The "Artifacts" of the ribeirinhos of Rio Mapuá, Marajó-PA, Brazil

Eliane Miranda Costa

Resumo


it is proposed to discuss the relationship of the artifacts made by the riverside of the Mapuá river with the way of life of these peoples. Mapuá is one of the most extensive rivers in the municipality of Breves, archipelago of Marajó (PA). Along its length are its communities, formed by families, living in isolated houses and grouped in villages. Accompanying the dynamics of these communities, I mapped different artifacts produced by ribeirinhos with materials taken from the forest and used in various ways in everyday life. With a methodological combination involving the bibliographical survey and the field research, I show that the set of artifacts produced by the riverside mediate their relationship with the environment, with each other, with others and with materiality. They are artifacts that form their material and archaeological patrimony, a concept that contributes to demonstrate that the form of appropriation of this category can not do without the way of life of the traditional populations in the contemporary world.

Os “Artefatos” dos ribeirinhos do Rio Mapuá, Marajó-PA, Brasil

Propõe-se discutir a relação dos artefatos – objetos artesanais – confeccionados pelos ribeirinhos do rio Mapuá, com o modo de vida desses povos. O Mapuá é um dos rios mais extensos do município de Breves, arquipélago de Marajó, Estado do Pará. Ao longo de sua extensão encontram-se suas comunidades, formadas por famílias que moram em casas isoladas e agrupadas em vilas. Acompanhando a dinâmica dessas famílias, mapeei diferentes artefatos por elas construídos a partir de produtos retirados da floresta e utilizados de várias formas na vida cotidiana. São objetos que para elas formam seu patrimônio material e caracterizam-se como estratégias do saber-fazer e das relações estabelecidas com o meio ambiente amazônico. Neste texto trabalho com uma combinação metodológica que envolve a análise qualitativa do levantamento bibliográfico e da pesquisa de campo, com foco para a fotografia, observação e entrevistas com interlocutores envolvidos com a temática investigada.

Palavras-chave


Artifact; Archaeological Heritage; Ribeirinhos; Mapua; Artefatos; Patrimônio Arqueológico; Ribeirinhos; Mapuá

Texto completo:

PDF

Referências


ACEVEDO-MARIN, Rosa E. Julgados da terra: cadeias de apropriação e atores sociais em conflito na ilha de Colares. Belém: Editora da UFPA, 2004.

ALENCAR, Edna F. Paisagens da memória: narrativa oral, paisagem e memória social no processo de construção da identidade. Teoria & Pesquisa, vol. XVI - nº 02 - jul/dez, p. 95-110, 2007.

APPADURAI, Arjun. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Tradução Agatha Bacelar. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2008.

ALMEIDA, Alfredo Wagner B. de. Terras de quilombos, terras indígenas, “babaçuais livre”, “castanhais do povo”, “faxinais e fundos de pasto: Terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PGSCA. UFAM, 2. ed., 2008.

BEZERRA, Marcia. “As moedas dos índios”: um estudo de caso sobre os significados do patrimônio arqueológico para os moradores da Vila de Joanes, Ilha de Marajó, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum. Belém, v. 6, n. 1, p. 57-70, jan.- abr. 2011.

BEZERRA, Marcia. “Sempre quando passa alguma coisa, deixa rastro”: um breve ensaio sobre patrimônio arqueológico e povos indígenas. Revista de Arqueologia, vol. 24, n.1, p. 74-85, 2012.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Plano de Manejo Participativo da Reserva Extrativista Mapuá – Fase I. Breves (PA), 2009.

CASTAÑEDA, Quetzil E. The “Ethnographic turn” in archaeology: research positioning and reflexivity in ethnographic archaeologies. In: CASTAÑEDA, Quetzil. E.; MATTHEWS, Christopher N. (Eds.). Ethnographic Archaeologies: reflections on stakeholders and archaeological practices. Plymouth: Altamira Press, p. 25-61, 2008.

COSTA, Diogo M. Arqueologia patrimonial: o pensar do construir. Revista Habitus, Goiânia, v. 2, pp. 333-360, 2004.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Tradução Luciano Vieira Machado. 4. ed. São Paulo: Estação Liberdade. Unesp, 2006.

DA MATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Petrópolis: Vozes, 1981.

DIEGUES, Antônio Carlos S. O Mito moderno da natureza intocada. 3. ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2001.

FOUCAULT, Michael. A arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitari, 2014.

GALO, Antônio G. Depoimento. Entrevista concedida à autora, Eliane Miranda Costa, realizada na Comunidade Bom Jesus, município de Breves, em 28 de maio de 2015.

GOMES, Raimundo Ney da C. e LOPES, Rhuan Carlos dos S. Cacareco de Índio e artefato arqueológico: conversas entre arqueólogos e a família Souza no Sítio Cedro, Santarém, Pará. Revista de Arqueologia Pública. Campinas, vol. 5, n. 1, p. 20-31, 2012.

GONÇALVES, José Reginaldo S. O Patrimônio como categoria de pensamento. In: ABREU, Regina e CHAGAS, Mário. Memória e Patrimônio: ensaios Contemporâneos. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

GNECCO, Cristobal e AYALA, Patricia R. (Eds.). Indigenous peoples and archaeology in Latin America. Left Coast Press, 2011.

HAMILAKIS, Yannis. Arqueología y los sentidos: Experiencia, memoria y afecto. Madri: JAS Arqueología Editorial, 2015.

HODDER, Ian. Interpretación en arqueología: Corrientes Actuales. Barcelona: Crítica, 1994.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: A invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (Org.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

HOLTORF, Cornelius. Archaeology is a brand!: The meaning of archaeology in contemporary popular culture. Oxford: Archaeopress, 2007.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, ano 18, n. 37, pp. 25-44, 2012.

JORGE, Vitor O. Arqueologia, património e cultura, Lisboa: Ed. Instituto Piaget, 2000.

LEVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia. Brasília: Ed. Universidade de Brasílila. 2002.

MACHADO, Juliana S. Dos artefatos às aldeias: os vestígios arqueológicos no entendimento das formas de organização social da Amazônia. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 49, n. 2. 2006.

MACHADO, Juliana S. Lugares de gente: mulheres, plantas e rede de trocas no delta Amazônico. 350 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Museu Nacional, Rio de Janeiro, 2011.

MARTINS, Cristiane P.; SCHAAN, Denise P. e SILVA, Wagner Fernando da V. Arqueologia do Marajó das Florestas: fragmentos de um desafio. In: SCHAAN, Denise P.; MARTINS, Cristiane P. (Org.). Muito além dos campos: arqueologia e história na Amazônia Marajoara. 1. ed. Belém: Gknoronha, 2010.

MARTINS, Paulo H. A sociologia de Marcel Mauss: Dádiva, simbolismo e associação. Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 73, p. 45-66, 2005.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

MEGGERS, Betty J. Amazônia: a ilusão de um paraíso. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1987.

NEVES, Eduardo Góes. O velho e o novo na arqueologia amazônica. Revista USP, n.44, dezembro/fevereiro, p. 86-111, 1999-2000.

NORA, Pierre. Entre história e memória – a problemática dos lugares. In: Projeto História 10, PUC-SP, p. 7-28, 1993. Disponível em: < www.pucsp.br/projetohistoria/downloads/revista/PHistoria10.pdf>. Acesso em 18 de fev. de 2013.

PENA, Rui. História de Gurupá: arqueologia revela a riqueza histórica de Gurupá, 2016. Disponível em: . Acesso em 20 Out.2016.

ROOSEVELT, Anna C. Arqueologia Amazônica. In: Cunha, M. C. (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Edusp, 2008.

SARRAF-PACHECO, Agenor. En el corazón de la Amazonia: identidade, saberes e religiosidade no regime das águas. 354 f. Tese (Doutorado em História Social) – Programa de Pós-graduação em História Social, Pontifícia Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

SARRAF-PACHECO, Agenor e SILVA, Jaddson Luiz S. Representações e interculturalidades em patrimônios marajoaras. Museologia e Patrimônio. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio. Unirio MAST, vol. 8, no 1, 2015.

SCHAAN, Denise Pahl. Cultura Marajoara. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2009.

TRIGGER, Bruce. História do pensamento arqueológico. São Paulo: Odysseus, 2004.

VELTHEM, Lucia Hussak V. Farinha, casas de farinha e objetos familiares em Cruzeiro do Sul (Acre). Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 50 nº 2, 2007.

VIANNA, Lucila Pinsard. De invisíveis a protagonistas: populações tradicionais e unidades de conservação. Rio de Janeiro: AnnaBlume, FAPESP, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v15i2.5322

Direitos autorais 2017 Habitus

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS | Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis B2

Flag Counter