SER DE DIREITA E DE ESQUERDA HOJE: A POLÍTICA PELO OLHAR DE UNIVERSITÁRIOS RECÉM-INGRESSOS

Stéphanie Chiconeli Tabata, Antonio Euzébios Filho

Resumo


Esta é uma pesquisa qualitativa realizada com jovens universitários, e investiga o que pensam sobre política e o que entendiam por esquerda e direita – quais seriam as instituições e/ou movimentos que caracterizariam os campos políticos, ou simplesmente se há antagonismo. Utilizamos os conceitos de política e consciência de classe em Marx para analisar as informações obtidas. Da intepretação teórica, temos que as noções de direita e esquerda indicaram, de forma geral, princípios balizadores de certas subjetividades políticas. Mesmo em um cenário de crise de representatividade, especialmente observado entre jovens, os referenciais de esquerda e direita permanecem com fronteiras claras entre eles. A oposição entre esquerda e direita se manifestou pela rivalização de determinados partidos e movimentos sociais: MBLxMTST, PTxPSDB/PSL. Concluímos que, para este público específico, esquerda e direita apareceram como campos em oposição no debate político nacional, mas as caracterizações destes campos não recorrem, necessariamente, a noções como classe social.

Palavras-chave


Jovens; Política; Consciência; Ideologia.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILLAR, Jeannette. Elleciones 2015: ruptura institucional e desafección política. Estudos Centro Americanos, v. 70, n. 740, p. 45-60, 2015.

BOBBIO, Norberto. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: editora UNESP, 1995.

CAMINO, Leoncio.; COSTA Joseli Bastos da. Participação Política do Adolescente: Indicação de uma Abordagem Psico-Social a Partir da Noção de Identidade. Temas psico, v. 2, n. 1, p. 1-16, 1994.

CAMINO, Leoncio; SILVA, Eleneide A. da; SOUZA, Sânzia M. de. Primeiros passos para a elaboração de um Modelo Psicossociológico do Comportamento Eleitoral: estudo dos eleitores de João Pessoa na campanha de 1992. Estud. psicol. (Natal) [online]., v. 3, n. 1, p. 7-32, 1998.

CARVALHO, Guilherme Augusto Batista. A esquerda aceitável: a transição do PT para o reformismo no contexto das eleições de 1994, 1998 e 2002. Global Journal of Human Social Science, v. 16, n. 2, p. 19-33, 2016.

CODATO, Adriano; BOLOGNESI, Bruno; ROEDER, Karolina M. Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2015. p. 115-144.

DOWNS, Anthony. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Edusp, 1999.

EUZÉBIOS FILHO, Antônio. “Voto sim pela minha família!”: Psicologia social e a conjuntura atual no Brasil. In: TOASSA, Gisele; SOUZA, Tatiana Machiavelli Carmo; RODRIGUES, Divino de Jesus da Silva. Psicologia sociohistórica e desigualdade social: do pensamento a práxis. Ed. Imprensa Universitária, 2019. p. 89-107.

EUZEBIOS FILHO, Antônio; GUZZO, Raquel Souza Lobo. A conjuntura após junho de 2013: olhares cruzados sobre participação política e resistência. Psicol. USP, São Paulo, v. 29, n. 2, p. 159-168, ago. 2018.

FLORENTINO, Renata. Democracia liberal: uma novidade já desbotada entre os jovens. Opinião Pública, v. 14, n.1, p. 205-235, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREITAS, Maria Thereza de Assunção. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cad. Pesqui, n. 116, p. 21-39, 2002.

FREITAS, Marcel de Almeida. A esquerda brasileira em tempos neoliberais. Revista de Ciência Política, Rio de Janeiro, v. 17, 2004.

GERBAUDO, Paolo. ‘Follow me, but don’t ask me to lead you!’: Liquid Organising and Choreogaphic Leadership. In: GERBAUDO, Paolo. Tweets and the streets: social media and contemporary activism. London: Pluto Press, 2012. p. 134-158.

GOHN, Maria da Glória. A formação dos cidadãos nos cursos do MST. Sociologias, Porto Alegre, ano 1 e 2, p. 144-189, jul./dez. 1999.

GOHN, Maria da Glória. Manifestações e protestos no Brasil: correntes e contracorrentes na atualidade. São Paulo: Cortez, 2017.

IASI, Mauro. As Metamorfoses da Consciência de Classe: entre a negação e o consentimento. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

JACQUES, Maria da Graça Correa. Um método dialético de análise de conteúdo. Revista Psico., v. 24, v. 2, p. 34-52, 1993.

MARTÍN-BARÓ, Ignacio. O Papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia, Natal, v. 2, n. 1, 1996.

MARTÍNS, Lígia Márcia. As aparências enganam: divergências entre o materialismo histórico e dialético e as abordagens qualitativas de pesquisa. Anais da 29ª. Reunião Anual da ANPEd. Caxambu, 2006.

MARX, Karl. Glosas críticas marginais ao artigo “O rei da Prússia e a reforma social”. De um prussiano. Práxis, Belo Horizonte: Projeto Joaquim de Oliveira, n. 5, out./dez. 1844/1995.

MESSENBERG, Debora. O Paradoxo da Democracia. A participação Política dos Alunos da Universidade de Brasília. Civitas, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. e1-e23, jan./mar. 2015.

RICCI, Rudá. Identidades de esquerda. O que é ser de esquerda no século XXI? REA, n. 99, p. 5-12, 2009.

ROMÃO, Wagner de Melo. As manifestações de junho e os desafios à participação institucional. In Boletim de análises institucionais, IPEA, n. 9, p. 11-20, 2013.

SILVA, Maria Fernanda da.; BERTOLDO, Edna. O Conceito de Política em Marx: Análise de Obras de 1843 a 1871. Revista Eletrônica Arma da Crítica, Ano 3, n. 3, dez. 2011.

SINGER, André. Brasil, junho de 2013, classes e ideologias cruzadas. Novos estud. - CEBRAP, São Paulo, n. 97, p. 23-40, nov. 2013.

TAROUCO, Gabriela da Silva; MADEIRA, Rafael Machado. Esquerda e direita no sistema partidário brasileiro: análise de conteúdo de documentos programáticos. Revista Debates, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 93-114, maio-ago. 2013.

TELLES, Helcimara. Jovens Eleitores: Decifra-me ou te devoro. Debate, Belo Horizonte, v. 2, n. 11, p. 22-27, nov. 2011.

TONET, Ivo. Educação e emancipação humana. Ijuí, RS: Unijuí, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v29i3.7837

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.