JOVENS DA PERIFERIA DE GOIÂNIA E A MÍDIA: QUANDO AS NARRATIVAS DA TV MASCARAM A REALIDADE

Eliani de Fátima Covem Queiroz

Resumo


Este artigo traz o resultado de uma pesquisa realizada com jovens da periferia de Goiânia, sobre como veem as notícias transmitidas por telejornais sobre as mortes de jovens pobres da periferia de Goiânia e região metropolitana da capital. Nos depoimentos os jovens alegam que as notícias são parciais. A coleta de dados foi realiza por meio da entrevista semiestruturada e os dados analisados segundo a teoria do enquadramento. Os jovens consideram a cobertura realizada por essas emissoras muito falha, porque não informam de maneira adequada o público, trazendo dados imprecisos e incompletos, o que configura uma forma de mau jornalismo.

Palavras-chave


Polícia; Jovem; Assassinato; Telejornalismo; Notícia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, Helena Wendel. Cenas juvenis. São Paulo: Scritta, 1994.

ABRAMOVAY, Míriam; CASTRO, Mary Garcia; PINHEIRO, Leonardo de Castro; LIMA, Fabiano de Souza; MARTINELLI, Caudia da Costa. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: Desafios para políticas públicas. Brasília, DF: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, 2002. Disponível em: unesdoc.unesco.org/images/0012/ 001271/127138por.pdf. Acesso em: 22 set. 2019.

BRAGA, José Luiz. A sociedade enfrenta sua mídia: dispositivos sociais de crítica midiática. São Paulo: Paulus, 2006.

CURADO, Olga. A notícia na TV: o dia-a-dia de quem faz telejornalismo. São Paulo: Alegro, 2010.

DANTAS, Marcela; VIMIEIRO, Ana Carolina. Entre o explícito e o implícito: proposta para a análise de enquadramentos da mídia. Revista do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, v. 5, n. 2, dez. 2009.

GOFFMAN, Erving. Frame analysis. Nova York: Harper & Row, 1974.

GROPPO, Luís Antonio. Dialética das juventudes modernas e contemporâneas. Revista de Educação do Congeime. Ano 13, n. 25, dez. 2004.

GROPPO, Luís Antonio. Uma onda mundial de revoltas: movimentos estudantis nos anos 1960. Tese (Doutorado) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Sociologia, Universidade Estadual de Campinas Unicamp), mimeo, 2000.

GUTMANN, Juliana Freire. Quadros narrativos pautados pela mídia: framing como segundo nível do agendasetting? Revista Contemporâsnea, v. 4, n. 1, p. 25-50, jun. 2006.

IDOETA, Paula Adamo. Brasil perde jovens para violência em patamar de países como Haiti, aponta Atlas da Violência. BBC News Brasil, 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-48504184. Acesso em: 25 set. 2019.

KRUG, Etienne et al. (org.). Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: Organização Mundial da Saúde, 2002.

MINAYO, Maria Cecília. Impactos da violência na saúde. Secretaria da Mulher. Londrina, Paraná, 2012. Disponível em: http://www1.londrina.pr.gov.br/dados /images/stories/Storage/sec_mulher/capacitacao_rede%20/modulo_2/205631-conceitos_teorias_tipologias_violencia.pdf. Acesso em: 26 set. 2019.

MORAES, Pedro Bodê de. Juventude, medo e violência. In: Ciclo de Conferências Direito e Psicanálise. Novos e Invisíveis Laços, 2005.Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/pdf/cursos_eventos/governanca_2006/gover_2006_01_juventude_medo_pedro_bode.pdf. Acesso em: 24 set. 2019.

PENA, Felipe. Teoria do jornalismo. São Paulo: Contexto, 2015.

PERALVA, Angelina. O jovem como modelo cultural. Revista Brasileira de Educação, n. 5/6, 1997.

RAMOS, Silvia; PAIVA, Anabela. Mídia e violência: o desafio brasileiro na cobertura sobre violência, criminalidade e segurança pública. Cadernos Adenauer, v. IX, n. 4, 2008, p. 29-41.

RAMOS, Silvia; PAIVA, Anabela. Mídia e violência: novas tendências na cobertura da criminalidade e segurança no Brasil. Rio de Janeiro; Iuperj, 2007.

SCHURDSON, Michael. Mau jornalismo. Manual da credibilidade, 2019. Disponível em: https://www.manualdacredibilidade.com.br/maujornalismo. Acesso em: 26 set. 2019.

TRAQUINA, Nelson. Teoria do Jornalismo: porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2005. V. I

VARJÃO, Suzana. Micropoderes, macroviolências. Salvador: Edufba, 2008.

WANSETTO, Rosilene. Estado e a violência contra a juventude. 2013. Disponível em: http://www.jubileusul.org.br/analises/artigos/estado-e-a-violen cia-contra-a-juventude/. Acesso em: 25 set. 2019.

WEISHEIMER, Nilson. Apontamentos para uma sociologia da juventude. Revista Cabo-Verdiana de Ciências Sociais, ano 1, n. 1, jan./jun. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v29i3.7811

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.