Transitividades Sexuais - Análise Antropológica sobre Interdições Homoeróticas em Minissérie Sueca

Rodrigo Otávio Maroja Barata

Resumo


Resumo: este artigo visa a uma análise antropológica acerca da interdição do gay na topografia
da urbe, da desprotagonização e apagamento da memória dos gays à época do
surgimento do vírus HIV/AIDS, no boom sexual dos anos 1980, usando como referente
a minissérie sueca “Torka aldrig tårar utan handskar”, adaptado da obra homônima de
Jonas Gardell, dirigido por Simon Kaijser. Para tanto, estabelece-se um diálogo com David
Lowenthal, Marc Augé, Beatriz Sarlo, José Cantor Magnani e outros, a fim de observar
como se fortalecem cada vez mais os interditos contra gays e como se dá a invisibilidade do
protagonismo e da memória gay.
Palavras-chave: Homossexualidade. HIV/AIDS. Minissérie sueca. Invisibilidade. Memória A história dos grandes homens nos ensina

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v13.1.2015.113-126

Direitos autorais 2015 Habitus

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.