Adoção de Soropositivos: experiência e convívio no acolhimento institucional na Casa Sagrada Família

André Filipe Pereira Reid dos Santos, Luiza Dalmaso da Silva

Resumo


Resumo: o presente artigo visa abordar o perfil da criança e do adolescente propenso à adoção na Casa Sagrada Família, no Estado do Espírito Santo. Nessa perspectiva, apresenta-se histórico-social da infância no Brasil. Em seguida, analisa-se o instituto
da adoção e prossegue para a análise da adoção de crianças e adolescentes soropositivos, apontando-se os termos clínicos e as necessidades singulares do portador do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). Considerando-se a importância do convívio e da
aproximação com o acolhimento institucional das crianças e adolescentes na Casa Sagrada Família, apresenta-se uma descrição densa do acolhimento institucional, analisando os aspectos sociais e jurídicos das crianças e adolescentes soropositivos que passaram pelo acolhimento.
Palavras-chave: Crianças e Adolescentes. Adoção. Soropositivo. Casa Sagrada Família.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v27i1.5570

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis B3