Contemporary Lyricism of Delermando Vieira

Maria de Fátima Gonçalves Lima

Resumo


The talk of the Delermando lyric, the enigmatic and obscure way your, expresses the perspectives of contemporary lyric cannot be placed in doubt as to your meaning. According to Hugo Friedrich, in your modern lyrical structure (1978), the obscurity of fascinates the reader lyric as disconcerting. The magic of the word and your sense of mystery act deeply, making themselves understandable. This theory supports the idea of poetry as a self-contained creation, plurissignificativa, "consisting of an entanglement of absolute forces voltages, which act in pré-racionais strata, suggestively but also travelling in areas of vibrations Mystery of the concepts "(FRIEDRICH, 1978, p. 16). In this sense, the poetic work of Delermando Vieira has as a priority the polysemy of language with its mysteries and shades, a poetry made of riddles, resulting in a not too accessible.

 O Lirismo Contemporâneio de Delermando Vieira

A fala da lírica de Delermando, na sua maneira enigmática e obscura, exprime as perspectivas da lírica contemporânea que não pode ser colocada em dúvida quanto à sua significação. De acordo com Hugo Friedrich, em sua Estrutura da lírica moderna (1978), a obscuridade dessa lírica fascina o leitor “na medida em que o desconcerta. A magia de sua palavra e seu sentido de mistério agem profundamente, fazer-se compreensível” (Idem,p.16). Esta tese defende a ideia da poesia como uma criação auto-suficiente, plurissignificativa, “consistindo em um entrelaçamento de tensões de forças absolutas, as quais agem sugestivamente em estratos pré-racionais, mas também deslocam em vibrações as zonas de mistério dos conceitos” (Friedrich, 1978, p.16). Nesse sentido, a obra poética de Delermando Vieira tem como prioridade a polissemia da linguagem com seus mistérios e matizes, mesmo que este poeta seja acusado muitas vezes de enigmático. No entanto, a poesia é mesmo um enigma e um ouriço não muito acessível.


Palavras-chave


Lyric; Contemporaneity; Art; Mystery; Lírica; Contemporaneidade; Arte; Poesia; Conhecimento

Texto completo:

PDF (portuguese)

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Trad. Alfredo Bosi. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BLANCHOT, Maurice. O Espaço Literário. Trad. Albaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

BOSI, Alfredo. O Ser e o Tempo da Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CHEVALIER,J. & CHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos. Trad. Vera da Costa e Silva, et al. Rio de Janeiro: José OLYMPIO, 1990.

COHEN, Jean. A Plenitude da Linguagem (Teoria da Poeticidade). Trad. José Carlos Seabra Pereira. Coimbra: Livraria Almedina, 1987.

FRIEDRICH, Hugo. A estrutura da lírica moderna. Trad. Marise N. Curioni, São Paulo, Duas Cidades, 1978.

HEIDEGGER, MARTIN. Arte y Poesia. Trad. Samuel Ramos, México, Fondo de Cultura Económica, 1978. p.

HUGO, Friedrich. Estrutura da lírica moderna: da metade do século XIX a meados do século XX. Tradução do texto por Marise M. Curioni; trad. das poesias por Dora F. da Silva – São Paulo: Duas Cidades, 1978.

HUTCHEON, L. Poética do pós-modernismo: história, teoria e ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de janeiro: Imago,1991.

KANT, Immanuel, Crítica da razão pura. Trad. Valério Rohden e Udo Baldur Moosburger. São Paulo Nova Cultural, 1987.

KIERKEGAARD, Sören. Conceito de angústia; O desespero humano; temor e tremor. Trad. Carlos Grifo, José Maria Marinho. São Paulo, Nova Cultural, 1988.

LANGER, Susanne, K. Sentimento e Forma. Trad. Ana M. Goldberger Coelho e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva,1980.

LEFEBVE, Maurice-Jean. Estrutura do Discurso da Poesia e da Narrativa. Trad. José Carlos Seabra Pereira. Coimbra: Livraria Almedina, 1980.

LIMA, Maria de Fátima Gonçalves. O signo de Eros na Poesia de Gilberto Mendonça Teles. Goiânia, Kelps, 2005.

___O rio innesgotável de Delermando Vieira. http://www.jornalopcao.com.br/posts/opcao-cultural/o-rio-inesgotavel-de-delermando-vieira

NUNES, Benedito. Passagem para o Poético. São Paulo: Ática, 1986.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Obras incompletas; seleção de textos de Gerard Lebrun, Trad. de Rubens Rodrigo Torres Filho. São Paulo, Nova Cultural, 1987.

NEWTON, Sir Isaac. Princípios matemáticos da filosofia natural. Trad. Carlos Lopes de Matos.São Paulo. Nova Cultural, 1987.

PAZ, Otávio. O arco e a Lira. Trad. Olga Savary. Rio de Janeiro, Agir, 1980.

POUD, Ezra. ABC da Literatura. Trad. Augusto de Campos e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2002.

POUD, Ezra. A arte da poesia. Trad. Heloísa de Lima Duarte e José Paulo Paes. São Paulo, Cultrix. Universidade de São Paulo, 1976

RICOEUR, Paul. A Metáfora Viva. Trad. Dion Davi Macedo. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

ROTTEDAM, Erasmo de. Elogio da loucura. Trad. Paulo M. Oliveira. São Paulo, Nova Cultural, 1988.

VIEIRA, Delermando. Os labirintos do novelo. Goiânia, Instituto Goiano do Livro (IGL), Unidade da Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira (Agepel), 2000.

WALTHER, Ingo F. et alli. Vicent Van Gogh. Trad. Cristina Rodriguez e Artur Guerra. Lisboa. Taschen, 1998.

www.encantosepaixoes.com.br/poesia1742.htm




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/gua.v7i2.6222

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


GUARÁ | Departamento de Letras | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-4957 | Qualis B2

Flag Counter