleção Estudos Museológicos, v. 2. Florianópolis: FCC, 2014, 71p.

POMIAN, Krzysztof. Colecção. Enciclopédia Einaudi, v. 1. Lisboa: Artes-Tonal/Atonal, 1989, p. 51-86.

ROBERTS, Andrew. Inventário e documentação: como gerir um museu: manual prático. França: ICOM, 2004, p. 33-54.

SCHIFFER, Michael Brian. Archaeological context and systemic context. American Antiquity, Washington, v. 37, n. 2, p. 156-165, 1972.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v16i2.5992

Direitos autorais 2019 Luydy Abraham Fernandes

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.