AS FACETAS DA FÉ PARA PESSOAS QUE VIVEM COM O VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA

Virgínia Paiva Figueiredo Nogueira, Antonio Marcos Tosoli Gomes, Themistoklis Apostolidis, Júlio César Cruz Collares-da-Rocha, Karen Paula Damasceno dos Santos Souza, Magno Conceição das Mercês

Resumo


Para a inconstância das situações adversas de vida, percebe-se a fé como fonte de estímulo ao equilíbrio na vida das Pessoas Vivendo com HIV (PVHIV). Este estudo é exploratório, descritivo com abordagem qualitativa, embasado pela Teoria das Representações Sociais (TRS), e objetiva analisar a fé no contexto da TRS. Foi realizado com 166 PVHIV atendidas num ambulatório especializado. Foram colhidas evocações ao termo espiritualidade e, em seguida, justificativas, a partir destas, analisamos os sentidos do cognema fé com o auxílio do software IRAMUTEQ. A partir da análise foram geradas 8 classes que mostram os diferentes sentidos na fé dentro das representações sociais da espiritualidade. Assim conclui-se que os participantes representam a fé, como um objeto dessacralizado e importante para as atividades cotidianas e de enfrentamento, e também há uma forte relação da fé com o divino e a religiosidade. Tais dimensões podem ser observadas e valorizadas durante o cuidado.

Palavras-chave


fé; espiritualidade; HIV; enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


AMATUZZI, M.M. Psicologia do desenvolvimento religioso: religiosidade nas fases da vida. São Paulo: Ideias & Letras, 2015.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim epidemiológico Aids-DST. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018, 77p. Disponível em: < http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-hivaids-2018 >. Acesso em: 07 fev. 2019.

BRINGEL, A.P.V. et al. Vivência de mulheres diagnosticadas com HIV/AIDS durante a gestação. Cienc Cuid Saude, v.14, n.2, p.1043-1050, 2015.

CAMARGO, B.V.; JUSTO, A.M. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas psicol., v.21, n.2, p513-518, 2013.

CARVALHO, J.R. Fé e razão: dimensões essenciais da pessoa humana. Scientia, v.3, n.6, p.1-11, 2016.

CORSO DA MOTTA, M.D.G. et al. Cuidado familial no mundo da criança e adolescente que vivem com HIV/AIDS. Ciencia y Enfermería, n.3, p.69-79, 2014.

CULLIFORD, Larry. A psicologia da espiritualidade: O estudo do equilíbrio entre mente e espírito. 1ª. Ed. São Paulo: Editora Fundamento Educacional Ltda., 2015.

ENCARNAÇÃO, P.; OLIVEIRA, C.C.; MARTINS, T. A nanopartícula da fé na intervenção dos enfermeiros. Revista Reflexão e Ação, v.24, n.2, p.24-39, 2016.

FRAGOSO, J. Fé: relativização e superação das auto interpretações. Cadernos do ISER, v.3, p.19-28, 1975.

GALVÃO, M.T.G. et al. Estratégias de mães com filhos portadores de HIV para conviverem com a doença. Cogitare Enfermagem, v.18, n.2, p. 230-237, 2013.

GOMES, A.M.T. et al. Representações sociais da espiritualidade de quem vive com Aids: um estudo a partir da abordagem estrutural. Psicologia e Saber Social, v.5, n.2, p.187-197, 2016.

HIPÓLITO, R.L. Representações sociais da qualidade de vida no HIV/AIDS: o papel do tempo de diagnóstico. Rev Enferm UERJ, v.22, n.6, p.753-759, 2014.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: Denise Jodelet (Org). As representações sociais. Rio de Janeiro: Ed.UERJ, 2001.p.17-44.

JODELET, D. La perspective Interdisciplinaire dans le Champ d’Étude du Religieux: Contribuitons de la Théorie des Représentations Sociales. In:FREITAS, M.H.; PAIVA, G.J.; MORAES, C. (Orgs.) Psychology of religion in the contemporary western world: challenges for interdisciplinarity. Brasília: EdUCB, 2012, p: 113-136.

KOENIG, H.G. Religion, Spirituality, and Health: The Research and Clinical Implications. International Scholarly Research Notices Psychiatry, v.2012, p.1-33, 2012.

LAGOUEYTE, G.M.; GÓMEZ, M.M.; SIERRA, A.V. Religiosidad: baluarte en el afrontamiento del cáncer de cérvix. Revista Cubana de Enfermería, v.32, n.1, 2016.

MATHIAS, J.J.S.; ZAGONEL, I.P.S.; LACERDA, M.R. Processo clinical caritas: novos rumos para o cuidado de enfermagem transpessoal. Acta paul. enferm. V.19, n.3, p.332-337, 2006.

MELO, C.F., et al. Correlação entre religiosidade, espiritualidade e qualidade de vida: uma revisão de literatura. Estud. pesqui. psicol., v.15, n.2, p.447-464, 2015.

OJI, V.U. et al. Spiritual care may impact mental health and medication adherence in HIV+ populations. HIV/AIDS Research and Palliative Care, n.9, p.1011-109, 2017.

PANASIEWICZ, R. Categorização de experiências transcendentais: uma leitura da religiosidade, da fé e da religião. Rev. Pistis Prax., Teol. Pastor, v.5, n.2, p.587-611, 2013.

SCHLEDER, L.P. et al. Espiritualidade dos familiares de pacientes internados em unidade de terapia intensiva. ACTA Paulista de Enfermagem, v.26, n.1, p.71-78, 2013.

VILALTA, A. et al. Evaluation of Spiritual Needs of Patients with Advanced Cancer in a Palliative Care Unit. Journal of palliative medicine, v.17, n.5, p.592-600, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v29i4.7653

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 12/08/2021)

Fonte: Google Analytics.