VIVÊNCIAS DE JUVENTUDES EM ESPAÇOS URBANOS: GRAFITE E PICHAÇÃO COMO EXPRESSÕES DE SUBJETIVIDADE

Luciano Domingues Bueno, Maria Laura Barros da Rocha, Adélia Souto Oliveira

Resumo


Grafites e pichações são recursos privilegiados de aproximação entre processos psicossociais constitutivos das juventudes e movimentos sociais. Para tanto, objetiva-se refletir sobre as juventudes no contexto urbano e estabelecer suas relações psicossociais com os territórios e seus processos de constituição mútua, por meio do registro de 224 fotografias em 24,2 quilômetros de vias públicas de Maceió, Alagoas. Na análise qualitativa delinearam-se 326 inscrições, presentes nas imagens, com as categorias temáticas: Assinaturas, Torcida Organizada e Política. Os resultados indicam o grafismo urbano como objetivação da pluralidade das juventudes em suas marcas, discursos e utilização de via alternativa aos canais hegemônicos de comunicação. Conclui-se que as inscrições urbanas grafites/ pichações são expressões da subjetividade. Ideias políticas, culturais, desportistas, vivenciadas na cidade são compartilhadas e difundidas, por essas produções, e constituem memória, com seus conteúdos sociais e históricos, ou seus efeitos estéticos - das formas e cores - que as constituem.

Palavras-chave


Juventudes; Subjetividades; Psicologia Social.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVITO, M. Maçaranduba neles! Torcidas organizadas e policiamento no Brasil. Tempo, v. 19, n. 34, p. 81-94, 2013. Disponível em:https://dx.doi.org/10.5533/TEM-1980-542X-2013173408. Acesso em: 10 maio 2019.

AUGUSTIN, D.; GEARA, G.; KESSLER, H.; CASTRO, R. Desnaturalizando o conceito de Juventude através dos tempos. (s.d). Disponível em: http://www.ufrgs.br/e-psico/subjetivacao/tempo/juventude-texto.html. Acesso em: 07 out. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

CEARÁ, A.; DALGALARRONDO, P. Jovens pichadores: perfil psicossocial, identidade e motivação. Psicologia USP, v. 19, n. 3, p. 277-293, 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642008000300002. Acesso em: 10 out. 2019.

CLINI, M. M. As Cores de Pastore: reflexões fenomenológicas sobre o grafite e a arte de viver. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 13, n. 2, p. 646-676, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/ v13n2/v13n2a14.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.

COSTA-MOURA, F. Manifestos de quem não tem o que dizer: adolescentes contemporâneos e os graffiti de rua. Estilos clin., 10(18), 116-130, 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/esti c/v10n18/v10n18a10.pdf. Acesso em: 05 set. 2017.

DAYRELL, J. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, n. 24, p. 40-52, 2003. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782003000300004. Acesso em: 05 set. 2017.

FURTADO, J. R. Inventi(cidade): os processos de criação no graffiti. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2007.

FURTADO, J. R.; ZANELLA, A. V. Graffiti e cidade: sentidos da intervenção urbana e o processo de constituição dos sujeitos. Revista Mal Estar e Subjetividade, v. 9, n. 4, p. 1279-1302, 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/malestar/v9n4/10.pdf. Acesso em: 27 jun. 2017.

MINAYO, M. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, v. 5, n. 7, p. 1-12, 2017. Disponível em: https://editora.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/82/59. Acesso em: 15 nov. 2019.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2007.

PADILLA, V. A pichação como fenômeno socioambiental na cidade de Manaus. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Manaus: Universidade Federal do Amazonas, 2013.

PEREIRA, A. B. As marcas da cidade: a dinâmica da pixação em São Paulo. Lua Nova, v. 79, n. 1, p. 143-162, 2010. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452010000100007. Acesso em: 15 out. 2019.

SILVA, R. L. Escutando a adolescência nas grandes cidades através do grafite. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 24, n. 4, p. 2-11, 2004. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-9893 200 4000400002&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 27 jun. 2017.

STASSUN, C. C. S.; PRADO FILHO, K. (2012). Geoprocessamento como prática biopolítica no governo municipal. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 6, p. 1649-1669, 2012. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122012000600011. Acesso em: 15 mar. 2019.

TAVARES, A. Ficções urbanas: estratégias para a ocupação das cidades. ARS, São Paulo, v. 8, n. 16, p. 21-30, 2010. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S1678-53202010000200002. Acesso em: 10 mar. 2019.

VEER, R.V.D.; VALSINER, J. Vygotsky: uma síntese. São Paulo: Loyola, 1996.

VIANNA, R. de L. S. Culturas juvenis na FEBEM. Imaginário, v. 11, n. 11, p. 277-316, 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413666X2005000200013&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 27 jun. 2017.

VIEGAS, G. S.; SARAIVA, L. A. S. Discursos, práticas organizativas e pichação em Belo Horizonte. RAM, Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 5, p. 68-94, 2015. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n5p68-94. Acesso em: 27 jun. 2017.

VYGOTSKY, L. S. Psicologia da Arte. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1999a.

VYGOTSKY, L. S. A tragédia de Hamlet, príncipe da Dinamarca. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1999b.

VYGOTSKY, L. S. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico: ensaio para professores. Tradução de Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WEDEKIN, L. M. Psicologia e arte: os diálogos de Vygotsky com a arte russa de seu tempo. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v29i3.7800

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.