EDUCAÇÃO SEXUAL EM DISCURSO: PERCEPÇÕES DE PROFESSORES E ALUNOS

LÍDIA ANDRADE LOURINHO, ALINE VERAS MORAIES BRILHANTE, RAIMUNDA MAGALHÃES DA SILVA, MARIA SALETE BESSA JORGE, ANA MARIA FONTENELLE CATRIB

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar as percepções de professores e alunos sobre a educação sexual, explorando os processos sociais e as relações de poder que circunscrevem os discursos. Realizou-se um estudo exploratório-descritivo com enfoque qualitativo com adolescentes entre 14 e 18 anos de escolas públicas de Fortaleza, Ceará. Os dados foram obtidos usando entrevistas semiestruturadas, analisados pelos princípios da análise do discurso. A colocação do sexo em discurso parece gerar técnicas normalizadoras e normatizadoras de controle, o qual se exerce não tanto através de proibições e punições, mas através de mecanismos, metodologias e práticas que visam a produzir sujeitos autodisciplinados no que se refere à maneira de viver sua sexualidade. Conclui-se que políticas educativas que se proponham efetivas ao lidar com as vulnerabilidades relacionadas à sexualidade não podem negligenciar o aspecto cultural da sexualidade e da adolescência ou desconsiderar o contexto social, no qual esses dispositivos são constituídos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v27i2.5361

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.