A VIVÊNCIA DO AQUI-E-AGORA NA RELAÇÃO TERAPÊUTICA NA ABORDAGEM GESTÁLTICA

VIRGINIA ELIZABETH SUASSUNA MARTINS COSTA, MAISA ROBERTA PEREIRA RAMOS LOPES, ISADORA SAMARIDI

Resumo


O presente artigo objetiva descrever a experiência de uma terapeuta estagiária na perspectiva da abordagem gestáltica no que se refere, especificamente, a aplicação do conceito teórico aqui-e-agora dessa abordagem, na relação com uma cliente que vivencia distúrbios em sua temporalidade a partir da metodologia fenomenológica. Justifica-se pelo interesse da autora em favorecer a vivência do aqui-e-agora na relação terapêutica na tentativa de compreender a vivencia do futuro no aqui-e-agora. Muitas pessoas não conseguem contatar o agora, por viverem por viverem no presente com se estivessem no passado ou viverem no futuro como se fosse hoje. Assim, precisam aprender a vivenciar o presente como um movimento permanente entre passado e futuro e isso só será possível por meio do enfoque no que se está sentindo no momento que o fenômeno surge, ou seja, no aqui-e-agora. Durante o processo psicoterapêutico observou-se que o contato com o aqui-e-agora emergiu da relação terapeuta-cliente, na qual ambas foram aprendendo a entrar em contato com a vivência de um presente tão revelador. A presença genuína do psicoterapeuta e sua vivência do aqui-e-agora na relação terapêutica foram primordiais para levar ao cliente a experienciar a temporalidade no presente de fato.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v27i2.4969

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.