The Other is Different from Me

Clóvis Ecco, Wesley dos Santos Ribeiro

Resumo


The study analyzes the relationship between religion and violence in the Brazilian territory. Religious intolerance can be observed in the various aggressive behaviors against the faith of the other. The notes of tolerance incidence are shown as a general objective, specifying the concepts and characteristics of intolerance and tolerance, observing the socio-cultural formation. The different cultures found in the country dimension the importance of the plurality of religions. The influences of the Portuguese, Indian and African traditions are part of this syncretism. However, the conflicts between beliefs are constant, and there are violence against the right of expressions of faith, protected by law. Thus, intolerance is put forward as a show to bring to the fore the need for tolerance, since Brazil is recognized by ethnic, religious and other multiculturalism.

O Outro é o Diferente de Mim

O estudo traz a análise da relação entre religião e violência no território brasileiro. A intolerância religiosa pode ser observada nos diversos comportamentos agressivos contra a fé do outro. Os apontamentos das incidências de tolerância são mostrados como objetivo geral, sendo especificados os conceitos e as características de intolerância e tolerância, observando a formação sociocultural. As diferentes culturas encontradas no País dimensionam a importância da pluralidade de religiões. As influências das tradições portuguesas, indígenas e africanas fazem parte desse sincretismo. Entretanto, os embates entre crenças são constantes, havendo violências contra o direito de expressões de fé, resguardado em lei. Assim, a intolerância é colocada como mostra para trazer à baila a necessidade da tolerância, já que o Brasil é reconhecido pela multiculturalidade étnica, religiosa, entre outras.

 

 


Palavras-chave


Religião; Violência; Intolerância; Multiculturalismo

Texto completo:

PDF (portuguese)

Referências


BARRETO, Vicente de Paulo. Tolerância, exclusão social e os limites da lei. Rio de Janeiro: UERJ, 1997. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2015.

BITTENCOURT FILHO, José. Matriz religiosa brasileira: religiosidade e mudança social. Petrópolis, RJ: Vozes: Petrópolis; Rio de Janeiro: KOINONIA, 2003.

BRASIL. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988.

CARDOSO, Clodoaldo Meneguello. Tolerância e seus limites: um olhar latino-americano sobre diversidade e desigualdade. São Paulo: Unesp, 2003.

CORTELLA, Mário Sérgio. Recusar a destruição da convivência digna! (Valores inadiáveis). In: PASSET, Edson; OLIVEIRA, Salete (Orgs.). A tolerância e o intempestivo. Ateliê, 2005.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru,: EDUSC, 1999.

FONSECA, Denise Pini Rosalem da; GIACOMINI, Sonia Maria. Presença do axé: mapeando terreiros no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Pallas. 2013.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

LE GOFF, Jacques. As raízes medievais da intolerância. In: BARRET-DUCROCQ (dir.) A intolerância: Foro Internacional sobre a Intolerância, Unesco, 27 de março de 1997, La Sorbonne, 28 de março de 1997. Tradução: Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

LÉONARD, Emile-G. O protestantismo brasileiro. São Paulo: ASTE. 1963.

MARIANO, Ricardo. Pentecostais em Ação: A demonização dos cultos afro-brasileiros. In: Intolerância religiosa: impactos do neopentecostalismo no campo religioso brasileiro, 2015.

MARTELLI, Stefano. A religião na sociedade pós-moderna: entre a secularização e a Dessecularização. Tradução de Euclides Martins Balancin, São Paulo: Paulinas, 1995.

MAZZOLENI, Gilberto. Maghi e Messia del Brasile. Roma: Bulzoni, 1993.

MENDONÇA, Antônio Gouveia. “Religiosidade no Brasil: imaginário, pós modernidade e formas de expressão”. In: Revista Semestral de Estudos e pesquisas em religião. “Estratégias religiosas na sociedade brasileira”. São Bernardo do Campo: UMESP, Ano XII, 1990.

MEREU, Italo. A intolerância institucional origem e instauração de um sistema sempre dissimulado. In: BARRET-DUCROCQ (Dir.). A intolerância. Foro Internacional sobre a Intolerância, Unesco, 27 de março de 1997, La Sorbonne, 28 de março de 1997. Tradução de Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

OLIVEIRA, Irene Dias de. Religiões afro-brasileiras violência. Ciber teologia Revista de Teologia e Cultura. Ano VII, n. 35.

PISÓN, José Martinez. Tolerancia y derechos fundamentais en las sociedades multiculturales. Madrid: Tecnos, 2001.

POMPA, Cristina. “Uma história antiga: mobilidade, território e rebelião no sertão do são Francisco. Séculos XVII e XVIII”. Reunião da Associação Brasileira de Antropologia Norte e Nordeste. UFMA. São Luís, 2003.

PRISCO, Carmen S. As religiões de matriz africana e a escola. Guardiãs da Herança cultural, memória e tradição africana. São Paulo, 2012.

RICOEUR, Paul. Etapa atual do pensamento sobre a intolerância. In: BARRET-DUCROCQ (dir.) A intolerância: Foro Internacional sobre a Intolerância, Unesco, 27 de março de 1997, La Sorbonne, 28 de março de 1997. Tradução de Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

SILVA, Edilson Marques da. Negritude e fé: o resgate da autoestima. Faculdade de Filosofia Ciências e Letras “Carlos Queiroz”, Santa Cruz do Rio Pardo, SP, 1998.

SOUZA, Laura de Melo e. O diabo e a terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

VALENTE, Waldemar. Sincretismo religioso afro-brasileiro. 3. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/gua.v7i2.6228

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


GUARÁ | Departamento de Letras | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-4957 | Qualis B2

Flag Counter