POLÍTICAS PÚBLICAS E DESAFIOS PARA JOVENS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ÂMBITO DO ENSINO SUPERIOR

Elaine Morais da Silva, Divino de Jesus da Silva Rodrigues, Alessandro Pereira da Silva

Resumo


Este trabalho investigou as políticas públicas e os desafios que enfrentam os jovens com necessidades educacionais especiais referentes à permanência no âmbito universitário. Quer contribuir desta maneira, com as reflexões sobre as políticas de inclusão no ensino superior no país. É um estudo de caráter qualitativo, alicerçou-se na pesquisa bibliográfica como procedimento metodológico e no método do materialista histórico dialético, que foram suportes às discussões acerca da temática proposta. Os resultados apontam que apesar de politicas públicas existentes de acesso e permanência, muitos ainda são os desafios a serem superados, principalmente, em relação às políticas de permanência, entre os quais, a potencialização dos núcleos de acessibilidade como órgão articulador e implementador de ações voltadas a acessibilidade e politicas institucionais de formação continuada aos docentes acerca das demandas de inclusão, para de fato, concretizar a garantia de direito à educação para todos e todas no âmbito universitário.

Palavras-chave


Políticas Públicas; Jovens; Necessidades Educacionais; Ensino Superior.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, D. S. S.; AGUILAR, L. E. A Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva em Jundiaí: uma análise do processo de implementação. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 24, n. 3, p. 373-388, jul./set., 2018.

BREITENBACH, F. V.; FABIANE, C. H.; COSTAS, A. T. Educação inclusiva: as implicações das traduções e das interpretações da Declaração de Salamanca no Brasil. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 24, n. 90, p. 359-379, abr./jun. 2016.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília - DF, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 06 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Aviso Curricular n. 277, de 8 de maio de 1996. Dirigido aos Reitores das IES solicitando a execução adequada de uma política educacional dirigida aos portadores de necessidades especiais. 1996a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aviso277.pdf. Acesso em: 16 maio 2019.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 1996b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/cc ivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 22 maio 2019.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. 2001a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: 08 nov. 2019.

BRASIL. Parecer CNE/CEB 17/2001 - Despacho do Ministro em 15 de agosto de 2001, publicado no Diário Oficial da União de 17 de agosto de 2001, Seção 1, p. 46. 2001b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/parecer17.pdf. Acesso em: 08 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n 3.284, de 7 de novembro de 2003. Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de reconhecimento de cursos, e de credenciamento de instituições. Brasília: Ministério da Educação: 2003. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/port3284.pdf. Acesso em: 28 maio 2019.

BRASIL. Decreto n. 5.296, de 02 de dezembro de 2004. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ato2004-2006/2004/decreto/d52 96.htm. Acesso em: 02 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Edital n° 4. Seleção de Propostas. Programa Incluir: acessibilidade na educação superior. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 84, seção 3, p.39-40, 5 maio. 2008a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=dow l oad&alias=816-incluir-propostas-pdf&category_slug=documentos-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 02 maio 2019.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=comdoc man&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192. Acesso em: 02 maio 2019.

BRASIL. Decreto n. 6.949, de 25 de agosto de 2009. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 de agosto de 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em: 02 maio 2019.

BRASIL. Decreto n. 7.611 de 17 de novembro de 2011. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm. Acesso em: 03 nov. 2019.

BRASIL. Lei federal nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE. 2013a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei /L12852.htm. Acesso em: 22 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão/Secretaria de Educação Superior. Documento orientador: Programa Incluir – acessibilidade no ensino superior. Brasília, DF: [s.n], 2013b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?opion=com_docman&vie w=downl oad&alias=13292-doc-ori-progincl&category_slug=junho-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 02 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo Escolar MEC/INEP. Principais Indicadores da Educação de Pessoas com Deficiência. Brasília: MEC/INEP, 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=comdocman&view=downl oad&alias=16759-principais-indicadores-da-educacao-de-pessoas-com-deficiencia&Itemid=30192. Acesso em: 03 nov. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 03 nov. 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior, 2018. Brasília: 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2019/censo_da_educacao_superior_2018-notas_estatisticas.pdf. Acesso em: 03 nov. 2019.

CABRAL, L. S. A. Inclusão do público-alvo da educação especial no ensino superior brasileiro: histórico, políticas e práticas. Rev. Educ. PUC-Camp., Campinas, v. 22, n. 3, p. 371-387, set./dez., 2017.

COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. (orgs.). Desenvolvimento Psicológico e Educação: transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artemed, 2004.

DAVIDOVICH, L. (org.). Repensar a educação superior no Brasil: análise, subsídios e propostas. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 2018.

FERREIRA, J. R.; FERREIRA, M. C. C. Sobre Inclusão, políticas públicas e práticas pedagógicas. In: GÓES, M. C. R.; LAPLANE, A. L. F. (orgs.). Políticas e práticas de educação inclusiva. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2013. p. 21-44.

FERNANDES, P. D.; PRADO, R. B. Inclusão e Ensino Superior: políticas e desafios na Universidade Federal de Sergipe. Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional. v. 10, n. 1, 2017.

FONSECA, M. A gestão da educação básica na ótica da cooperação internacional: um salto para o futuro? In: VEIGA, I. P. A.; FONSECA, M. As dimensões do projeto político-pedagógico. Campinas: Papirus, 2003. p. 13-41.

FREIRE, P. Conscientização, teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Editora Centauro, 2005.

GARCIA, R. M.C.; MICHELS, M. H. A política de Educação Especial no Brasil (1991- 2011): uma análise da produção do GT15 – Educação Especial da Anped. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 17, p. 105-124, maio/ago. 2011. (Edição especial).

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. Inclusão escolar de alunos com necessidades especiais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

LENOIR, Y. Du libéralisme au néolibéralisme: quels impacts pour les finalités éducatives scolaires et pour les savoirs disciplinaires? In: LENOIR, Y.; ADIGÜZEL, O.; LENOIR, Y.; LIBÂNEO, J. C.; TUPIN, F. (org.). Les finalités éducatives scolaires: Pour une étude critique des approches théoriques, philosophiques et idéologiques. Saint-Lambert: Groupéditions Éditeurs, 2016. p. 159-280.

LIBÂNEO, J. C.; FREITAS, R. A. M. M. (org.). Políticas educacionais neoliberais e escola pública: uma qualidade restrita de educação escolar. Goiânia: Editora Espaço Acadêmico, 2018.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2006.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MARTINS, L. M.; LAVOURA T. N. Materialismo histórico-dialético: contributos para a investigação em educação. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 34, n. 71, p. 223-239, set./out. 2018.

MELO, F. R. L. V.; ARAÚJO, E. R. Núcleos de Acessibilidade nas Universidades: reflexões a partir de uma experiência institucional. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, Número Especial, 2018. p.57-66.

MINAYO, M. C. S. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 34 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

MOREIRA, L. C.; BOLSANELLO, M. A.; SEGER, R. G. Ingresso e permanência na Universidade: alunos com deficiências em foco. Educar em Revista, n. 41, p. 125-143. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_artte xt&pid=S0104-40602011000300009. Acesso em: 21 set. 2016.

POKER, R. B.; VALENTIM, F. O. D.; GARLA, I. A. Inclusão no ensino superior: a percepção de docentes de uma instituição pública do interior do estado de São Paulo. Psicologia Escolar e Educacional, SP. Número Especial, 2018. p. 127-134.

SANTOS, T.; HOSTINS, R. C. L. Política Nacional para a Inclusão no Ensino Superior: uma revisão da legislação. UNOPAR Cient., Ciênc. Human. Educ., Londrina, v. 16, n.3, p. 194-200, 2015.

SIQUEIRA, G. M. de O.; SILVA, L. R; RIBEIRO, P. M. Educação Inclusiva no Ensino Superior: Desafios e Possibilidades. Revista Científica FacMais, v. 5, n. 1, p. 216-228, 2016.

TOMELIN, K. N. et al. Educação inclusiva no ensino superior: desafios e experiências de um núcleo de apoio discente e docente. Rev. psicopedag., São Paulo, v. 35, n. 106, p. 94-103, 2018 .

TOMELIN, K. N. Núcleos de apoio psicopedagógicos no Brasil: panorama de 52 núcleos ativos em 2015. Rev Psicopedag., v. 32, n. 98, p. 248, 2015.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. In: Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas: Acesso e Qualidade. Salamanca: Unesco. 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/ salamanca.pdf. Acesso em: 11 abr. 2019.

WELLICHAN, D. S. P.; SOUZA, C. S. A inclusão na prática: alunos com deficiência no ensino superior. Revista on line de Política e Gestão Educacional, v. 21, n. 1, p. 146-166, 2017.

VEIGA‐NETO, A. Incluir para excluir. In: LARROSA, J.; SKLIAR, C. (org.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas: Vol. 3. Problemas del desarollo de la psique. Madrid, España: Visor. 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v29i3.7798

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.