A RELAÇÃO ENTRE SUJEITO E MÚSICA NA PERSPECTIVA DA COMPLEXIDADE

José Reinaldo Felipe Martins Filho

Resumo


Este trabalho discute a relação entre sujeito e música a partir da perspectiva da teoria da complexidade, inaugurada por Edgar Morin em meados da segunda metade do século XX. Para tal, pretende percorrer o ambiente no qual foi instaurada a concepção moderna de subjetividade, a fim de apontar os seus limites em face do que compreendemos serem os desafios da época contemporânea. Como objetivo maior, estará a eleição da música como via alternativa de integração das diferentes esferas que constituem o ser humano.

Palavras-chave


Sujeito. Música. Complexidade. Subject. Music. Complexity.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBANO, Sônia. Uma leitura trandisciplinar do fenômeno sonoro. São Paulo: Editora Som; Faculdade de Música Carlos Gomes, 2007.

ELIA, Luciano. O conceito de sujeito. 3.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2010. (Psicanálise Passo-a-Passo, 50).

FUBINI, Enrico. Música y lenguaje en la estetica contemporánea. Madrid: Alianza Editorial, 2001.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. Tradução de Ana Amélia Schuquer e David Neiva Simon. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

HART, Roy (on-line). Apresenta textos sobre a metodologia do instituto Hoy Hart e sua filosofia de ensino e desenvolvimento vocal. França, Thoiras, 2004.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Tradução, organização, nota prévia, anexos e notas de Fausto Castilho. Campinas, SP: Ed. da Unicamp; Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2012.

LADRIÉRE, Jean. O racional e o razoável. In. MORIN, Edgar (Org.). A religação dos saberes: o desafio do século XXI. Jornadas temáticas idealizadas e dirigidas por Edgar Morin. Tradução e notas de Flávia Nascimento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. p. 500-527.

MARTON, Silmara Lídia. Música, filosofia, formação: por uma escuta sensível do mundo. Dissertação (Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação) –Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2005.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. Edição revista e modificada pelo autor. 6.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

MORIN, Edgar. A noção de sujeito. In: MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução de Eloá Jacobina. 8.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. p. 117-128.

NATTIEZ, Jean-Jacques. O desconforto da musicologia. Per Musi – Revista Acadêmica de Música, n.11, p. 05-18, jan./ jun. 2005.

SCHOPENHAUER, A. O Mundo como vontade e representação. Tradução, apresentação, notas e índices de Jair Barboza. São Paulo: Edunesp, 2005. Tomo I.

ZUMTHOR, P. A permanência da voz. Correio da Unesco, s/l, n.10. Out. A palavra e a escrita, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v28i4.6861

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis B3

Visitantes - (01/01/2006 - 01/08/2019)
País Usuários
Brasil 34.046
Estados Unidos 1.488
Portugal 776
França 293
Moçambique 281
Angola 222
Espanha/td> 95
Chile 83
Colombia 74
Total 38.451

Fonte: Google Analytics.