UM ESTUDO SOBRE O JOVEM CATOPÊ DO TERNO DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO EM MONTES CLAROS-MG NA CONTEMPORANEIDADE

Viviane Bernadeth Gandra Brandão, Vânia de Fátima Noronha Alves

Resumo


Este estudo consiste em apresentar e analisar quem é o jovem catopê do terno de Nossa Senhora do Rosário em Montes Claros - MG. Os catopês, em sua maioria são homens negros adultos, jovens e crianças, os quais formam um grupo denominado de terno que fazem parte do congado norte mineiro. Ele se destaca por ser o que possui o maior número de jovens que expressam em suas ações uma mistura de ritos africanos e católicos. Este trabalho fundamenta-se no Estatuto da Juventude (2013), Brandão (2002) e Alves (2008). Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratória com abordagem etnográfica, por meio da observação participante e entrevistas, conduzidas por um grupo focal. Os resultados contribuem, para uma reflexão sobre o jovem, no sentido de uma tradição duradoura que perpassa a dinâmica da cultura e da educação na contemporaneidade.

Palavras-chave


Jovem; Tradição religiosa; Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Vânia de Fátima Noronha. Os festejos do Reinado de Nossa Senhora do Rosário em Belo Horizonte/MG: práticas simbólicas e educativas. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. 252 p.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A Educação Como Cultura. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2002.

BRASIL. Lei.12.852 de 05 de agosto – Estatuto da Juventude. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/112852.htm. Acesso em: 20 abr. 2018.

CARRANO, Paulo César Rodrigues. Jovens na Cidade. Trabalho e Sociedade, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, ago. 2001.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 6. ed. Itatiaia, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

COLARES, Mona Lisa Campanha. A Tradição Mundo Contemporâneo: análise dos caboclinhos montesclarense - terno do congado das Festas de Agosto. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - MG, 2006.

COSTA, João Batista de Almeida. Cultura, natureza e populações tradicionais: o Norte de Minas como síntese da nação brasileira. Revista Verde Grande, Montes Claros: Unimontes, v. 1, n. 3, dez./fev. 2006.

CROCHIK, José Leon. Os desafios atuais do estudo da subjetividade na psicologia. Psicologia, USP, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 69-85, 1998.

DAYRELL, Juarez Tarcísio; CARRANO, Paulo César Rodrigues. Jovens no Brasil: Difíceis travessias de fim de século e promessas de outro mundo. 2003.

FEAHERSTONE, Mike. A globalização da complexidade. RBCS, São Paulo, n. 32, v. 11, p. 105-124, out. 1996.

HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

IBGE, Instituto brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos & Pesquisa, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101459.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

JACQUES, Maria da Graça Correa Jacques et al. Psicologia social contemporânea: livro-texto. Editora Vozes Limitada, 2014.

LUCAS, Glaura. Os Sons do Rosário: o congado Mineiro dos Arturos e Jatobá. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MALVEIRA, Ricardo Ribeiro. Os Catopês de São Benedito em Montes Claros: rastros de uma ancestralidade mineira negra e festiva. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Bahia, 2011.

MARTINS, Saul. Congado: família de sete irmãos. Belo Horizonte: SESC, 1988.

MOREIRA, Alberto da Silva. O deslocamento do religioso na sociedade contemporânea. Estudos de religião, Ano XXII, n. 34, 2008.

NOVAES, Regina. Os jovens “sem religião”: ventos secularizantes, “espíritos de época” e novos sincretismos. Notas preliminares. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 52, p. 321-330, 2004.

PAULA, Hermes Augusto de. Montes Claros sua História sua gente seus costumes-parte III. Montes Claros: Editora Unimontes, 2007.

PAULA CARVALHO, J. C. de. Antropologia das organizações e educação: um ensaio holonômico. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

RIBEIRO, Regiane Pereira. BELIN, Luciane Leopoldo. Guerreiras da quebrada: o empoderamento da mulher da periferia no programa esquenta. Cultura e Mídia, v. 11, n. 2, p. 36-52, 2016.

SANTOS, Erisvaldo P. Religiosidade, identidade negra e educação: o processo de construção de subjetividades de adolescentes dos Arturos. Dissertação (Mestrado) - FAE/UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, 1997.

SODRÉ, Muniz. A verdade seduzida: por um conceito de cultura no Brasil. São Paulo: DP&A, 2005.

SALES JUNIOR, Jaime Souza; CARNEIRO, Tereza Cristina Janes; DIAS, Taciana de Lemos. Indicadores de Desempenho dos Cursos de Graduação da Universidade Federal do Espírito Santo: perfil por grupos e análise comparativa no período de 2011 a 2014. Revista Meta: Avaliação, [S.l.], v. 7, n. 21, p. 306-331, fev. 2016.

SILVA, Júnia Bertolina da. O congado na comunidade dos Arturos: catolicismo ou culto africano? Monografia de graduação. UFMG. Belo Horizonte, 2002.

SILVA, Mônica Ribeiro da. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, 2018.

SIMÕES, Carlos Artexes. Políticas públicas do ensino médio: realidade e desafios. In: FERREIRA, Cristina Araripe (org.). Juventude e iniciação científica: políticas públicas para o ensino médio. Rio de Janeiro: EPSJV; UFRJ, 2010.

TEIXEIRA, Faustino. Faces do catolicismo brasileiro contemporâneo. Revista USP, São Paulo, n. 67, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v29i3.7728

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.