O Fetiche do Patrimônio

Mariza Veloso

Resumo


O artigo trata da profunda mercantilização da cultura reinante na sociedade contemporânea, o que pode influenciar a dinâmica da produção e reprodução das manifestações que integram o universo patrimonial.Discute, ainda, o risco da fetichização das manifestações culturais, argumentando que a ênfase relativa ao patrimônio imaterial deve incidir na produção e reprodução do grupo social e nas formas de transmissão de tal patrimônio. Argumenta, igualmente, que os bens patrimoniais são diferenciados diante de outras mercadorias, na medida em que possuem uma densidade simbólica específica, resultado de sua produção eminentemente coletiva.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v4.1.2006.437-454

Direitos autorais

Rodapé - Habitus

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS| Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.