O Candomblé Começa na Cozinha: Alimentação, Aprendizado e Transformação

Marcos Júnior Santos de Alvarenga

Resumo


Este trabalho visa apresentar algumas das dimensões mais expressivas que compõe o universo da cozinha de um terreiro de Candomblé, demonstrando como tais dimensões fazem da própria cozinha e da alimentação elementos centrais para o cotidiano dos terreiros. A hipótese que partilho é que a cozinha centraliza parte importante do ideário religioso que estrutura as relações dentro de um terreiro. A cozinha de santo é o local de preparo por excelência dos alimentos e pratos sagrados, um lugar de magia e transformação que atravessa toda a comunidade religiosa como um grande rio, articulando informações e saberes, tornando-se, assim, espaço estratégico para a formação dos filhos de santo.

Palavras-chave


Candomblé; Cozinha; Alimentação; Aprendizado.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, Marcos. Cozinha também é lugar de magia: alimentação, aprendizado e a cozinha de um terreiro de Candomblé. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília, 2017.

BOURDIEU, Pierre. Estrutura, Habitus e Práticas. In: A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007. cap. 8.

CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos terreiros e como a escola se relaciona com as crianças de candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CARNEIRO, Edison. A divisão do poder espiritual nos candomblés. In: Candomblés da Bahia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1986.

CASTILLO, Lisa Earl. Entre a oralidade e a escrita: a etnografia nos candomblés da Bahia. Salvador: EDUFBA, 2010.

COLLAÇO, Janine H. L. Gastronomia: a trajetória de uma construção recente. Habitus, Goiânia, v. 11, n. 2, p. 203-222, jul./dez. 2013.

COSTA LIMA, Vivaldo da. A família de santo nos candomblés jejes-nagô da Bahia. Salvador: Corrupio, 2003.

COSTA LIMA, Vivaldo da. A comida de santo numa casa de queto da Bahia. Salvador: Corrupio, 2010.

GARINE, Igor de. Antropología de la alimentación y autenticidad cultural. In: GRACIA ARNAIZ, Mabel (Comp.). Somos lo que comemos. Estudios de alimentación y cultura en España, Barcelona: Ariel Antropología, 2002, p. 9-14.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 2014.

GARCÍA, Carmen Ortiz. Comida e identidad: cocina nacional y cocinas regionales en España. In: Alimentación y Cultura. ACTAS DEL CONGRESO INTERNACIONAL, Huesca: La Val de Onsera, 1988.

GOMES, Fabíola Silva. Comidas, pessoas e deuses: etnografia de eventos alimentares na Índia. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – UNB, Brasília, 2010.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes antropológicos. Porto Alegre, v.18, n. 37, jan./jun. 2012.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os nagô e a morte: pade, asese e o culto a Egun na Bahia. Petrópolis: Vozes, 1977.

LODY, Raul. Santo também come. Rio de Janeiro: Pallas, 2004.

LODY, Raul. Alimentação ritual. Ciência & Trópico, Recife, v. 5, n.1, p. 37-47, jan./jun. 1997.

LODY, Raul. Tem dendê, tem axé: etnografia do dendezeiro. Rio de Janeiro: Pallas, 1992.

LODY, Raul. Mãe Stella de Oxóssi. In: LODY, Raul. Santo também come. Prefácio a 2. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2004.

MINTZ, Sidney W. Comida e antropologia: uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 16, n. 47, out. 2001.

MINTZ, Sidney; CHRISTINE, M. Du Bois. The anthropology of food and eating. Annual Reviews of Anthropology, v. 31, p. 99-119, 2002.

MENASCHE, Renata; COLLAÇO, Janine H. L.; TEMPASS, Martín César. Comida para pensar: apresentando um dossiê. Tessituras, Pelotas, v. 3, n. 2, p. 4-8, jul./dez. 2015.

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. Olojá: entre encontros - Exu, o senhor do mercado. Revista das Questões, n. 4, ago./set. 2016a.

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. Sobre os candomblés como modo de vida: imagens filosóficas entre Áfricas e Brasis. Ensaios Filosóficos, v. 13, ago. 2016b.

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. Alimentação socializante: notas acerca da experiência do pensamento tradicional africano. Revista das Questões, n. 2, fev./maio, 2015.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Campinas, SP: Papirus, 1998.

QUERINO, Manuel. A arte culinária na Bahia. Salvador: Progresso Editora,1928.

RABELO, Miriam C. M. Enredos, feituras e modos de cuidado: dimensões da vida e da convivência no candomblé. Salvador: EDUFBA, 2014.

RIBEIRO, René. Cultos afro-brasileiros do Recife: um estudo de ajustamento social. 1952. In: HUTZLER, Celina Ribeiro (org.). René Ribeiro e a antropologia dos cultos afro-brasileiros. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2014.

RIOS, Luís Felipe. O paradoxo dos prazeres: trabalho, homossexualidade e estilos de ser homem no candomblé queto fluminense. Etnográfica, Rio de Janeiro, v. 1, p. 53-74, fev. 2012.

SILVA, Marilu Albano. Da cozinha ao terreiro em Mutamba da Caieira (RN): cotidiano, espaço doméstico e sociabilidades. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – UFRN, Natal, 2008.

SOUSA JÚNIOR, Vilson Caetano de. Na palma da minha mão: temas afro-brasileiros e questões contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 2011.

SOUSA JÚNIOR, Vilson Caetano de. A cozinha e os truques: usos e abusos das mulheres de saia e do povo do azeite. In: CAROSO, Carlos; BACELAR, Jeferson (Org.). Faces da tradição Afro-Brasileira: religiosidade, sincretismo, anti-sincretismo, reafricanização, práticas terapêuticas, etnobotânica e comida. 1999.

WOORTMANN, Ellen. A comida como linguagem. Habitus, Goiânia, v. 11, n.1, p. 5-17, jan./jun. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v16i2.5718

Direitos autorais 2019 Marcos Júnior Santos de Alvarenga

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.