A Serra da Onça e os índios do Rio Doçe: uma perspectiva etnoarqueológica e patrimonial

Alenice Motta Baeta, Izabel Missagia de Mattos

Resumo


Este artigo focaliza a relação simbólica existente entre o povo Krenak e determinados ambientes do médio vale do Rio Doce especialmente os afloramentos quartzíticos das serras da Onça e do Boiadeiro, localizados na margem direita do rio por meio de uma perspectiva etnoarqueológica, identitária e patrimonial.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v5.1.2007.39-62

Direitos autorais

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.