Os Sacerdotes da Verdade: tica e o Conceito de Registro Arqueológico

José Roberto Pellini

Resumo


Resumo: o que vemos quando encontramos em um sítio arqueológico um vasilhame cerâmico? Um objeto que foi utilizado um dia por alguém, ou apenas um registro arqueológico? Um corpo,um esqueleto, encontrado em uma tumba egípcia ou em uma urna funerária, é um individuoou apenas uma evidência? correto do ponto de vista ético, descartar um caco cerâmico? E acondicionar um esqueleto em uma caixa de plástico azul, é ético? Porque nos damos o direito fragmentar algumas peças e negamos há algumas comunidades o direito de deixar com que pinturas rupestres desapareçam? Quem nos transformou em sacerdotes da verdade? Este artigo procura responder a estas e outras questões através da discussão do que é registro arqueológico e como o conceito de registro resulta em uma série de implicações éticas que em geral desconsideramos.
Palavras-chave: tica. Registro Arqueológico. Ciência. Educação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v12.2.2014.291-306

Direitos autorais 2015 Habitus

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.